Ao analisar o novo código processual civil pretendemos aborda questões sobre a jurisdição nacional, competência e a cooperação internacional. Afim de esclarecer algumas normas que modificaram e facilitaram o procedimento nas relações internacionais.

A jurisdição é uma função do Estado com o poder-dever de garantir a todo cidadão de resolver seus conflitos perante à justiça. Por ser uma função privativa do Estado a jurisdição e originalmente una e não pode confundir-se com a competência que é um critério para a distribuição dos órgãos judiciários de acordo com  a sua jurisdição.  

A distribuição da competência e organizada por normas constitucionais que leva em consideração a soberania nacional, hierarquia de órgãos jurisdicional, natureza, valor da causa, espaço territorial e foro privilegiado. 

Classifica-se as competências como: internacional e interna. A competência da justiça nacional molda-se perante as definições das lides no plano internacional, só depois de conhecer poderá decidir e distribuir a competência para os órgãos locais. 

" As normas de "competência internacional" definem as causas que a justiça brasileira deverá conhecer e decidir, e as de " competência interna" apontam quais os órgãos locais que se incumbiram especificamente da tarefa em cada caso concreto." [1] 

Então os limite da jurisdição decorre de até aonde o Estado poderá exercer sua soberania, pautando-se assim no principio da efetividade.  

A cooperação internacional é abordada no novo código civil como um mecanismo de colaboração com o processo de globalização, facilitando a relação comercial, econômica, social e jurídica. 

Por ser tratar de direito internacional, os Estados soberanos têm nos tratados um mecanismo que regulam as práticas processuais entre os seus entes. Isso viabiliza o cumprimento das normas jurídicas e não restringe o Estado a sua jurisdição. 

A cooperação jurídica internacional só será válida por meio de tratados onde o Brasil participa e segue os critério expostos no art: 26 e incisos, do novo código processual civil. Mesmo sem tratados entre os Estados não impede a cooperação , pois o nosso código baseia-se também no principio da reciprocidade. Porém não será admitida a cooperação que esteja em desacordo com as nossas leis fundamentais. 

O objeto de cooperação internacional está exposto no artigo 27 e seus incisos: 

         I- citação, intimação e notificação judicial e extrajudicial; 

         II- colheita de provas e obtenção de informação; 

         III- homologação e cumprimento de decisão; 

         IV- concessão de medidas judicial de urgência; 

         V- assistência jurídica internacional;  

         VI- qualquer outra medida judicial ou extrajudicial não proibida pela lei brasileira. 

As modalidades de cooperação jurídica internacional dividem-se em ativa ou passiva, isso irá depender de quem faz o pedido (ativa) e de quem recebe o pedido (passiva). " A cooperação, seja ela requerida pela autoridade brasileira ou a ser cumprida por esta autoridade, pode dar-se por meio de auxilio direto (NCPC, arts. 28 á 34) ou carta rogatória (arts. 35 e 36)." [2]. 

O cabimento do auxilio direto reverse-se a teoria monista, onde a validade do direito internacional depende da compatibilidade com o direito interno, intende-se a decisão da autoridade estrangeira que devera ser submetida a juízo de deliberação no Brasil, art: 28 do NCPC. 

O objeto de auxilio direto está no artigo 30 NCPC, que versa sobre vários atos de cooperação passiva:  

         I- obtenção e prestação de informações sobre o ordenamento jurídico e sobre processos administrativos ou jurisdicionais findos ou em curso; 

         II- colheitas de provas, salvo se a medida for adotada em processo, em curso estrangeiro de competência exclusiva de autoridade judiciaria brasileira; 

        III- qualquer outra medida judicial ou extrajudicial não proibida pela lei brasileira. 

A carta rogatória é um meio de cumprimento para atos de citação, intimação, notificação judicial, colheitas de provas, obtenção de informação e cumprimento de decisão interlocutória. Artigo 35, o veto presidencial a tal atos justifica-se alegando prejuízos a celeridade e efetividade da cooperação, podendo aplicar-se pela via do auxilio direto. A competência para o procedimento da carta rogatória é do STF art: 36 §§ 1° e 2°. 

O procedimento da cooperação internacional do NCPC diminuiu os procedimentos solenes, segundo o art: 41. " o novo código reduziu as formalidades da cooperação, dispensando a ajuramentação, a autenticação ou qualquer outro procedimento de legalização de documentos estrangeiros, sempre que o pedido for encaminhado ao Estado brasileiro por meio da autoridade central ou por via diplomática." [3]   

CONCLUSÃO  

Pretendeu-se neste artigo proporcionar de forma muito sintética, mas objetiva e estruturante, questões sobre como se dar os limites da jurisdição, a diferença entre jurisdição e competência, e como o Brasil no plano internacional se relaciona juridicamente com outros Estados, e como o novo código processual civil inovou para dar agilidade em alguns procedimentos de cooperação internacional. 

BIBLIOGRAFIA: 

[1]- THEODORO, Jr Humberto. Curso de Direito Processual Civil. Vol. 56. 2015. Editora Forense. Pg. 314 

[2]- THEODORO, Jr Humberto. Curso de Direito Processual Civil. Vol. 56. 2015. Editora Forense. Pg. 321  

[3]- THEODORO, Jr Humberto. Curso de Direito Processual Civil. Vol. 56. 2015. Editora Forense. Pg. 326   



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0