Cuida-se de uma crítica à sucessiva restrição dos direitos políticos e da demonização da política

A história recente do direito eleitoral é a história do amesquinhamento dos direitos políticos. A pretexto de dar “pureza” ao sistema político, de combater a corrupção, está-se diante de um “direito eleitoral do inimigo”, sendo força populista tanto quanto equivocada, em paralelo ao movimento da Lei e da Ordem de recrudescimento do direito penal e da persecução penal, com retrocessos na efetividade dos direitos e garantias individuais, cujos marcos mais assustadores estão na relativização da presunção de inocência e na diminuição da imputabilidade penal.

Esse movimento, se por um lado é inútil no incremento da qualidade da política ou da diminuição da corrupção, por outro pode causar abalos sistêmicos no regime democrático brasileiro, com a adoção, por exemplo, do malfadado financiamento exclusivamente público de campanhas eleitorais.

O fim do financiamento privado das campanhas políticas termina por criar uma dependência financeira estatal para o funcionamento da democracia representativa. Proíbe-se a doação por organizações não governamentais de cunho ambiental e social, sob o argumento de se coibir a participação dos inimigos comuns de ocasião. Olvida-se que a participação da sociedade civil por meio de doações para as campanhas também é um sinal de saúde da democracia, de envolvimento cidadão, além de ser uma forma legítima de participação política ativa na arena pública. E a quantidade de recursos amealhados também integra a disputa na democracia político representativa.

A rigor, não há qualquer relação entre sistema eleitoral e corrupção. As funções do sistema eleitoral podem ser resumidas em três, conforme Virgílio Afonso da Silva: i) o exercício da soberania; ii) legitimação do poder político, isto é, a geração de uma certa aceitabilidade da relação de poder instaurada com os mandatos; iii) escolha de representantes e governantes. E talvez por esta constatação, ou seja, da ausência de relação entre a corrupção e a limitação do universo de eleitores por critérios morais, como o fez a Lei da Ficha Limpa, na Convenção Interamericana contra a Corrupção, nem na Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, inexiste qualquer medida limitadora dos direitos políticos.

Aliás, a Lei da Ficha Limpa, de certo modo, redundou em se anteceder à escolha popular e criar um novo grau (em oposição ao voto direto) para a própria escolha dos candidatos situados em órgãos de classe, autoridades administrativas, tribunais de contas, juízes de direito, aos parlamentos, a decisão precípua sobre a quem deve ser atribuído o poder do povo. A inelegibilidade passa a ser indefinida e esparramada nos meandros dos estamentos burocráticos e forças políticas paroquiais- muito atentas às inelegibilidades convenientemente criadas para afastar opositores. Retirou-se, do sufrágio universal, a possibilidade de escolha direta e, com isso, de aprimoramento das instituições democráticas pelo próprio erro e acerto.

A propósito, a escolha dos vereadores pelos Juízes – após a eleição – está no Título 67 do Livro Primeiro das Ordenações Filipinas de 1603 que regularam as eleições brasileiras até o século XIX: “E para servirem uns com os outros, o juiz juntará os mais convenientes, assim por não serem parentes, como os mais práticos com o que o não forem tanto, havendo respeito às condições e costumes de cada um, para que a terra seja melhor governada”.

Esse malsinado populismo eleitoral é uma grande ameaça ao Estado Democrático e de Direito, porque apequena a democracia, seus atores, seu financiamento e deve ser combatido, porque, em última análise traz consigo uma semente autoritária que desconfia das escolhas do povo. Por isso, é necessário, mais que nunca- a resistência democrática a esse messianismo eleitoral, para que possamos, parafraseando Campos, largar a chupeta de nossa infância e lidar logo com a bigorna da realidade constitucional: o poder emana do povo, cabendo a ele a escolha da representação política.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria