.

1. O TEXTO ORIGINAL DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

 

                            No princípio, aposentar-se no Serviço Público era um excelente negócio para o servidor, pois a Constituição Federal de 1988, no texto original do artigo 40, estabelecia requisitos relativamente fáceis de serem implementados para se fazer jus a uma aposentadoria com proventos integrais.

                            Naquela época, para se aposentar com proventos integrais, o servidor só precisava comprovar 30 anos de tempo de serviço, se mulher, e 35, se homem. Não havia qualquer outro tipo de requisito relacionado a idade, a tempo mínimo no cargo ou no Serviço Público.

                            Sob este regime normativo, o servidor se aposentava muito cedo, muito jovem, o que acarretava gastos vultosos para a manutenção do seu benefício, sobretudo, se ele vivesse por muitos anos, após a aposentadoria.

                            Implementando esse único requisito, o servidor se aposentava com proventos integrais, cujo cálculo se dava com base na sua última remuneração (integralidade) e com direito a paridade como critério de reajuste.

                            Vale lembrar que nem mesmo era exigido tempo de contribuição ao servidor. Pelo texto constitucional original, bastava que ele prestasse o serviço pelo período apontado, para fazer jus a uma aposentadoria integral. Tratava-se, portanto, de uma aposentadoria premial, custeada pelo Tesouro.

                              Por certo, não é preciso uma análise tão apurada para se concluir que o modelo que vigorava à época, não garantia o tão necessário equilíbrio financeiro e atuarial ao RPPS. Ao contrário, a regra de aposentadoria, por tão vantajosa que era, contribuía sobremaneira para o desequilíbrio das contas. Por este e outros motivos, o regime estava fadado à bancarrota. Providências deveriam ser tomadas. E, de fato, foram. Em 1998, eis que surge a Emenda Constitucional nº 20.     

                             

2. A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/1998

 

                            Dentro do contexto normativo, financeiro e atuarial acima esposado, o Governo, no dia 16/12/1998, edita a Emenda Constitucional nº 20, alterando significativamente a regra de aposentadoria então em vigor, criando novas exigências para que o servidor pudesse se aposentar voluntariamente com proventos integrais.  

                            A partir de agora, o servidor, na regra permanente do artigo 40, teria que implementar cumulativamente 10 anos de efetivo exercício no Serviço Público, 5 no cargo em que se daria a aposentadoria, além de 60 anos de idade e 35 de contribuição para o homem e 55 de idade e 30 de contribuição para a mulher.

                            A emenda também estendeu o caráter contributivo aos demais servidores, antes só cobrado dos servidores públicos federais. A partir de agora, todos os entes federativos deveriam cobrar contribuição previdenciária para o custeio do RPPS. A aposentadoria do servidor não mais seria por tempo de serviço, passando a ser por tempo de contribuição.   

                            Os requisitos, portanto, passaram a ser mais difíceis de serem implementados, o que ajudou a retardar a aposentadoria do servidor público. Exigir-se o implemento conjunto de tempo de contribuição e idade, sem dúvida, dificultou bastante a vida do servidor no momento de se aposentar.

                            Dessa forma, a alteração manteve o servidor por mais anos na ativa, contribuindo. Eis a lógica adotada: quanto mais tempo o servidor demorar para se aposentar, melhor para o RPPS, pois este recebe por mais tempo a contribuição previdenciária e paga por menos tempo o benefício.   

                            Como última informação, vale dizer que esta emenda constitucional não alterou a forma de cálculo dos proventos. Os mesmos continuaram alicerçados na última remuneração do servidor (integralidade) e ainda preservando o direito à paridade como critério de reajuste.

                            Mas este critério de cálculo (integralidade e paridade) ainda trazia muito prejuízo ao RPPS. Contribuía bastante para o desequilíbrio financeiro e atuarial. Por esta razão, as alterações perpetradas pela Emenda Constitucional nº 20/1998, não foram suficientes para solucionar o problema. Era necessária se fazer mais. Era necessária se extinguir mais direitos. Era necessário se extinguir a integralidade e a paridade. Eis então, que veio à tona a Emenda Constitucional nº 41/2003.   

 

3. A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/2003

                           

                            Esta emenda, no que se refere à regra permanente do artigo 40 da Constituição Federal de 1988, em nada modificou os requisitos trazidos pela Emenda Constitucional nº 20/1998. Estes permaneceram intocados, da forma como a emenda de 1998 os trouxe ao mundo. Portanto, os requisitos de 60 anos de idade e 35 de contribuição para o homem e 55 de idade e 30 de contribuição para a mulher, permanecem em vigor até hoje.

                            O foco da Emenda Constitucional nº 41/2003, voltou-se exclusivamente aos critérios de cálculo das aposentadorias contidas na regra permanente do art. 40.

                            Desta forma, a partir daí, extinguiu-se o cálculo pela última remuneração do servidor (integralidade), para dar lugar ao cálculo pela média aritmética simples, que, na verdade, veio a ser implementado somente no dia 20/02/2004, com o advento da Medida Provisória nº 167.

                            Sendo pela média, as chances do servidor se aposentar levando a integralidade de seu último contracheque diminuíram significativamente, pois agora, o valor dos proventos dependeria da média de sua vida contributiva. E quando o assunto é média, fica mais difícil alcançar o valor integral.

 

                            Também extinguiu-se a paridade, sendo substituída pelo critério do reajuste por meio de lei, a ser adotada pelo ente federativo.

                            Entretanto, inobstante a adoção de medidas tão duras contra o servidor, foram também criadas regras de transição para aqueles que tinham uma expectativa de se aposentar com base nas normas então em vigor. São elas, o artigo 6º da Emenda Constitucional nº 41/2003 e o artigo 3º da Emenda Constitucional nº 47/2005. Estas, ainda hoje, garantem integralidade e paridade.  

                            Por fim, ficou fácil concluir que: O que era bom para o servidor, era ruim para o RPPS. E o que é bom hoje para o RPPS, é ruim para o servidor. Mas, no fundo, o que importa, é salvar o regime. Afinal, do que adianta, regras de aposentadoria vantajosas dentro de um regime de previdência inviável atuarial e financeiramente.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria