O presente artigo trata acerca da moratória, dispositivo expresso no Código de Processo Civil, e a sua aplicabilidade na Justiça do Trabalho.

                     A moratória legal, que foi introduzida em nosso ordenamento jurídico através da Lei n° 11382/2006, refere-se a possibilidade do executado reconhecer e confessar o débito e, em razão disso, requerer no processo a possibilidade de parcelamento do débito em até 6 (seis) parcelas.

                    Com a referida reforma, houve a inclusão no nosso ordenamento jurídico do artigo 745-A do Código de Processo Civil que dispõe:

 “Art. 745-A.  No prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exeqüente e  comprovando o depósito de 30% (trinta por cento) do valor em execução, inclusive custas e honorários de advogado, poderá o Executado requerer seja admitido a pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês.

§ 1o  Sendo a proposta deferida pelo juiz, o exeqüente levantará a quantia depositada e serão suspensos os atos executivos; caso indeferida, seguir-se-ão os atos executivos, mantido o depósito.

2o  O não pagamento de qualquer das prestações implicará, de pleno direito, o vencimento das subseqüentes e o prosseguimento do processo, com o imediato início dos atos executivos, imposta ao Executado multa de 10% (dez por cento) sobre o valor das prestações não pagas e vedada a oposição de embargos.”

                   Pela simples leitura da Lei, para a possibilidade de aplicação do referido instituto é necessário alguns requisitos, conforme consta abaixo:

a)      Pedido no prazo de que a parte dispõe para opor os competentes Embargos;

b)      O reconhecimento do débito exeqüendo;

c)      Pedido de parcelamento em até 06 vezes; e,

d)     Depósito inicial de 30% (trinta por cento) do monte exeqüendo acrescido de juros, correção monetária e honorários advocatícios.

                     O objetivo da inclusão do referido artigo no Código de Processo Civil é impedir que não haja oferecimento de defesa, seja por Embargos à Execução, Exceção de Pré-Executividade ou por Ações Autônomas, que por muitas vezes são meramente protelatórias.

                     Ademais, com a aplicação do referido instituto, o grande objetivo é conciliar 2 (dois) princípios: o da máxima utilidade e menor onerosidade.

                     O princípio da máxima utilidade é aquele que objetiva a obtenção para o credor do melhor resultado possível para que consiga a total prestação Jurisdicional com a satisfação integral do seu crédito ou o mais próximo possível.

                     O princípio da menor onerosidade, que está descrito no artigo 620 do Código de Processo Civil, tem como fundamento impedir que o processo executivo se transforme em punição ao executado e que o crédito do exeqüente seja satisfeito do modo menos prejudicial ao devedor.

                     Humberto Theodoro Júnior [1] entende que: “... deve realizar-se da forma que, satisfazendo o direito do credor, seja o menos prejudicial possível ao devedor. Assim, “quando por vários meios o credor puder promover a execução, o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor”. 

                     Assim, para o objetivo principal da execução o Magistrado deve fundamentar suas decisões, na forma que não haja prejuízo demasiadamente excessivo ao devedor, mas que ao mesmo tempo satisfaça o direito do credor.

                     O procedimento não há a necessidade de Concordância do credor ou que o Douto Julgador altere as condições ofertadas pelo Devedor.

                     Bruno Ítalo de Sousa Pinto[2] diz:

“A segunda conclusão possível é no sentido de que este instituto heterogêneo tem natureza potestativa, visto que o titular do direito ao parcelamento pode obtê-lo independentemente da concordância do Credor.

Especificando ainda um pouco mais, pode-se afirmar que o direito potestativo em questão é daqueles exercitáveis apenas através da intervenção do Estado, o que se evidencia pelo fato de que requerimento só pode ser feito no corpo de um processo de execução. De outro modo, tratar-se-ia de parcelamento extrajudicial, e não judicial, como de fato é.

Em suma, o parcelamento da dívida objeto de execução de título executivo extrajudicial é direito subjetivo heterogêneo potestativo, exercitável unicamente pela via judicial, razão pela qual é mais propriamente denominado parcelamento compulsório”

                     Presentes os requisitos, não pode o Magistrado indeferir a concessão do parcelamento.

                     Fredie Didier Junior [3] ressalta:

“O parcelamento é uma espécie de favor legal conferido ao Executado; um estímulo ao cumprimento espontâneo da obrigação: uma medida legal de coerção indireta pelo incentivo à realização do comportamento desejado (adimplemento), com a facilitação das condições para que a dívida seja adimplida.”

                     O artigo referido traz requisitos que devem ser observados, para haver a proporcionalidade entre as partes para que não haja onerosidade excessiva ao devedor e ao mesmo tempo o crédito do exeqüente seja satisfeito.

                     Ademais, uma conseqüência lógica do pedido de parcelamento impede a oposição de Embargos futuros e acaba por reconhecer o direito do Credor, cumprindo a obrigação num prazo um pouco maior. 

                     Em contrapartida o Executado arcará com o ônus em caso de descumprimento de arcar com a multa e sofrer o início imediato dos atos executivos não podendo mais defender-se por Embargos.

                     Os benefícios para ambas as partes em razão da aplicação do artigo 745-A seria a redução do tempo do processo que será reduzido pois o parcelamento do débito em até 6 (seis) parcelas mensais, impede recursos  e ações com intuito meramente procrastinatório.

                     A aplicação do Instituto no processo cível, não há dúvidas. Entretanto, a questão é a seguinte: Há aplicação da Moratória na Execução Trabalhista?

                     Há grande discussão sobre a aplicabilidade sobre o tema na Justiça do Trabalho, tendo em vista os diversos entendimentos.

                     Quem entende que não se aplica no Processo do Trabalho diz que a CLT tem regramento próprio para a execução, não se aplicando, pois, os previstos no Código de Processo Civil bem como a incompatibilidade entre o artigo 745-A do CPC e o disposto no artigo 475-J do CPC, tendo em vista que a sentença deve ser cumprida de imediato afastando a possibilidade de parcelamento por contraditório sendo incompatível.

                     Outro argumento quem entende não ser aplicável a aplicação do parcelamento diz que o referido artigo somente seria aplicado a execução de títulos extrajudiciais.

                     E um último argumento sobre a Inaplicabilidade no Processo do Trabalho diz que o artigo 745-A do CPC, está localizado no Capítulo III, do Título III, do CPC, que é destinado unicamente à execução de títulos extrajudiciais, não se aplicando ao cumprimento de decisões judiciais.

                     Quem entende ser cabível a aplicação do referido artigo no processo Trabalhista defende o objetivo da maior satisfação da tutela e pelo princípio constitucional da razoável duração do processo bem como o princípio da onerosidade, disposto no artigo 620 do Código de Processo Civil.

                     Quanto à aplicação do modo menos oneroso, o Professor Mauro Schiavi leciona que:

                                   “O presente dispositivo não atrita com o artigo 612 do CPC, ao  contrário, com ele se    harmoniza. Com efeito, interpretando sistematicamente os referidos dispositivos legais, chega-se à seguinte conclusão: somente quando a execução puder ser realizada por mais de uma modalidade, com a mesma efetividade para o credor, se preferirá o meio menos oneroso para o devedor.”[4]

                     A proposta de parcelamento deve estar todas as informações relativas ao pedido bem como documentos necessários ao seu exame. Em caso de ausência de alguns dos requisitos e/ou documentos o indeferimento é medida de ordem.

                     O pedido de parcelamento deve ser feito no prazo dos embargos, devendo constar o reconhecimento expresso do crédito exeqüente líquido conforme indicado na sentença ou, no caso trabalhista, do valor homologado pelo juiz em sentença de liquidação.

                     O reconhecimento deve ser não só do título, mas também do valor da execução na data do pedido. Sem esse reconhecimento, que equivale à confissão do débito, o parcelamento não pode ser deferido.

                       O Executado deve juntar no pedido de parcelamento a comprovação do depósito de 30% (trinta por cento) do valor da execução, por meio de guia judicial própria, paga dentro do prazo dos embargos. O valor do pagamento deve ser exato, sem desprezar os eventuais centavos, sob pena de aplicação, por analogia, da inteligência da OJ140, da SDI-I, do TST, que assim se expressa;

“DEPÓSITO RECURSAL E CUSTAS. DIFERENÇA ÍNFIMA. DESERÇÃO.OCORRÊNCIA (nova redação) - DJ 20.04.2005

Ocorre deserção do recurso pelo recolhimento insuficiente das custas e do depósito recursal, ainda que a diferença em relação ao “quantum” devido seja ínfima, referente a centavos.”

                     O indeferimento do pedido só poderá ser feito no caso de descumprimento de algum requisito legal, afastando o poder do magistrado de não conceder o benefício por qualquer outra circunstância.

                     Ademais, o Magistrado verificando a presença dos requisitos do artigo 745-A do Código de Processo Civil, o executado deverá efetuar o pagamento acordo nas datas acordadas, sob pena de vencimento de todas as prestações e inclusão da multa de 10% (dez por cento) sobre o remanescente.

                     Sobre o tema há diversos posicionamentos divergentes que passará a expor.

                     O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em recente julgado, não admitiu a aplicabilidade do artigo 745-A do Código de Processo Civil ao Processo Trabalhista:

ART. 745-A DO CPC. INAPLICABILIDADE NA JUSTIÇA DO TRABALHO. Inexiste lacuna na Consolidação das Leis do Trabalho acerca do início e da forma na qual a fase de execução deve transcorrer. O artigo do Código de Processo Civil choca-se, ainda, com os princípios que regem o processo trabalhista, mormente o da celeridade na satisfação do crédito do exequente, de natureza alimentar.

(...)

                            Sustenta o agravante, em síntese, a impossibilidade de aplicação do art.745-A do CPC ao Processo do Trabalho, requerendo o prosseguimento regular da execução.

Assiste­lhe razão.

Isto  porque,  as  normas  do  processo comum apenas  podem incidir  nos processos trabalhista quando há omissão a respeito da CLT e existindo compatibilidade com o Título X (Do Processo Judiciário do Trabalho) desse último diploma.

Os arts. 880 a 883 da CLT dispõem, expressamente a respeito do início da fase de execução e a forma como esta deve transcorrer desde a citação do executado, estabelecendo inclusive prazos para cumprir o comando ou garantir o Juízo.

Assim é que, por força do disposto no art. 880 da CLT, ao executado incumbe o cumprimento da decisão ou acordo no prazo, ou em se tratando de pagamento em dinheiro, incumbe-lhe fazê-lo em 48h (quarenta e oito  horas), ou garantir a execução, sob pena de penhora.

Conquanto a CLT nada mencione sobre a possibilidade de parcelamento da dívida, certo é que aa doação da regra do artigo 745-A do Código de Processo Civil é incompatível com os princípios que regem o processo trabalhista, mormente o da celeridade na satisfação do crédito do exequente, de natureza alimentar.[5]

                                                                                                                      (Grifos nossos)                                                     

                   Entretanto, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região decidiu:

PARCELAMENTO  DO   DÉBITO EXEQUENDO.   ARTIGO   745­A   DO   CPC.APLICAÇÃO À EXECUÇÃO TRABALHISTA. O parcelamento do débito, tal  como previsto no art.   745­A,   do   CPC,   tem   por   escopo   tão somente facilitar   a   satisfação   do   crédito exequendo   em   período   de   tempo   em  que, provavelmente,   a   execução   não   atingiria   sua finalidade,   o   que   é  vantajoso,   tanto   para   a executada   quanto   para   o   exequente.   Assim sendo, e considerando que a CLT, apesar de possuir   regramento   específico   quanto   ao procedimento   executório,   é   omissa   quanto   a essa   forma   de   pagamento,   é   de   se aplicar, Subsidiariamente, o disposto no art. 745­A em questão.

(...)Data   venia  do   entendimento   esposado   pela   d. Magistrada  de  1º  grau,  considero  que  o  artigo  em  questão é  perfeitamente aplicável   ao   processo   do   trabalho,   porquanto   a   CLT,   apesar   de   possuir regramento específico quanto ao procedimento executório, é omissa quanto a essa   forma   de   pagamento,   o   que   enseja   a   aplicação   subsidiária   desse dispositivo legal (art. 769 da CLT).”[6]

                                                                                              (grifos nossos)

           Pelo exposto por esse trabalho há fundamentos e decisões para ambos tanto para quem entende ser aplicável o artigo 745-A do Código de Processo Civil bem como para quem fundamenta pela Inaplicabilidade do referido artigo.

CONCLUSÃO

A inserção do artigo 745-A do Código de Processo Civil buscou acelerar a satisfação do Credor bem como a impossibilidade de recursos e ações procrastinatórias por parte do Devedor.

Há benefícios para o Devedor, quando há o afastamento dos riscos e custas do processo executivo bem como para o credor que se beneficia do recebimento em menor tempo possível, já que não há Recurso e Ações procrastinatórias que poderiam retardar o feito.

            O parcelamento na realidade é um benefício também para a Justiça, pois pela medida há redução significativa de processos com caráter contencioso podendo haver análise de outras demandas.

            Dessa forma, o artigo 745-A do Código de Processo Civil é plenamente aplicável ao processo do trabalho, uma vez que visa agilizar a satisfação do crédito trabalhista, com respaldo ao princípio constitucional da razoável duração do processo bem como respeito ao princípio da celeridade, da máxima utilidade e da menor onerosidade ao executado.


[1] Theodoro Júnior, Humberto, Curso de Direito Processual Civil, vol. 2, 36ª ed., Rio de Janeiro, Editora Forense, 2004, pg. 11-12.

[2] PINTO, Bruno Ítalo Sousa. Artigo 745-A do CPC: a natureza jurídica do parcelamento da dívida e outras polêmicas. Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n. 1897, 10 set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 22.03.2014.

[3] DIDIER JR, Fredie; CUNHA, LEONARDO José Carneiro da. BRAGA, Paula Sarno. OLIVEIRA, Rafael Oliveira. Curso de Direito Processual Civil: Execução. Vol. 5. Edições JusPodivm, 2009.

[4] SCHIAVI, Mauro. Manual de Direito Processual do Trabalho. 5. ed. São Paulo: LTr, 2012, p.885

[5] PROCESSO Nº: 00015358420135020435 A28        ANO: 2013          TURMA: 3ª – Relator: ROSANA DE ALMEIDA BUONO

[6] 00818­2011­016­03­00­2­AP – TRT 3ª Região – Relator:  José Eduardo de Resende Chaves Júnior – 1ª Turma


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso