Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Sistema nacional de atendimento socioeducativo: disposições gerais e competências

Trabalho sobre as disposições gerais e as competências do Sistema nacional de Atendimento Socioeducativo - SINASE

1 DISPOSIÇÕES GERAIS

O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE) está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (Lei nº 8.069/1990) e foi instituído pela Lei Federal nº 12.594/2012. O SINASE também é regida pelo pela Resolução 119/2006 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) e pelo Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo (Resolução 160/2013 do Conanda).

Para que o processo de responsabilização do adolescente possa adquirir um caráter educativo, (re)instituindo direitos, interrompendo a trajetória infracional e promovendo a inserção social, educacional, cultural e profissional, o SINASE articula ações com instituições do Sistema de Justiça; governos estaduais, municipais e distrital; ministérios das áreas de Educação, Saúde, Assistência Social, Justiça, Trabalho, Cultura e Esporte. Além disso, busca informar profissionais da socioeducação, veículos de imprensa e setor produtivo, entre outros.

Segundo o SINASE, as medidas socioeducativas previstas no artigo 112 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (ECA) possuem como objetivo a responsabilização do adolescente quanto às consequências lesivas do ato infracional que cometeu, fazendo-o reparar seus danos se possível. O sistema objetiva também a (re)integração social do adolescente e a garantia de seus direitos individuais e sociais, cumprindo o seu plano de atendimento individual. Além disso, as medidas socioeducativas visam a desaprovação da conduta infracional cometida pelo adolescente, efetivando as disposições da sentença como parâmetro máximo de privação de liberdade ou restrição de direitos, observados os limites previstos em lei.

Quando a Lei nº 12.594/2012 se refere a programa de atendimento, refere-se a organização e o funcionamento, por unidade, das condições necessárias para o cumprimento das medidas socioeducativas. A unidade é a base física necessária para a organização e o funcionamento de programa de atendimento.

A entidade de atendimento, por sua vez, é a pessoa jurídica de direito público ou privado que instala e mantém a unidade e os recursos humanos e materiais necessários ao desenvolvimento de programas de aendimento.

O objetivo do SINASE consiste em articular o Sistema de Justiça, as políticas setoriais básicas (Assistência Social, Saúde, Educação, Cultura, etc.), em todo o território nacional os Governos Estaduais e Municipais, para assegurar a efetividade e eficácia na execução das Medidas Socioeducativas de Meio Aberto, de Privação e Restrição de Liberdade, aplicadas ao adolescente que praticou um ato infracional. Com isso, visa, primordialmente, ao desenvolvimento de uma ação socioeducativa baseada nos Direitos Humanos enquanto promove alinhamentos conceitual, estratégico e operacional, estruturados ética e pedagogicamente.

Segundo o artigo 2º, da Lei nº 12.594/2012, o SINASE será coordenado pela União e integrado pelos sistemas estaduais, distrital e municipais responsáveis pela implementação dos seus respectivos programas de atendimento a adolescente ao qual seja aplicada medida socioeducativa, com liberdade de organização e funcionamento, respeitados os termos desta Lei.

2 COMPETÊNCIAS

Para dar efetividade aos programas do Sinase, a União é responsável por formular e coordenar a execução da política nacional de atendimento socioeducativo; elaborar o Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo, em parceria com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; prestar assistência técnica e suplementação financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de seus sistemas; e instituir e manter o Sistema Nacional de Informações sobre o Atendimento Socioeducativo, seu funcionamento, entidades, programas, incluindo dados relativos a financiamento e população atendida.

Além disso, a União deve contribuir para a qualificação e ação em rede dos Sistemas de Atendimento Socioeducativo; estabelecer diretrizes sobre a organização e funcionamento das unidades e programas de atendimento e as normas de referência destinadas ao cumprimento das medidas socioeducativas de internação e semiliberdade; instituir e manter processo de avaliação dos Sistemas de Atendimento Socioeducativo, seus planos, entidades e programas; financiar, com os demais entes federados, a execução de programas e serviços do Sinase; e garantir a publicidade de informações sobre repasses de recursos aos gestores estaduais, distrital e municipais, para financiamento de programas de atendimento socioeducativo.

A União é proibida de desenvolver e ofertar programas de atendimento próprios. O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) é responsável pelas funções normativa, deliberativa, de avaliação e de fiscalização do Sinase, nos termos previstos na lei nº 8.242, de 12 de outubro de 1991, que cria o referido Conselho.

O Conanda deverá deliberar sobre a elaboração do Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo, em parceria com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. As funções executiva e de gestão do Sinase. As funções executiva e de gestão do Sinase são de competência do Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR).

Aos Estados, por sua vez, compete formular, instituir, coordenar e manter Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo, respeitadas as diretrizes fixadas pela União; elaborar o Plano Estadual de Atendimento Socioeducativo em conformidade com o Plano Nacional; criar, desenvolver e manter programas para a execução das medidas socioeducativas de semiliberdade e internação; editar normas complementares para a organização e funcionamento do seu sistema de atendimento e dos sistemas municipais; estabelecer com os Municípios formas de colaboração para o atendimento socioeducativo em meio aberto; prestar assessoria técnica e suplementação financeira aos Municípios para a oferta regular de programas de meio aberto; e garantir o pleno funcionamento do plantão interinstitucional, nos termos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Além disso, os Estados devem garantir defesa técnica do adolescente a quem se atribua prática de ato infracional; cadastrar-se no Sistema Nacional de Informações sobre o Atendimento Socioeducativo e fornecer regularmente os dados necessários ao povoamento e à atualização do Sistema; e cofinanciar, com os demais entes federados, a execução de programas e ações destinados ao atendimento inicial de adolescente apreendido para apuração de ato infracional, bem como aqueles destinados a adolescente a quem foi aplicada medida socioeducativa privativa de liberdade.

As funções deliberativas e de controle do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo competem ao Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. A elaboração do Plano Estadual de Atendimento Socioeducativo em conformidade com o Plano Nacional também é atribuição do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente.

O Plano Estadual de Atendimento Socioeducativo designará um órgão que terá a competência das funções executiva e de gestão do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo.

Finalmente, os Municípios deverão formular, instituir, coordenar e manter o Sistema Municipal de Atendimento Socioeducativo, respeitadas as diretrizes fixadas pela União e pelo respectivo Estado; elaborar o Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo, em conformidade com o Plano Nacional e o respectivo Plano Estadual; criar e manter programas de atendimento para a execução das medidas socioeducativas em meio aberto; e editar normas complementares para a organização e funcionamento dos programas do seu Sistema de Atendimento Socioeducativo.

Por fim, os Municípios deverão cadastrar-se no Sistema Nacional de Informações sobre o Atendimento Socioeducativo e fornecer regularmente os dados necessários ao povoamento e à atualização do Sistema; e cofinanciar, conjuntamente com os demais entes federados, a execução de programas e ações destinados ao atendimento inicial de adolescente apreendido para apuração de ato infracional, bem como aqueles destinados a adolescente a quem foi aplicada medida socioeducativa em meio aberto.

Para garantir a oferta de programa de atendimento socioeducativo de meio aberto, os Municípios podem instituir consórcios ou qualquer outro instrumento jurídico adequado, como forma de compartilhar responsabilidades.

As funções deliberativas e de controle do Sistema Municipal de Atendimento Socioeducativo são atribuições do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. O Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo será submetido à deliberação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. As funções executiva e de gestão do Sistema Municipal de Atendimento Socioeducativo serão objeto de competência do órgão designado pelo Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo.

Ressalta-se que o Distrito Federal acumula as competências dos Estados e dos Municípios, a fim de dar efetividade ao Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE).

REFERÊNCIAS

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília, DF: Senado, 1990.

BRASIL. Lei nº 8.242, de 12 de outubro de 1991. Brasília, DF: Senado, 1991.

BRASIL. Lei nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012 - Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Brasília, DF: Senado, 2012.

______. Comentários à Lei nº 12.594/2012 - Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Disponível em: <http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/sinase/comentarios_sinase_mpmg_2014.pdf>. Acesso em : 22 abr. 2016.

Página 1 de 1
Sobre os autores
Linda Yang Gil Lima Pinheiro

Acadêmica do Curso de Direito da Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!