Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Da necessidade da imparcialidade do Ministério Público

Comento um texto caso Bolsonaro versus Maria do Rosário.

Quando ouço falar que o Direito é uma ciência, começo a bocejar. Talvez até o seja, mas não aqui no Brasil. Está mais do que comprovado que o Direito, no Brasil, é a arte de dar razão à ideologia de quem tem a caneta na mão.

Em incidente no Congresso Nacional, a Deputada Maria do Rosário chamou o Deputado Bolsonaro de estuprador, por três vezes, aos gritos, após isto, em resposta, o Deputado disse que ela não merecia ser estuprada.

Temos aí um crime de calúnia evidente cometido pela deputada, pois imputou-lhe a prática do crime de estupro.

Temos aí, de acordo com alguns, numa interpretação extremamente elástica, um crime de incitação ao crime de estupro, praticado por Bolsonaro.

Quem decide é o Promotor Natural, ele é quem precisa ser convencido acerca da existência ou não de crime. É ele que tem a caneta na mão para acusar.

O que a Procuradora da República Ela Wiecko fez? Processou os dois? Não... Processou apenas Bolsonaro, ainda que o crime dela tenha sido muito mais evidente e absolutamente indiscutível – uma subsunção inegável ao artigo 138 do Código Penal:

“Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime”.

 

 

Na página 10, ela afirma que:

“O MPF é uma instituição masculina e sexista.”.

Na página 16, faz uma pergunta que considero inusitada:

“A situação minoritária das mulheres no Ministério Público Federal representa um problema. Como uma instituição predominantemente masculina pode efetivamente compreender a condição feminina na sociedade brasileira e atuar na promoção da igualdade material entre mulheres e homens?”

 

 

 

Ora, se na cabeça dela, os Procuradores da República são machistas, Bolsonaro deve ser um monstro! que chance tem Bolsonaro contra uma mulher que acha que os Procuradores da República são machistas?

 

Este é o problema de um Promotor que tem atuação acadêmica em um sentido atuar como Promotor no mesmo sentido, pode ensejar situações de flagrante injustiça: só Bolsonaro foi processado e a mulher da história, a deputada Maria do Rosário, escapou, apesar de ter caluniado.

 

A frase pode ter sido infeliz, pode admitir interpretações como aquela, mas dizer que ele sugeriu intencional e conscientemente que as pessoas saiam por aí estuprando é algo grotesco. Logo Bolsonaro que é autor de Projeto de Lei a favor da castração química de estupradores?

 

Lamentavelmente, o STF está cheio de militantes LGBT como Fachin e Barroso e isto pode culminar com a condenação de Bolsonaro, pois o que vale, como já falei, é quem tem a caneta na mão, e não o dolo ou falta de dolo.

 

REFERÊNCIAS:

[1] http://www.anpr.org.br/revistaomnes/as-mulheres-no-ministerio-publico-federal-iniciando-uma-reflexao-necessaria-sobre-discriminacao-e-desigualdade-de-genero/

Sobre o autor
Caio Cezar

Estudante

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!