A importância de ações tomadas pelo Conselho Nacional de Justiça, determinadas principalmente pela pressão da opinião publica e que alertam o Judiciário nacional de que a mídia pode ser grande aliada no alcance da Sociedade e é preciso estar preparado

Comemorando uma década de atividades, nada mais adequado para expressar o resultado da ação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o Poder Judiciário brasileiro, do que a energia do latim: Divortium aquarum! Sim, um divisor de águas, relegando ao passado alguns costumes seculares um tanto negativos à imagem do Poder Judiciário no terceiro milênio. Refiro-me à venda dos olhos, comumente colocada na boca quando a pauta envolve a imprensa.


 Em rápido resumo, o CNJ está galgado na democracia, cujo alicerce vem da Constituição de 1988. Mas foi em 2005 que tomou corpo, com a Emenda 45, que traz a “reforma” do Poder Judiciário e a base do que hoje se busca oferecer com excelência à população: acesso a Justiça e celeridade processual. Não se pode negar a participação do Conselho na reestruturação do Poder Judiciário brasileiro em todas as suas camadas.

Autonomia e maturidade vem sendo o ganho para os tribunais na prática de ações,  que não somente beneficiam esferas superiores do Poder, mas trazem qualidade e valorização para os servidores e se refletem no atendimento ao jurisdicionado. O Judiciário vive a era da gestão e do planejamento, da capacitação, da organização de estratégias, e baseia-se em pesquisas para aplicar estratégias em âmbito administrativo e na atividade fim. A reforma só foi possível com o apoio de outros ramos profissionais, vide o projeto de “Diagnóstico e Fortalecimento dos Judiciários Estaduais”, desenvolvido pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias do próprio CNJ, cujo objetivo é a análise em dois departamentos importantes dos Tribunais: orçamento e recursos humanos. Um exemplo da importância de outras áreas profissionais para a construção da atividade jurídica.        

Fica mais fácil entender essa nova “era CNJ” no relacionamento com os meios, a partir da Resolução 85/2009, que trata da Comunicação Social no âmbito do Poder Judiciário, e assinada pelo Presidente, à época, ministro Gilmar Mendes. A citada Resolução 85/2009, traz palavras como “dar amplo conhecimento”, “divulgar”, “estimular”, “disseminar”, “incentivar”, “promover”. Ela regulamenta a abertura de espaço para o reconhecimento do trabalho dos profissionais formados em Comunicação Social no âmbito do poder e em beneficio da harmonia com o jurisdicionado, cuja ponte com o judiciário são os veículos de informação.


               Da perspectiva da comunicação com a mídia, a ação do CNJ dentro dos tribunais do país ajudou em parte na mudança de paradigmas e costumes de magistrados no tocante ao relacioinamento com a imprensa. Nenhuma transformação é fácil, tampouco é de fácil aceitação uma nova realidade, cujo equilíbrio, até então vigente, esteja sendo abalado. As assessorias de comunicação, e dentro delas, em especial, as de imprensa, ganharam mais notoriedade e um poucomais de respeito dos próprios magistrados, que em boa parte, entendeu a necessidade desse tipo de equipe no organograma.


            Estar preparado para se relacionar com a mídia é de extrema importância por vários fatores determinados pela evolução da Sociedade, do pensamento, pelo interesse dos próprios Tribunais, pela utilização das tecnologias que apoiam diretamente a justiça. Sociedade, imprensa, jurisdicionado, advogados, partes, são stakeholders do Judiciário,são seu público-alvo, são seus consumidores, são a quem se deve uma satisfação.


           A mídia é o meio de comunicação entre o judiciário e a sociedade. Como negar ser “fonte” de informação importante que pauta conversas no dia a dia das pessoas? Na Comunicaçao, a Teoria do Agendamento, conhecida como “agenda-setting”, afirma que os consumidores de notícias consideram os assuntos veiculados na imprensa como importantes,  tendo eles a relevância de fazer parte das conversas, debates e discussões, indicando que a mídia pauta os relacionamentos sociais. O caso Suzane Von Richthofen ainda rende matérias em razão das decisões judiciais; o caso ElisaMatsunaga, que matou e esquartejou o executivo da indústria Yoki; o caso do goleiro Bruno, com flashes transmitidas ao vivo do fórum em Minas Gerais; a morte cruel da menina Isabella Nardoni e o épico Mensalão, um casoricamente ornado de avaliações técnicas a serem feitas, no tocante ao comportamento dos julgadores, que apresentaram um judiciário real e mostraram a linha tênue que existe entre a imagem e a credibilidade.


              É fato a necessidade de preparo do magistrado do terceiro milênio, que, além de produzir as letras das sentenças, deve dominar a linguagem de forma menos pomposa e mais acessível para que a sociedade entenda. Esse preparo passa pela confiança nos profissionais da assessoria da instituição e na orientação técnica da Comunicação; passa pela necessidade do preparo do porta-voz no “mídia training”, uma ferramenta que traz, dentre outros benefícios, a capacidade de entender melhor a atividade jornalística, modela as atitudes, positiva o relacionamento do porta-voz com o jornalista e permite abandonar o velho argumento de muitos magistrados de que “a imprensa só publica coisas ruins sobre o judiciário”. Se há informações negativas publicadas é porque as “fontes” de onde se poderiam extrair coisas boas e passar as informações positivas estão “fechadas” pelos argumentos ultrapassados.


             Na atual realidade, o magistrado passa, enfim, a entender que a mídia é um elo entre o Poder Judiciário e a Sociedade. Quando a informação é passada ao cidadão, é necessário que seja passada de forma adequada a atingir o objetivo desejado. Tal ação permite que a mensagem chegue a quem se deseja atingir sem muitos ruídos, ou a interferência da interpretação do jornalista, que muitas vezes não consegue traduzir o “juridiquês”. Na comunicação, no relacionamento com a imprensa existe uma regra imutável, seja para a mídia tradicional ou mesmo para as novas mídias, com suas ferramentas e costumes impostos pela era da tecnologia: o melhor caminho para evitar crises é estar disponível e dizer a verdade, isso garante a credibilidade e põe em prática a democracia. A direção que o judiciário começa a seguir é única: saber utilizar positivamente os inúmeros canais de comunicação com a Sociedade para obter resultados incríveis.


Autor

  • Sandra Bezerra

    Jornalista Sandra Bezerra, registrada na Federação Nacional de Jornalismo (Fenaj), nº 00227JP/97.<br>Formada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Amazonas é pós-graduanda em Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais.<br>Possui mais de 18 anos de experiência na área de Comunicação desenvolvida como repórter, produtora e editora em veículos da mídia amazonense; assessora instituições, pessoas e empresas e ministra palestras e oficinas de relacionamento (mídia training). Tem seu estudo voltado para a área do relacionamento do Judiciário com a mídia.<br>

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

A Sociedade é o mais importante termômetro de aceitação de qualquer órgão do Estado e o Judiciário começa a se dar conta disso. Para atingi-la positivamente é necessário manter o relacionamento adequado com os veículos de comunicação e tudo começa com o simples conhecimento do funcionamento do trabalho do jornalista. Assim o "mídia training" é um caminho a ser segido pelos operadores do Direito

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria