É um cancro social que deve ser banido com todo o rigor e energia, visando preservar as instituições e os preceitos de uma democracia.

                                              A CORRUPÇÃO

                                                           Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

                                               O termo corrupção, muito em voga em nosso meio, é de origem latina corruptus significando o ato de quebrar aos pedaços, ou decompor e deteriorar algo.

                                               Entende-se também como o resultado de subornar alguém em troca de benefícios.

                                               Trata-se, portanto, de uma forma ou meio ilegal de se conseguir algo. A corrupção é considerada crime em nosso País.

                                               A Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013, conhecida como Lei Anticorrupção representa importante avanço ao prever a responsabilização objetiva, no âmbito civil e administrativo, de empresas que praticam atos lesivos contra a administração pública nacional ou estrangeira. Essa norma trata diretamente da conduta dos corruptores e foi regulamentada pelo Decreto nº 8.420, de 18 de março de 2015.

                                               Em sistemas corruptos e onde a instrução política da sociedade é baixa a prática da corrupção se prolifera.

                                               Esse cancro social não só está presente em todos os poderes do governo, como também é encontrado nas relações sociais humanas.

                                               É notório que o poder incontrolado quer sempre mais poder e Platão a esse respeito observou que os tiranos se corrompem em proporção ao quadrado do poder que detêm, vale dizer, que se assumem três vezes mais poder do que corresponde a sua capacidade de governo, resultará disso uma corrupção nove vezes maior.

                                               A corrupção faz o povo perder a fé no regime, desencadeando a insegurança e fomenta a reação popular, visando restabelecer o equilíbrio e o controle.

                                               O edifício social e moral minado pela corrupção começa a comprometer a estabilidade das instituições, enfraquecendo as organizações administrativas e jurídicas.

                                               Numa democracia aperfeiçoada e legítima é dever eliminar a corrupção.

                                               Esse tumor encontra ambiente adequado em mentes que não se dedicam a um trabalho digno.

                                               A dignidade da justiça deve ser resguardada contra seus próprios males e contra a corrupção que pode vir de fora, sendo este um dos altos deveres constitucionais e uma base absoluta necessária da organização de um país que se diz democrático.

                                               É sabido que todo o processo de corrupção e relaxamento moral e econômico leva os povos às mais agudas intransigências e não menos acirradas incompreensões.

                                               As riquezas materiais, por sua vez, sempre foram fonte de discórdia, de cobiça e corrupção.

                                               Vencer esse câncer social, cognominado de corrupção, significa um desafio para os povos democráticos e em momento algum se há de baixar a guarda nesse combate, mantendo viva a esperança de eliminar essa mazela.

                                               A história dos povos – assevera González Pecotche – se distingue pelo contraste de suas épocas florescentes e de progresso, com as de insanidade, corrupção e decadência. Do esforço e espírito viril dos habitantes de uma nação depende que suas etapas fecundas e de esplendor sejam mais intensas e durem mais que as de incerteza e desorientação que de tempos em tempos sobrevêm atraídas pela indiferença, a imprevisão e o desenfreio de quem assumem a responsabilidade de governar e dirigir seus destinos.

                


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso