O ARTIGO DISCUTE A QUESTÃO DA PERDA DE OBJETO DE HABEAS CORPUS IMPETRADO DIANTE DE DECRETAÇÃO DE NOVO DECRETO DE PRISÃO.

~~UMA NOVA PRISÃO PREVENTIVA

ROGÉRIO TADEU ROMANO
Procurador Regional da República aposentado

A descoberta de contas bancárias na Suíça operadas pelo Grupo Odebrecht foi usada pelo juiz federal Sérgio Moro para justificar novo decreto de prisão preventiva contra o presidente do grupo, Marcelo Odebrecht e quatro executivos ligados à companhia.
O Parquet, com a colaboração de autoridades suíças, obteve a quebra de sigilo de seis contas que seriam usadas pela Construtora Odebrecht para pagar propina. Duas delas seriam de propriedade direta da empreiteira. Com isso concluiu-se que “há prova de fluxo financeiro milionário, em dezenas de transações, entre contas controladas pela Odebrecht ou alimentadas por empresas do grupo e outras contas secretas, mantidas no exterior por dirigentes da Petrobras”.
Também pesou na decisão do magistrado a informação de que o presidente da Odebrecht teria tentado barrar as investigações da Operação Lava Jato, por meio do controle de agentes da Polícia Federal. “O trecho mais perturbador é a referência à utilização de ‘dissidentes PF’ junto com o trecho ‘trabalhar para parar/anular’ a investigação”, acrescenta o juiz da Vara Federal do Paraná.
“Além disso, são aqui invocadas, não como pressupostos da preventiva (prova de autoria e materialidade de crimes), mas como indicativos do risco de reiteração das práticas delitivas sem a preventiva, já que o esquema criminoso teria se reproduzido em outras estatais e persistido mesmo após o início das investigações”, complementou Moro.
“Com o patrimônio e recursos de que dispõe, a Odebrecht tem condições de interferir de várias maneiras na colheita da provas, seja pressionando testemunhas, seja buscando interferência política, observando que os próprios crimes em apuração envolviam a cooptação de agentes públicos”, ressaltou o magistrado.
Já anteriormente o magistrado  disse haver indícios de que o empresário participava das irregularidades desvendadas no escândalo do petrolão, como formação de cartel, fraude em licitações e corrupção de agentes. Para Moro, é "improvável" que Marcelo Odebrecht não tivesse conhecimento dos crimes de que a companhia é acusada ou mesmo que as supostas irregularidades fossem iniciativa exclusiva de subordinados da empresa. "O quadro probatório aponta, em cognição sumária, para o envolvimento profundo da Odebrecht no esquema criminoso que comprometeu a Petrobras. As provas têm desde a decretação da prisão apenas se avolumado", afirma o juiz.
Na avaliação do magistrado, as provas indiciárias contra a construtora Odebrecht não se resumem a declarações feitas em delação premiada, mas em documentos, como o e-mail em que executivos da empresa discutiram a contratação de navios-sonda e a possibilidade de "sobrepreço" de até 25.000 dólares por dia. Na versão da defesa de Marcelo Odebrecht - ele próprio um dos destinatários da mensagem eletrônica - a palavra "sobrepreço" não seria superfaturamento, mas uma tradução do termo técnico em inglês "cost plus fee", usado pelo mercado para designar valores adicionais cobrados por serviços extraordinários.

Afirma-se que o juiz federal Sérgio Moro encaminhou o decreto de prisão ás instâncias superiores que julgam os pedidos de liberdade apresentados pela defesa dos investigados: o Tribunal Regional Federal da 4º Região e ainda o Superior Tribunal de Justiça.
Em verdade, a nova prisão preventiva torna os habeas corpus ajuizados anteriormente pela defesa sem objeto.
Há com a decretação de nova prisão preventiva, prisão provisória, um novo titulo para o encarceramento.
Deverão os habeas corpus ajuizados e apresentados  ser julgados prejudicados uma vez que há uma nova fundamentação para a expedição de ordem de prisão.
A novel motivação, utilizada em decreto de prisão posterior, não foi objeto de impugnação em writ anterior, ancorada em outro móvel e outras circunstâncias, havendo mudança do titulo da prisão.
Por essa razão, entende-se que o writ anteriormente ajuizado com relação ao primeiro decreto de prisão preventiva deve ser julgado sem objeto por absoluta falta de interesse de agir.
É lição de Chiovenda(Principios de drecho procesal civil) que o interesse de agir consiste em que, sem a intervenção dos órgãos jurisdicionais, o autor sofreria um dano. É a necessidade do recurso aos órgãos jurisdicionais para a tutela de um direito. Falar-se-ia em necessidade somada a utilidade final no provimento perquerido.

Tal momento em que deve existir o interesse de agir subsiste no tempo em que o provimento jurisdicional é proferido. Se ele existia no início e despareceu naquela fase, a ação deve ser rejeitada por falta desse interesse.
    
 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria