Este artigo pretende interpretar juridicamente e historicamente o decreto imperial promulgado por D. Pedro I, pois acredita-se que este tenha conferido grau de doutor aos advogados e aos médicos.

Muito se comenta no meio jurídico acerca de um tal decreto imperial, o qual concede o título de doutor à advogados e médicos, ficando, sobretudo, consubstanciado aos doutores advogados o direito adquirido de seu título, por lei, e o que é ainda melhor e digno de aclamação popular: pelo imperador do Brasil.

O decreto mencionado é a “Lei de 11 de Agosto de 1827”, o qual D. Pedro I institui os cursos jurídicos no Brasil, tendo em vista a ampla necessidade de obter operadores do direito no então recente independente Brasil, deixando de “importar” profissionais portugueses.

O que alguns advogados utilizam para sustentar a afirmação de que o decreto efetivamente se sustenta como concessão do título de doutor aos advogados são, na verdade, duas questões:

 1. Que o título de “doutor” é concedido a qualquer curso que obtenha os respectivos “estatutos”. Como advogados e médicos possuem “estatutos” (Estatuto da OAB e estatuto do conselho federal de medicina), portanto, estariam aptos à tal título; e

 2. Que as “teses” defendidas são as “teses” do dia a dia do advogado, angariando, então, o grau de doutor conforme disposto no decreto.

 Ocorre que tais alegações não se sustentam quando lido o decreto, e feita a devida interpretação histórica e jurídica.

A começar pela expressão “estatuto”. Por certo, D. Pedro I não tinha o dom da vidência para tratar de Estatutos que só seriam conferidos 170 anos após a promulgação do decreto, como o caso do estatuto da OAB, de 1994.

Vejamos o que nos mostra o art. 9, com cautela:

Art. 9.º - Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o gráo de Bachareis formados. Haverá tambem o grào de Doutor, que será conferido áquelles que se habilitarem com os requisitos que se especificarem nos Estatutos, que devem formar-se, e sò os que o obtiverem, poderão ser escolhidos para Lentes.

Por “requisitos que se especificarem nos estatutos”, o que tal frase garante é que os doutores, que se formam bacharéis, só poderão colar o grau seguindo o quanto disposto no estatuto.

 Neste sentido, a palavra “estatuto” possui outra conotação no século XIX. Longe de ser o código de ética que disciplina a profissão de advogados e médicos, tal expressão seria o equivalente ao “currículo” escolar de cada curso universitário.

 O estatuto provisório do curso jurídico foi redigido pelo visconde de cachoeira, contendo os exames para conseguir vaga no curso, as matérias que cada ano deverá possuir, e as provas a serem realizadas em cada etapa, conforme art. 10º:

Art. 10.º - Os Estatutos do VISCONDE DA CACHOEIRA ficarão regulando por ora naquillo em que forem applicaveis; e se não oppuzerem á presente Lei. A Congregação dos Lentes formará quanto antes uns estatutos completos, que serão submettidos á deliberação da Assembléa Geral.

 A Congregação dos lentes não chegou a formular estatutos completos, como queria D. Pedro com tal artigo, o que significa que os estatutos do visconde da cachoeira vigoraram durante a vigência deste decreto.

 Uma curiosidade, aliás, era o fato de que existiam provas de geometria e aritmética para ingressar no curso de direito, bem como nos primeiros anos do curso.

De outro lado, se a lei tem de ser interpretada de forma sistemática, como a melhor hermenêutica do profissional de direito nos ensina, ela tem de ser interpretada de acordo com o estatuto redigido pelo visconde de cachoeira, como nos remete o artigo 10º citado acima.

 No estatuto, logo no primeiro capítulo já é tratado do grau de doutor, vejamos:

CAPITULO XIII

DO GRÁO DE DOUTOR

1º Se algum estudantes jurista quizer tomar o gráo de Doutor, depois de feita a competente formatura, e tendo merecido a approvação nemide discrepante, circumstancia esta essencial, defenderá publicamente varias theses escolhidas entre as materias, que aprendeu no Curso Juridico, as quaes serão primeiro apresentadas em Congregação; e deverão ser approvadas por todos os Professores. O Director e os Lentes em geral assistirão a este acto, e argumentarão em qualquer das theses que escolherem. Depois disto assentando a Faculdade, pelo juizo que fizer do acto, que o estudante merece a graduação de Doutor, lhe será conferida sem mais outro exame, pelo Lente que se reputar o primeiro, lavrando-se disto o competente termo em livro separado, e se passará a respectiva carta.

Portanto, para adquirir o grau de doutor, o estudante que obtivesse o grau de bacharel apresentaria “theses”, que seriam apresentadas em congregação, e que deveriam ser aprovadas por todos os professores. Após isso é que se verificaria se o bacharel mereceria o grau de doutor.

Logo, as teses mencionadas nada têm a ver com teses utilizadas no dia a dia do advogado, tratando-se de theses jurídicas das matérias relativas ao curso, e a ser aprovada por professores, como o próprio artigo menciona.

 Fora isso, muito tem se discutido se o próprio estatuto da OAB não teria revogado o decreto imperial. Neste quesito, pouco importa a discussão. Explico: tanto o estatuto da OAB, como o decreto imperial, ambos tratam de matérias divergentes, que não regulamentam a mesma situação jurídica, o que impediria os efeitos de revogação, ainda mais considerando que no estatuto não há qualquer menção de revogação expressa.

 Enfim, claro está que se utilizar de interpretações elásticas e anacrônicas não é o caminho para legitimar o grau de doutor a advogados e médicos, seja pela própria interpretação histórica da expressão “estatutos”, que é plenamente ignorada e incompreendida, seja pela apresentação das chamadas “theses” para o grau de doutor, seguindo o quanto estipulado pelo estatuto redigido pelo visconde de cachoeira.

 Interpretar um decreto legislativo de 1820 com os costumes, pensamentos e ideia do século XXI é ser anacrônico e esquecer que palavras mudam o seu sentido com o tempo, bem como as leis, os costumes, e as interpretações.

Fica claro, portanto, que tal decreto não institui grau de doutor aos advogados, se aplicada a devida interpretação histórica. Para tanto, seria necessário a apresentação de teses, e a aprovação por todos os professores do curso, o que retira a ideia de que o grau de doutor venha acompanhado do grau de bacharel em direito.


Autor

  • Marina Sartori Guimarães

    Advogada formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, militante na área de propriedade intelectual, com mais de 6 anos de experiência na área. Graduanda do 4º semestre de Licenciatura em História perante a FMU - Faculdades Metropolitana Unidas, com pesquisa científica e artigos nas áreas de História Antiga e História do Brasil Colonial

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria