o poder regulamentar está materializado na edição de decretos e regulamentos destinados a dar fiel cumprimento às leis, através de seus decretos de execução ou regulamentares, competência esta prevista no art. 84, IV, da Constituição Federal de 1988.

O poder regulamentar nas palavras de Moreira[1] “é a prerrogativa conferida à Administração Pública de editar atos gerais para complementar as leis e possibilitar sua efetiva aplicação”.

O fundamento constitucional para o exercício dessa competência segundo Ribeiro[2] encontra-se no art. 84, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, o qual compete ao chefe do Poder Executivo “expedir decretos e regulamentos para fiel execução das leis”.

Complementam Alexandrino e Paulo[3] dizendo que essa competência é atribuída por simetria, aos chefes do poder executivo dos Estados, Distrito Federal e dos Municípios, pelas respectivas Constituições e Leis orgânicas.

Há, também, segundo Moreira[4] atos normativos que, editados por outras autoridades administrativas, estão inseridos no poder regulamentar. É o caso das instruções normativas, resoluções, portarias, dentre outros.

Todavia, cumpre esclarecer o conceito de poder de regulamento que, segundo Ribeiro[5] é

o ato emanado privativamente pelo Chefe do Poder Executivo e através dele, instituem-se regras de execução – e não de legislação – desenvolvendo os comandos legislativos, estabelecendo as regras e as providências necessárias ao fiel cumprimento e aplicação da lei.  

Urge também diferenciar o que é o regulamento e o que é o decreto. Para Alexandrino e Paulo nas palavras de Mello[6], regulamento é:

ato geral e (de regra) abstrato, de competência privativa do chefe do Poder Executivo, expedido com a estrita finalidade de produzir as disposições operacionais uniformizadoras necessárias à execução da lei cuja aplicação demanda atuação da Administração Pública.

Já para Hely Lopes Meirelles[7] os decretos são:

atos administrativos da competência exclusiva dos chefes do Executivo, destinados a prover situações gerais ou individuais, abstratamente previstas, de modo expresso, explícito ou implícito, inferior à da lei, e, por isso mesmo, não a pode contrariar.

A competência para expedir regulamentos, segundo Gabriel[8] é privativa do chefe do Poder Executivo, para expedição de normas gerais complementares de lei, no sentido de torná-las operativa, sem, contudo, inovar, originariamente, o ordenamento jurídico.

Convém, no entanto, esclarecer no que tange as diferentes correntes sobre a existência dos regulamentos autônomos ou independentes do Direito Brasileiro, nas palavras de Alexandrino e Paulo[9] até a promulgação da Emenda Constitucional 32/2001 o entendimento da doutrina predominante era de que o texto constitucional somente aludia à expedição de decretos regulamentares, explicitando que tais atos devem assegurar a fiel execução da lei (art. 84, IV). Todavia com o advento da Emenda Constitucional 32/2001, passou a existir autorização expressa no art. 84, VI, da Constituição para a edição de decretos autônomos pelo Presidente da Republica, específica e unicamente para dispor sobre: “a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos; b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos”, e, dessa forma, a constituição passou a prever a possibilidade de serem editados decretos como atos primários, isto é, que decorrem diretamente do texto constitucional, e que não são expedidos em função de lei ou ato infraconstitucional.

E, ao que tange a referenda ministerial, afirma Pinho[10] que a referenda dos ministros de Estado em atos e decretos expedidos pelo presidente da república nos assuntos de sua competência, é indispensável para o ato. Ademais um decreto sem a referenda não é válido, em razão do não cumprimento de expressa previsão constitucional.

Neste sentido, o poder regulamentar está materializado na edição de decretos e regulamentos destinados a dar fiel cumprimento às leis, através de seus decretos de execução ou regulamentares, competência esta prevista no art. 84, IV, da Constituição Federal de 1988.

E, ponto relevante é que os decretos autônomos passaram a ter vigência no ordenamento constitucional, a partir da Emenda Constitucional 32/2001, pelo art. 84, VI, da Constituição Federal de 1988.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Administrativo descomplicado. Método: São Paulo, 2012.

GABRIEL, Ivana Mussi. Poder Regulamentar no Sistema Jurídico Brasileiro. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/13119/poder-regulamentar-no-sistema-juridico-brasileiro/1>.  Acesso em: 04 Nov. 2012.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2002.

MOREIRA, Alexandre Magno Fernandes. Poder Regulamentar. Disponível em: <http://www.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20110118231013562>. Acesso em: 04 Nov. 2012.

RIBEIRO, Lívia Marcela Benício. O poder regulamentar. Disponível em: < http://jus.com.br/revista/texto/8431/o-poder-regulamentar>. Acesso em: 04 de Nov. 2012.


[1] MOREIRA, Alexandre Magno Fernandes. Poder Regulamentar. Disponível em: <http://www.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20110118231013562>. Acesso em: 04 Nov. 2012.

[2] RIBEIRO, Lívia Marcela Benício. O poder regulamentar. Disponível em: < http://jus.com.br/revista/texto/8431/o-poder-regulamentar>. Acesso em: 04 de Nov. 2012.

[3] ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Administrativo descomplicado. Método: São Paulo, 2012. p. 227.

[4] MOREIRA, Alexandre Magno Fernandes. Poder Regulamentar. Disponível em: <http://www.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20110118231013562>. Acesso em: 04 Nov. 2012.

[5] RIBEIRO, Lívia Marcela Benício. O Poder Regulamentar. Disponível em: < http://jus.com.br/revista/texto/8431/o-poder-regulamentar>. Acesso em: 04 de Nov. 2012.

[6] ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Administrativo descomplicado. Método: São Paulo, 2012. p. 229.

[7] MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2002, p. 170.

[8] GABRIEL, Ivana Mussi. Poder Regulamentar no Sistema Jurídico Brasileiro. Disponível em: < http://jus.com.br/revista/texto/13119/poder-regulamentar-no-sistema-juridico-brasileiro/1>.  Acesso em: 04 Nov. 2012.

[9] ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Administrativo descomplicado. Método: São Paulo, 2012. p. 231.

[10] Pinho, Rodrigo Cesar Rebello. Da organização do Estado, dos Poderes e Histórico das Constituições. São Paulo: Saraiva, 2011, p. 133.


Autor

  • Ivani Glaci Drachenberg

    Advogada. Pós-graduada em Direito Civil, Tributário, Constitucional, Administrativo, Família/Sucessões, Empresarial e Notarial/Registral. Autora do livro "A Responsabilidade Civil do Médico na Cirurgia Estética frente ao CDC".

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0