A Intervenção Federal no Brasil: análise da aplicabilidade do dispositivo constitucional desde a Constituição de 1988

15/06/2015 às 09:24
Leia nesta página:

O presente artigo intenta discutir e analisar os princípios regentes para o decreto da Intervenção Federal e sua funcionalidade e aplicabilidade frente a algumas jurisprudências recorrentes desde a Constituição de 1988.

1             INTRODUÇÃO

Diante do fato de nunca ter sido aprovada uma intervenção federal pelo STF, desde a Constituição Federal de 1988, a presente pesquisa intenta discutir e analisar os princípios regentes para o decreto desse dispositivo e sua funcionalidade e aplicabilidade frente a algumas jurisprudências recorrentes.

2             CONCEITO E PRINCÍPIOS REGENTES

A Intervenção Federal, instituto político-excepcional, previsto na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 em seu artigo 34, 35 e 36, consiste em um cerceamento temporário da autonomia de um ente, a fim de que, nas hipóteses previstas, preserve-se a soberania da República Federativa e da autonomia dos entes federados.  São, nas palavras de José Afonso da Silva [1], situações extremas que põem em cheque a segurança estatal, a estabilidade federativa, as finanças estaduais e o equilíbrio da ordem constitucional. O decreto desse instituto, a fim de não ferir o princípio federativo, deverá obedecer estritamente a alguns princípios – excepcionalidade, taxatividade, temporalidade e proporcionalidade.

O princípio da excepcionalidade é justificado em virtude da regra de que, no Federalismo, os entes devem ser autônomos, sendo livres e capazes para realizar atividades do seu interesse dentro das restrições impostas pelo ente soberano. É previsto expressamente no artigo 34, caput, CF/88: “A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:” (grifei). A taxatividade, por sua vez, consiste no fato de as hipóteses de intervenção fazerem parte de um rol numerus clausus, isto é, fechado, limitado à lei. A temporalidade assinala a necessidade do prazo determinado do decreto, para que, mais uma vez, a autonomia dos entes seja garantida. Sendo assim, percebe-se que tal instituto busca reestabelecer o equilíbrio, de modo que, uma vez reestabelecido, retorna-se à autonomia federativa. A proporcionalidade, por fim, presente nas situações restritivas de direitos fundamentais ou conflito entre princípios constitucionais, estabelecerá uma restrição aos excessos, por meio das máximas da adequação, da necessidade e da proporcionalidade em sentido estrito. Verificar-se-á, então, se a intervenção federal é apta ou adequada, para que seja reestabelecido o equilíbrio, se ela é, de fato, necessária, não cabendo outro meio menos gravoso e igualmente válido para se atingir a estabilidade, e, finalmente, se há uma ponderação entre o grau de restrição de um princípio e a efetivação de um princípio contraposto.

3             HIPÓTESES E PROCEDIMENTOS

Previstas no artigo 34, CF/88, estão as hipóteses excepcionais para a ocorrência de intervenção da União no âmbito estadual e do Distrito Federal:

Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:

I - manter a integridade nacional;

II - repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra;

III - pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;

IV - garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;

V - reorganizar as finanças da unidade da Federação que:

a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de força maior;

b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição, dentro dos prazos estabelecidos em lei;

VI - prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;

VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:

a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;

b) direitos da pessoa humana;

c) autonomia municipal;

d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.

e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)

Para essas hipóteses, existem diferentes procedimentos constitucionais para o decreto da intervenção federal, previstos no artigo 36, CF/88. Um desses procedimentos é a decretação ex offício pelo Presidente da República. Ocorrerá nos casos dos incisos I, II, III e V, do artigo 34, CF/88, as situações de emergência: manter integridade nacional, repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra, pôr termo a grave comprometimento da ordem pública e nos casos que dizem respeito à organização das finanças do ente federado. Nesses casos, trata-se de competência discricionária do chefe do Executivo – independe de provocação, sendo prevista, apenas, uma consulta não vinculativa ao Conselho da República e ao Conselho da Defesa. Nesse sentido, o Presidente está sujeito a um juízo de oportunidade e conveniência, age apenas conforme seu arbítrio.

Já na circunstância do inciso IV, artigo 34, CF/88, que versa sobre a garantia do livre exercício dos Poderes nas unidades da Federação, haverá a necessidade de uma solicitação, por parte do Legislativo ou do Executivo, que esteja impedido ou sofrendo alguma coação que obste a destreza de sua autonomia. Quando o impedimento ocorrer na esfera do Poder Judiciário, ocorrerá uma requisição via STF para o Presidente da República. Importante observar que, no caso de requisição judicial, o Presidente encontra-se vinculado a essa requisição, não havendo espaço para atuar na sua discricionariedade a fim de decretar ou não a intervenção federal.

No inciso VI do mesmo dispositivo constitucional, na situação de descumprimento de ordem ou decisão judicial, o decreto de intervenção pelo Presidente da República também estará sujeito à requisição judicial, seja pelo STF, STJ ou pelo TSE. Novamente, ressalva-se o caráter vinculativo da requisição judicial, que afasta a discricionariedade do chefe do Executivo. Nesse mesmo inciso, em caso de recusa à execução de lei federal, haverá um procedimento diverso dos já mencionados. O Procurador Geral da República fará uma representação que dependerá de provimento do STF. Essa representação pode dar ensejo a uma Ação de Execução de Lei ou a uma ADI Interventiva, ambas regulamentadas pela Lei 12.562/2011. Do mesmo modo, na hipótese do artigo 34, VII, que trata da inobservância de princípios constitucionais, a intervenção também dependerá de representação do PGR, que dará ensejo a uma ADI Interventiva, e penderá de provimento do STF.

4             ANÁLISE DE ALGUMAS JURISPRUDÊNCIAS

A fim de se enfatizar o caráter de excepcionalidade da medida interventiva, analisaremos algumas jurisprudências que refletirão o processo complexo e burocrático para que uma intervenção seja colocada em vigor.

IF 2915 / SP - SÃO PAULO 
INTERVENÇÃO FEDERAL
Relator(a):  Min. MARCO AURÉLIO
Relator(a) p/ Acórdão:  Min. GILMAR MENDES
Julgamento:  03/02/2003           Órgão Julgador:  Tribunal Pleno

Publicação

DJ 28-11-2003 PP-00011         EMENT VOL-02134-01 PP-00152

Parte(s)

REQTES.: NAIR DE ANDRADE E OUTROS

ADVDOS.: ANTÔNIO ROBERTO SANDOVAL FILHO E OUTROS

REQDO.  : ESTADO DE SÃO PAULO

ADVDOS.: PGE-SP - EDSON MARCELO VELOSO DONARDI E OUTROS

Ementa 

EMENTA: INTERVENÇÃO FEDERAL. 2. Precatórios judiciais. 3. Não configuração de atuação dolosa e deliberada do Estado de São Paulo com finalidade de não pagamento. 4. Estado sujeito a quadro de múltiplas obrigações de idêntica hierarquia. Necessidade de garantir eficácia a outras normas constitucionais, como, por exemplo, a continuidade de prestação de serviços públicos. 5. A intervenção, como medida extrema, deve atender à máxima da proporcionalidade. 6. Adoção da chamada relação de precedência condicionada entre princípios constitucionais concorrentes. 7. Pedido de intervenção indeferido

Decisão

Após o voto do Senhor Ministro Relator, deferindo totalmente o pedido formulado, do voto do Senhor Ministro Ilmar Galvão, deferindo-o, em parte, e dos votos dos Senhores Ministros Gilmar Mendes, Ellen Gracie, Nelson Jobim e Maurício Corrêa, indeferindo-o, pediu vista o Senhor Ministro Carlos Velloso. Falaram, pelos requerentes, o Dr. Antonio Roberto Sandoval Filho, e, pelo requerido, o Dr. Elival da Silva Ramos, Procurador-Geral do Estado de São Paulo. Presidência do Senhor Ministro Marco Aurélio. Plenário, 14.8.2002.

- Apresentado o feito em mesa pelo Senhor Ministro Carlos Velloso, que pedira vista dos autos, a Presidência indicou adiamento. Ausentes, justificadamente, o Senhor Ministro Gilmar Mendes, e, nesta assentada, os Senhores Ministros Moreira Alves, Ilmar Galvão e Nelson Jobim. Presidência do Senhor Ministro Marco Aurélio. Plenário, 11.09.2002.

- Após o voto do Senhor Ministro Carlos Velloso, indeferindo o pedido formulado, pediu vista o Senhor Ministro Ilmar Galvão. Ausentes, justificadamente, a Senhora Ministra Ellen Gracie, e, neste julgamento, o Senhor Ministro Nelson Jobim. Presidência do Senhor Ministro Marco Aurélio. Plenário, 25.09.2002.

- O Tribunal, por maioria, vencido o Presidente, o Senhor Ministro Marco Aurélio, indeferiu o pedido formulado na inicial da intervenção.

Redigirá o acórdão o Senhor Ministro Gilmar Mendes. Ausente,

justificadamente, o Senhor Ministro Carlos Velloso, que proferira voto

na assentada anterior. Plenário, 03.02.2003.

No caso em apreço, com a aplicação do princípio da proporcionalidade fundamentou-se o indeferimento do pedido de intervenção. Não se verifica a adequação de uma medida interventiva, uma vez que o Estado não adotou postura inerte frente ao pagamento dos precatórios. Há uma limitação orçamentária dentro de um quadro de múltiplas obrigações de mesma ordem hierárquica. Nesse sentido, caso decretada a intervenção, estaria o interventor, também, limitado por esses mesmos empecilhos.

MS 21041 / RO - RONDÔNIA 
MANDADO DE SEGURANÇA
Relator(a):  Min. CELSO DE MELLO
Julgamento:  12/06/1991           Órgão Julgador:  Tribunal Pleno

Publicação

DJ 13-03-1992 PP-02923  EMENT VOL-01653-01 PP-00197

RTJ VOL-00137-01 PP-00177

Parte(s)

IMPTE: GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA

ADV: LUIZ RIBEIRO DE ANDRADE

ADV: ERASTO VILLA VERDE DE CARVALHO E OUTROS

IMPDO: PRESIDENTE DA REPÚBLICA

IMPDO: MINISTRO DA JUSTIÇA

IMPDO: GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

Ementa 

MANDADO DE SEGURANÇA - DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO ACRE E DE RONDÔNIA - PONTA DO ABUNÃ - ADCT/88, ART. 12, § 5. - ATOS EMANADOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, DO MINISTRO DA JUSTIÇA E DO GOVERNADOR DO ACRE - ATO COMPLEXO NÃO CONFIGURADO - COAÇÃO INEXISTENTE. MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA - AUTORIDADE NÃO SUJEITA À JURISDIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - INCOMPETÊNCIA DA CORTE - MANDADO DE SEGURANÇA NÃO CONHECIDO. PRESIDENTE DA REPÚBLICA - INTERVENÇÃO FEDERAL - PODER DISCRICIONÁRIO - OMISSÃO INEXISTENTE - "WRIT" DENEGADO. MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRADO POR ESTADO-MEMBRO EM FACE DE ATOS DO GOVERNADOR DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - INTELIGÊNCIA DO ART. 102, I, "f", da CONSTITUIÇÃO FEDERAL - "WRIT" CONHECIDO, MAS DENEGADO. - O instituto da intervenção federal, consagrado por todas as Constituições republicanas, representa um elemento fundamental na própria formulação da doutrina do federalismo, que dele não pode prescindir - inobstante a expecionalidade de sua aplicação -, para efeito de preservação da intangibilidade do vínculo federativo, da unidade do Estado Federal e da integridade territorial das unidades federadas. A invasão territorial de um Estado por outro constitui um dos pressupostos de admissibilidade da intervenção federal. O Presidente da República, nesse particular contexto, ao lançar mão da extraordinária prerrogativa que lhe defere a ordem constitucional, age mediante estrita avaliação discricionária da situação que se lhe apresenta, que se submete ao seu exclusivo juízo político, e que se revela, por isso mesmo, insuscetível de subordinação à vontade do Poder Judiciário, ou de qualquer outra instituição estatal. Inexistindo, desse modo, direito do Estado impetrante à decretação, pelo Chefe do Poder Executivo da União, de intervenção federal, não se pode inferir, da abstenção presidencial quanto à concretização dessa medida, qualquer situação de lesão jurídica passível de correção pela via do mandado de segurança. - Sendo, o Governador, a expressão visível da unidade orgânica do Estado-Membro e depositário de sua representação institucional, os atos que pratique no desempenho de sua competência político-administrativa serão plenamente imputáveis à pessoa política que representa, de tal modo que o ajuizamento da ação de mandado de segurança, por outro Estado, contra decisões que tenha tomado, nessa qualidade, sobre traduzir uma clara situação de conflito federativo, configura, para os efeitos jurídico-processuais, causa para os fins previstos no art. 102, I, "f", da Constituição. A Constituição da República, ao prever a competência originária do Supremo Tribunal Federal para processar e julgar "as causas e os conflitos" entre as entidades estatais integrantes da Federação (art. 102, I, "f"), utilizou expressão genérica, cuja latitude revela-se apta a abranger todo e qualquer procedimento judicial, especialmente aquele de jurisdição contenciosa, que tenha por objeto uma situação de litígio envolvendo, como sujeitos processuais, dentre outras pessoas públicas, dois ou mais Estados-Membros, alcançada, com isso, a hipótese de mandado de segurança impetrado por Estado-membro em face de atos emanados de Governador de outra unidade da Federação.

Assine a nossa newsletter! Seja o primeiro a receber nossas novidades exclusivas e recentes diretamente em sua caixa de entrada.
Publique seus artigos

Decisão

Apresentado o feito em mesa, o julgamento foi adiado em virtude doa

diantado da hora. Plenário, 05.06.91.

Decisão: O Tribunal, por votação unânime, não conheceu de ação quanto

ao ato do Ministro de Justiça e, ainda, por unanimidade, indeferiu o

mandado de segurança, enquanto impetrado em face do Governador do

Estado do Acre e do Presidente da República. Votou o Presidente. Falou

pelo impetrante, o Dr. Herácito Vila Verde de Carvalho. Plenário,

12.06.91.

Em relação ao Mandado de Segurança supramencionado, não há decisão judicial que vincule o Presidente da República ao decreto de intervenção federal na hipótese do artigo 34, II, CF/88, que versa sobre a repressão de invasão de uma unidade da Federação em outra. Nessa situação, o decreto de tal instituto constitucional estará vinculado apenas à discricionariedade do Chefe do Executivo, não cabendo provocação de outros Poderes.

5             CONCLUSÃO

Pela observação dos princípios constitucionais que regem o instituto da intervenção federal, as hipóteses para o decreto e a análise jurisprudencial, percebe-se a efetividade da proteção à autonomia dos entes Federados. Diante das jurisprudências supramencionadas e de outras semelhantes não citadas, é evidente que ainda não ocorreu hipótese excepcional para interferência na autonomia dos entes. Contudo, não se descarta a importância desse dispositivo constitucional, uma vez que, nos casos extravagantes previstos no rol do artigo 34, CF/88, colocar-se-ia em xeque o Estado Democrático de Direito. Nesse sentido, ressalta-se a imprescindibilidade da Intervenção Federal como último recurso de se garantir e assegurar a supremacia da forma republicana, do sistema representativo e do regime democrático [2].

6                  BIBLIOGRAFIA

BRASIL. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lênio L. (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013. 2.380.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 6ª ed. Salvador: Editora JusPodivum, 2014.

MENDES, Gilmar; BRANCO, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 10ª ed. São Paulo :Editora Saraiva, 2015.

PEREIRA, Milton Luiz. Intervenção federal: requisição judicial. Revista dos Tribunais, São Paulo, v.91, n.795, p.77-80, jan. 2002.


[1] Curso de Direito Constitucional Positivo. 6. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990, p.418.

[2]LEWANDOWSKI, ENRIQUE RICARDO. Comentário ao artigo 34. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lênio L. (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013. p. 808-809.

Sobre o autor
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos