As ideias estão no mundo mental e podem ser recolhidas pela mente. O esforço mental atrai a ideia.

AS IDEIAS

“A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original. ”             Albert Einstein

                               Marco Aurélio Chagas

A mente humana é um espaço dimensional. Nela se encontram os pensamentos, agentes mentais que atuam dentro e fora dela, na maioria das vezes de forma autônoma, sem a interferência da vontade da pessoa.

A percepção dos sentimentos acontece, também, via mente.

Nesse espaço mental os preconceitos, pensamentos específicos, encontram ali um lugar adequado, interferindo nas modalidades e conduta dos seres.

As ideias que estão por aí espalhadas podem encontrar nessa mente um local aprazível à sua acolhida e ao seu desenvolvimento.

O esforço mental é o que atrai a ideia, porque lhe oferece a oportunidade de revelar-se. Esforço que se há de fazer para entender o que se quer. A vontade, nesses casos, deve estar sempre ativa.

Para tanto, é imprescindível educar a mente, mediante um esforço voluntário, constante e consciente.

As faculdades mentais deverão ser organizadas e exercidas com método à luz de conhecimento apropriado.

O conceito é uma ideia que vai sendo ampliada ou superada ou evolui com o conhecimento adquirido. Por exemplo, o conceito de cimento para aquele leigo que o viu misturado à areia para a feitura da massa é simples. Ele tem a ideia do que é o cimento, entretanto para o que conhece a técnica de fazer o cimento, o conceito, a ideia é mais ampla e assim, analogicamente, acontece com os demais conhecimentos

A prescrição é um conceito que todos conhecem, ou seja, todos têm uma ideia do que vem a ser a prescrição, e, naturalmente, há aquele que não tem ideia nenhuma do que vem a ser isso. Mas o que tem, por exemplo, o conhecimento do Direito, tem um conceito mais amplo da prescrição. O que já aplicou esse conceito na prática, na solução de um caso concreto, ampliou naturalmente essa ideia, porque viu sua aplicabilidade e sentiu o efeito da prescrição na vivência.

Expor com liberdade as ideias denota progresso e é uma característica ímpar de um povo civilizado. As ideias que tendem para o bem contribuem para solucionar problemas e são um fator imprescindível para o aprimoramento das leis que disciplinam a vida em sociedade.

Ideias fecundas promovem o melhoramento da inteligência e da moral e forjam destinos promissores.

Há ideias mumificadas que influenciam o comportamento e o modo de ser e ver as coisas.

Por sua vez, as ideias brilhantes edificam um porvir promissor e elevado.

As ideias podem ser cultivadas e servem para comover o ânimo de forma muito particular.

As ideias de uns interferem e coincidem ou não com as dos demais.

Que ideia fazemos das coisas? Da vida, da morte, do peremptório, do permanente, dos valores. As ideias naturalmente sofrem a influência das crendices, histórias ilusórias, misticismo e de muitas outras coisas.

A liberdade de pensar está na possibilidade de refletir e atuar a todo o momento com independência de preconceitos, de ideias alheias, do «que dirão», etc, e, além disso, não fazer ou dizer o que não se deve.

Acaso não nascem na mente ideias que jamais veem a luz. Falta-lhes a força estimulante que lhe daria o impulso vital?

Muitas dessas ideias ficam esperando a oportunidade de se manifestar e se materializar em fatos ou são definitivamente abandonadas.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria