Irá ser abordada a metodologia científica na era digital, nesse sentido buscando ressaltar a importância e a necessidade do aprimoramento desta disciplina junto ao ensino científico brasileiro.

 Resumo: O presente artigo irá abordar a metodologia científica na era digital, nesse sentido buscamos ressaltar a importância e a necessidade do aprimoramento desta disciplina junto ao ensino cientifico brasileiro. Assim sendo, será enfrentado questões ligadas a busca de fontes bibliográficas via internet e suas consequências na elaboração dos trabalhos científicos.

Palavras Chaves: Metodologia. Internet. Trabalho científico.

Sumário:1 Introdução, 2 Metodologia científica, 2.1 Fontes bibliográficas na era digital, 3 Considerações finais, 4 Referências bibliográficas.

1. Introdução

Em qualquer ambiente acadêmico falasse na importância da metodológica no desenvolvimento do estudante. Ocorre que, atualmente, percebesse que não se tem tratado tal tema com a importância e seriedade que se merece.

Notasse que os catedráticos de tais disciplinas ministral suas aulas de forma pragmática (quase religiosa), tomando por base manuais de metodologia fatigantes e normalmente desatualizados.

Não que tais obras não devam ser respeitadas, lembre-se da “humildade cientifica” ressaltada por Umberto Eco[1], ocorre que, deixa-se de demonstrar ao aluno a verdadeira importância da matéria, seja para sua vida acadêmica, como também, na sua vida profissional.

A tradição acadêmica nacional de ensinar tal disciplina somente ao final do curso superior, há muito deveria ter sido superado, deve-se abandonar o costume hodierno de que o estudo da metodológica (científica) destina-se em preparar o estudante para a elaboração e apresentação de seu trabalho de conclusão de curso.

Metodologia é muito mais complexa do que "o estudo dos métodos e etapas a seguir num determinado processo do trabalho."[2]. Para Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos[3], metodologia "é sistemático, já que se trata de um saber ordenado logicamente, formando um sistema de ideias (teoria) e não conhecimentos dispersos e desconexos", assim sendo, tal matéria não tem como objetivo ensinar regras de formatação para criação de um artigo cientifico (como ensinam alguns professores), seu escopo é mais importante, a metodologia busca padronizar as técnicas utilizadas para assim propiciar a veracidade dos dados científicos coletados em determinada pesquisa.

Para Umberto Eco[4]:

A metodologia da investigação estrutura-se em dois momentos diferenciados e interdependentes. O primeiro é o da descoberta da verdade, que agrupa todos os atos intelectuais indispensáveis à formulação e resolução do problema estudado, enquanto o segundo (...)diz respeito à transmissão da verdade descoberta, com todos os problemas que o sistema da composição levanta. Ambos os montemos implicam não só operações cognitivas especificas, como designam uma ordem cronológica de abordagens que lhes garante a validade científica.

A metodologia não pode ser conceituada como simples regras descritivas no proceder da criação de um trabalho acadêmico, mas sim, a explicação dos motivos e valores que o estudante deverá adotar no trabalho de pesquisa que venha a se aventar a fazer, para que, somente assim, a finalidade que se busca com a metodologia será alcançada.

Não somos ingênuos (no sentido declarado por Virgilio Ferreira[5]), em achar que o fazer metodológico científico não iria acompanhar os avanços da sociedade de informação. Ocorre que, indaga-se até que ponto estamos dispostos a abrir mão de regras de metodologia cientificas em prol das facilidades da era digital? Essa é, afinal, a razão deste artigo, buscar os impactos que a era digital geram na metodologia cientifica.

2.Metodologia científica

2.1 Fontes bibliográficas na era digital

A ciência pode ser definida por diversas formas dependendo da proposta que o leitor venha adotar. Escreve Trujillo Ferrari[6] que "A ciência é todo um conjunto de atitudes e atividades racionais, dirigidas ao sistemático conhecimento com objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação".

Independentemente da definição de ciência que o leitor venha a adotar, ressalta-se que é inerente para a criação da ciência a necessidade de seguir regras metodológicas, pois assim, o estudante será apto para "criticar, distinguir, discernir, analisar para melhor poder avaliar os elementos componentes de uma questão faz parte da consciência objetiva que um pesquisador deve apresentar, de modo a aparecer apenas o problema e a solução, com imparcialidade."[7]

Ocorre que, atualmente, pelas facilidades que a era digital possibilita em pesquisar fontes bibliográficas[8], bem como utilizá-las no trabalho de pesquisa, paulatinamente aumenta-se o fenômeno de pesquisas "rasas".

O espírito científico em enfrentar temas problemáticos que iriam resultar em ganhos científicos para a sociedade vem esmorecendo frente as facilidades que a internet oferece na hora de pesquisar e citar fatos relacionados ao tema pesquisado.

Busca-se a facilidade de um click ao invés do trabalho herculano de estudar matérias complexas, no qual devemos pesquisar, aprofundar o estudo e entende-las, para assim discorrer sobre o tema, e tal situação vem se tornando corriqueira quando analisamos as fontes bibliográficas nos trabalhos científicos (não em todos, mas sem dúvida, em boa tarde deles), realizadas via internet.

Ressaltar o dever de cumprir as obrigações ligadas as formas de investigações científicas citadas por Umberto Eco[9] chega a ser quase devaneio aos estudantes, pois atualmente, com uma simples busca na internet poderá localizar trabalhos completos sobre o tema investigado.

Pertinente e pontual é a crítica feita Marcelo Krokoscz[10] no sentido de que o crescimento da perda da pesquisa cientifica (das fontes bibliográficas), é em boa parte originado pela pouca importância dada a tal fato pelas instituições que não disponibilizam esclarecimento e orientações.

Obvio que a utilização da internet como mecanismo de coleta para buscar informações é viável e necessário, pois a era digital propicia fatos que antigamente não era possível, hoje um acadêmico brasileiro tem a possibilidade de consultar livros localizados nos Estados Unidos da América, Japão etc.

A utilização da internet como fonte bibliográfica como auxiliadora é válida, desde que de maneira secundária, o que não se pode (e o que acontece normalmente), é o acadêmico utilizar unicamente tal meio como fonte bibliográfica, haja vista sua facilidade e rapidez.

Edgar Morin[11] afirma que é incompreensível como proposta metodológica a utilização da internet para coleta de informações para realizações de pesquisa sobre pensamento complexo via pesquisas respondidas rapidamente por meio do auxílio da internet.

As técnicas de pesquisas qualitativas e quantitativas (das fontes bibliográficas) são importantes no processo metodológico, assim, ao passo que a pesquisa localizada na internet não possibilita aprofundar-se no tema (pela complexidade e a falta de amadurecimento do tema pelo acadêmico), bem como pela falta de veracidade (da fonte consultada), vem a originar descrédito a pesquisa cientifica, sobretudo quando falamos da área jurídica.

Logo, temos que a pesquisa da fonte bibliográfica é um dos principais fatores ligados a metodologia científica, fazendo-se então necessária a qualquer pesquisa demonstrar a autenticidade da bibliografia consultada, ato este que não ocorre nas pesquisas acadêmicas que tomam como fonte primária exclusivamente pesquisas da internet.

Assim e por fim, serve este artigo para demonstrar a importância da metodologia científica e suas fontes bibliográficas na seara acadêmica brasileira, tendo em vista sua natureza de cientificar ao pesquisar a profundidade, complexidade e importância de uma pesquisa a sociedade como um todo.

3. Considerações finais

Vimos no presente trabalho o panorama atual que as Instituições de ensino estão adotando com relação ao tema da metodologia, passando assim a ponderar a finalidade da metodologia científica no mundo acadêmico.

Posteriormente, analisamos os aspectos ligados a fonte bibliográfica em uma pesquisa científica, bem como seus aspectos na atual era digital. Para tanto, ressaltamos a fragilidade das informações que podem ser obtidas na internet, além da impossibilidade de se aprofundar determinado temas, haja vista que as informações disponibilidades além de serem discutíveis são simplórias.

Pois, a metodologia não poderá ser conceituada como simples regras descritivas no proceder da criação de um trabalho acadêmico, mas, sim, a explicação dos motivos e valores que o estudante deverá adotar no trabalho de pesquisa que venha a se aventar a fazer, pois somente assim a finalidade que se busca com a metodologia será alcançada.

Finalizando assim o presente artigo criticando o cenário atual ligado a forma a qual os acadêmicos estão realizando seus artigos científicos, isto é, sem o respeito das normas metodológicas.

4. Referências bibliográficas

BARBOSA, Cláudia. Introdução a metodologia científica. http://www2.anhembi.br/html/ead01/met_pesq_cient_gastr/pdf/aula_02.pdf

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 11 Ed. São Paulo: ed. Perspectiva, 1994.

KROKOSCZ, Marcelo. Abordagens sobre o plágio nas melhores universidades dos cinco continentes e do Brasil. 2011.

MARCONI, Marina de Andrade, e Lakatos, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003.

MORIN, Edgar. O método: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2002.

TRUJILLO FERRARI, Alfonso. Metodologia da ciência. 2. ed. Rio de Janeiro: Kennedy, 1974. Capítulo 1. In MARCONI, Marina de Andrade, e Lakatos, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003.


[1] ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 11 Ed. São Paulo: ed. Perspectiva, 1994.

[2] http://pt.wikipedia.org/wiki/Metodologia. Acessado em 12/06/2016 às 22:59

[3] MARCONI, Marina de Andrade, e Lakatos, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003. p. 80

[4] ECO, Umberto op cit. pp. 15/16

[5] Virgilio Ferreira - Ingenuidade é um modo de se ser inocente. Infantilismo é um modo de se ser idiota

[6] TRUJILLO FERRARI, Alfonso. Metodologia da ciência. 2. ed. Rio de Janeiro: Kennedy, 1974. Capítulo 1. In MARCONI, Marina de Andrade, e Lakatos, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo Atlas 2003. p. 79

[7] BARBOSA, Cláudia. Introdução a metodologia científica. Acessado em 13/06/2016 às 24:00

[8] Fontes Primárias: Contém trabalhos originais com conhecimento original e publicado pela primeira vez pelos autores; ¡ Fontes Secundárias: Contém trabalhos não originais e que basicamente citam, revisam e interpretam trabalhos originais; ¡ Fontes Terciárias: Contém índices categorizados de trabalhos primários e secundários, com ou sem resumo

[9] ECO, Umberto op cit. pp. 31/33- (...) fazer uma tese significa: (1) escolher um tema preciso; (2) recolher documentos sobre esse lema; (...) (3) pôr em ordem esses documentos: (4) reexaminar o tema cm primeira mão. á luz dos documentos recolhidos; (5) dar uma forma orgânica a todas as reflexões precedentes; (6) proceder de modo que quem lê perceba o que se quer dizer e fique em condições, se for necessário, de voltar aos mesmos documentos para retomar o tema por sua conta.

[10] KROKOSCZ, Marcelo. Abordagens sobre o plágio nas melhores universidades dos cinco continentes e do Brasil. 2011

[11] MORIN, Edgar. O método: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2002. p. 117



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso