Riscamento de petições - expressões injuriosas e ofensivas - Novo CPC

Não é incomum, que, no clamor do debate de teses no processo civil, uma das partes venha se exceder na petição e ofenda ou injurie a parte ou até mesmo o advogado contrário.

O Novo CPC em seu art. 78, foi mais detalhista em relação ao art. 15 do CPC/73. Dispõe o dispositivo:           

“Art. 78.  É vedado às partes, a seus procuradores, aos juízes, aos membros do Ministério Público e da Defensoria Pública e a qualquer pessoa que participe do processo empregar expressões ofensivas nos escritos apresentados.

§ 1o Quando expressões ou condutas ofensivas forem manifestadas oral ou presencialmente, o juiz advertirá o ofensor de que não as deve usar ou repetir, sob pena de lhe ser cassada a palavra.

§ 2o De ofício ou a requerimento do ofendido, o juiz determinará que as expressões ofensivas sejam riscadas e, a requerimento do ofendido, determinará a expedição de certidão com inteiro teor das expressões ofensivas e a colocará à disposição da parte interessada.”

Mais avançado, o novo CPC além de permitir o riscamento das expressões injuriosas contidas na petição, permite também extrair certidão da “expressão ofensiva” para o caso de se tomar as medidas judiciais ou criminais cabíveis. O riscamento também é determinado inclusive no processo digital, pois existem meios eletrônicos que permitem o “riscamento” computadorizado apenas do trecho que contém as palavras ofensivas à parte, ao advogado, ao Ministério Público ou Juiz.

E se a ofensa for praticada verbalmente, usando dos poderes do art. 360 (artigo 445 e 446, CPC/73) o juiz advertirá o ofensor, sob pena de, se repetir cassará a palavra.

Veja um exemplo interessante de “mensagem subliminar” ofensiva e inteligente praticada numa Comarca do interior do Paraná, entre dois advogados amigos, pasmem.

Um advogado emprestou dinheiro em quantia equivalente a 02 salários mínimos para um funcionário do Cartório e, como garantia ele emitiu uma Nota Promissória. Venceram os 03 anos e o funcionário não pagou, pedindo a renovação da nota promissória por mais 03 anos. Aproximando-se do termo final do segundo triênio, o funcionário propõe o pagamento em 10 parcelas, proposta esta que o paciencioso advogado não aceitou, decidindo então ajuizar execução de título extrajudicial, postulando em causa própria.

Ajuizada a execução, o funcionário executado é citado e deixou transcorrer in albis o prazo para embargos (15 dias), mas, contratou advogado (amigo do advogado credor) que peticionou, efetuando o depósito do que entendia ser devido. O advogado credor – postulando em causa própria elaborou cálculo detalhadíssimo do valor devido, e após efetuar o levantamento do valor pago, peticionou requerendo o complemento da diferença. Era final do ano e em virtude das férias forenses, passaram-se mais de 30 dias, ocasião em que o advogado do executado foi intimado, efetuou o pagamento da diferença sem juros e sem correção monetária, sendo certo que havia transcorrido entre o cálculo e o pagamento mais de 60 dias.

O advogado credor novamente efetuou o levantamento do depósito, e como não queria constranger o executado funcionário do cartório, deixou de requerer penhora, apenas efetuou novo cálculo apontando a diferença devida à título de juros e correção monetária.

Note-se que o credor estava no regular exercício de seu direito, afinal transcorreram 6 anos desde o empréstimo até o ajuizamento da ação em virtude da inadimplência.

Entretanto, essa petição requerendo o depósito da diferença final, foi o estopim para que o advogado do executado peticionasse, efetuasse o depósito da diferença, e sem conseguir se conter citou na petição trecho bíblico a seguir:

LUCAS CAPITULO 12, VERSICULO 15: Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui.

A primeira vista parece que o advogado do executado é muito religioso. Não era; quem era cristão fervoroso era o advogado credor, que em toda execução e nas petições que se seguiram no processo sequer citou qualquer trecho bíblico.

A inteligência do advogado de usar artifício gráfico, tipo da composição computadorizada na petição, para ofender foi brilhante, diga-se. O intrigante é que o ofensor e o ofendido sempre tomavam cerveja juntos no happy hour, e o advogado credor pagava sempre a conta, demonstrando assim seu desprendimento – muito contrário à avareza apontada na petição ofensiva. Mas isso não bastou para tratar o colega com lisura e respeito.

Vejam como foi elaborada a petição do advogado do executado, com objetivo de ofender o advogado credor.

O procurador ofensor utilizando a fonte Times New Roman, tamanho 12, endereça a petição: “Excelentíssimo Senhor Doutor...”, e logo em seguida exatamente na citação bíblica utiliza a fonte ARIAL, tamanho 16: “LUCAS...”  e retorna em seguida, depois da citação bíblica para a fonte Times New Roman 12.

O Credor advogava em causa própria, portanto, se confundem as funções de Exequente e procurador judicial.

Fácil observar o destaque da citação bíblica: versículo (mudança do tamanho da fonte e do tipo maior) e foi endereçada apenas ao Procurador Judicial. Não existia outra parte na ação, apenas Exequente e Executado!

A citação bíblica (versículo) foi dirigida ao Procurador e Credor; a expressão com citação bíblica foi infeliz, num momento que não houve nenhum ataque ou calor de debates para chegar à inclusão da citação utilizada, que tinha apenas e tão-somente o intuito de injuriar e ofender o Credor; é o tipo da situação: “pago a diferença, mas vou dar uma cutucada no advogado”.

Não houve nenhum ataque nem ao Executado e nem ao seu Procurador, que motivasse a citação bíblica (Lucas).

O Código de Ética e Disciplina da OAB, nos ensina:

Art. 2º O advogado, indispensável à administração da justiça, é o defensor do estado democrático de direito, da cidadania, da moralidade pública, da Justiça e da paz social, subordinando a atividade do seu Ministério privado à elevada função pública que exerce.

Parágrafo único – São deveres do advogado:

I – preservar, em sua conduta, a honra, a nobreza e a dignidade da profissão, zelando pelo seu caráter de essencialidade, e indispensabilidade;

II – atuar com destemor, independência, honestidade, decoro, veracidade lealdade e dignidade e boa-fé.

 Novamente, no exercício regular de seu direito, o advogado credor peticionou e pediu ao juiz o “riscamento” de toda a expressão bíblica que foi deferido, e após levantamento da diferença quitada o processo foi extinto (art. 794, CPC).

            Por isso, deve-se ter muito cuidado para não se exceder nas palavras quando do peticionamento ou até mesmo verbalmente em audiência, sob pena de ser cassada a palavra, ou ter riscadas do processo as expressões ofensivas.

O ilustre Eduardo Couture esclarece e sugere no 9º Mandamento do Advogado:

 9º      ESQUECE - A advocacia é uma luta de paixões. Se a cada batalha, fores carregando a tua alma de rancor, chegará o dia em que a vida será impossível para ti. Terminando o combate, esquece tanto a vitória quanto a derrota.

 

No dia-a-dia forense ganhando ou perdendo, muitas vezes não é fácil esquecer o processo e o debate processual, para nenhuma das partes, especialmente para os advogados que militaram.

O nono mandamento de Couture é um norte para os advogados, um sábio conselho, entretanto, no embate processual e no cotidiano forense muitas vezes temos dificuldade para aplica-lo.

Felizmente, a maioria de nós advogados, sabe separar as coisas, e vê o colega como um igual, alguém que trabalha e defende uma causa, uma tese, uma parte, mas não vê o colega como inimigo, alguém a ser ofendido e maltratado. Para nos maltratar já temos a dura realidade que é militar na advocacia, defendendo os interesses de outrem.


Autor

  • Fausto Trentini

    Formado pela UEM - Universidade Estadual de Maringá/PR em 1988. Desde então militando na advocacia. Ex- Procurador Jurídico do Município de Paranavaí-PR. Ex-Assessor Parlamentar da Assembleia Legislativa-PR. Ex-Secretário da OAB, Subseção Paranavaí-PR. <br>

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso