Possibilidade de Redução da Jornada de Trabalho e do Salário dos Empregados.

No dia 06/07/2015, foi editada pela Presidenta da República a Medida Provisória nº 680/2015, que instituiu o Programa de Proteção ao Emprego - PPE.

Devido à crise financeira que atinge o país, a MP nº 680/2015 foi criada com o objetivo de evitar demissões e de oferecer às empresas a possibilidade de se reerguerem diante das dificuldades enfrentadas no mercado.

A MP possui trechos interessantes que podem servir de opção às empresas que se encontram em dificuldade econômico-financeira:

Art. 1º Fica instituído o Programa de Proteção ao Emprego - PPE, com os seguintes objetivos:

II - favorecer a recuperação econômico-financeira das empresas;

III - sustentar a demanda agregada durante momentos de adversidade, para facilitar a recuperação da economia;

Art. 2º Poderão aderir ao PPE as empresas que se encontrarem em situação de dificuldade econômico-financeira, nas condições e forma estabelecidas em ato do Poder Executivo Federal.

Art. 3º As empresas que aderirem ao PPE poderão reduzir, temporariamente, em até trinta por cento, a jornada de trabalho de seus empregados, com a redução proporcional do salário.

No que tange aos interesses do empregador, verifica-se que a MP busca conceder às empresas que se encontram em dificuldade econômico-financeira, a sua recuperação perante o mercado, tornando possível a sua retratação econômica.

O ponto mais importante da MP, sem dúvidas é a possibilidade de diminuição de até 30% das horas de trabalho do empregado, com redução proporcional do salário pago pelo empregador. Essas reduções ficarão condicionadas à Acordo Coletivo de Trabalho com o Sindicato que representa a categoria.

Frisa-se que a redução da jornada de trabalho deverá compreender todos os empregados da empresa ou pelo menos os empregados de um determinado setor.

Pra entender o quanto cada um vai contribuir na conta do PPE, segue um exemplo prático:

Um trabalhador que recebe salário de R$ 2.500,00 e que tiver a jornada laboral reduzida em 30%, a empresa deverá pagar 70% do seu salário, ou seja, R$ 2.500,00 - 30% = R$ 1.750. A metade do que faltar, ou seja, metade de R$ 750,00, que corresponde a R$ 375,00, será pago com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT. Dessa forma, o empregado receberá o salário de R$ 2.125,00 (R$ 1.750,00 + R$ 375,00).

Uma importante observação é que no caso da redução salarial, o valor pago pelo empregador não poderá ser inferior ao valor do salário mínimo.

Para aderir ao programa, as empresas deverão comprovar através do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), estar dentro do Indicador Líquido de Emprego.

Esse índice será calculado levando em conta a diferença entre as admissões e as demissões acumuladas nos últimos 12 meses, contados a partir do mês anterior ao da solicitação de adesão, sobre o total de funcionários da empresa. No resultado, o indicador não poderá ultrapassar 1% (positivo), conforme exemplo fornecido pelo MTE:

A empresa que contrata 100 trabalhadores e demite outros 120 em um período de 12 meses teria uma geração negativa de 20 postos de trabalho. Dividindo esse número (-20) pelo estoque de mil trabalhadores, o indicador será -2%, habilitando a participação.

Em tese, basta que a empresa tenha demitido mais do que contratado para poder credenciar-se ao PPE.

É importante destacar que a adesão ao Programa de Proteção ao Emprego não poderá ultrapassar o período de 12 meses.

Além disso, os empregados que tiverem redução da jornada de trabalho e consequentemente dos salários, gozam de certa “estabilidade”, ficando vedado a sua dispensa, arbitrária ou sem justa causa, enquanto vigorar a adesão da empresa ao PPE e após o seu término, durante o prazo de 1/3 do período de adesão.

De todo modo, verifica-se que a adesão da empresa ao PPE poderá ser utilizada como uma “válvula de escape”, com o intuito de driblar a crise que assola o país.

Por fim, registra-se que a MP nº 680/2015 já está em vigor e passa a produzir efeitos a partir do dia 22/07/2015, quando finda o prazo de 15 dias concedido para sua regularização. Ademais, a MP precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional em 60 dias (prorrogáveis por mais 60) para que não perca a sua validade.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria