Aquelas pessoas jurídicas tributadas pelo Lucro Real que apresentarem Prejuízo Fiscal decorrente das suas atividades operacionais, apurados em anos-calendário ou trimestres anteriores, poderão compensá-lo com seus resultados positivos há qualquer prazo

Segundo as Leis n° 8.981/95 e n° 9.065/95, aquelas pessoas jurídicas tributadas pelo Lucro Real que apresentarem Prejuízo Fiscal decorrente das suas atividades operacionais, apurados em anos-calendário ou trimestres anteriores, poderão compensá-lo com seus resultados positivos há qualquer prazo, respeitando o limite de 30% (trinta por cento) do lucro líquido ajustado em cada período de apuração, não estando sujeito à prescrição tributária. A apuração se da através da Demonstração do Lucro Real e é registrada na ECF — que ajusta o lucro líquido contábil do período com mais adições menos exclusões e compensações—sendo sua compensação determinada pela legislação do Imposto de Renda.

Contudo, existem limitações nos casos de transferência de Prejuízo Fiscal entre empresas. Por exemplo, no caso de Incorporação, Fusão e Cisão, segundo o art. 514 do Decreto n° 3.000/99 (ou RIR/99), a pessoa jurídica sucessora não poderá compensar prejuízos fiscais da sucedida. Entretanto, no parágrafo único do mesmo artigo está previsto que quando ocorrer cisão parcial, a pessoa jurídica cindida poderá compensar os seus próprios prejuízos, proporcionalmente à parcela remanescente do patrimônio líquido.

Quanto à mudança de controle societário ou de ramo de atividade, segundo o art. 513 do RIR, se ocorrer entre a data da apuração e da compensação, a pessoa jurídica perderá o  direito de compensar seus próprios prejuízos fiscais. Em relação à Sociedade em Conta de Participação (SCP), o prejuízo fiscal apurado somente poderá ser compensado com o lucro real decorrente da mesma SCP, sendo vedada a compensação de prejuízos fiscais e lucros entre duas ou mais SCP ou entre estas e o sócio ostensivo.

Já na Atividade Rural, o prejuízo fiscal apurado poderá ser compensado com o resultado positivo da mesma atividade, obtido em períodos de apuração posteriores sem a aplicação do limite de 30% do lucro líquido ajustado. Segundo o art. 2°, § 2° da Instrução Normativa da SRF n° 39/96, quando o prejuízo for apurado no período de apuração poderá ser compensado com o lucro real das demais atividades apurado no mesmo período de apuração, sem limite e segundo o art. 2°, § 3° dessa IN, poderá ser compensado com o lucro real de outras atividades, em períodos de apuração subsequentes, observado o limite de 30% (trinta por cento) do lucro líquido ajustado.

Portanto, deve-se observar bem a legislação em vigor para saber em quais casos poderá ser aproveitado o Prejuízo Fiscal, pois compensando o Prejuízo Fiscal na apuração do IRPJ uma empresa pode chegar a economizar 30% do valor a ser pago no Imposto de Renda de cada período de apuração.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria