O presente artigo tem por objetivo fazer uma análise crítica do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, com direção de Glauber Rocha, levando em consideração o Direito à Liberdade.

Sobre o Direito à Liberdade foi escolhido para análise crítica o filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, não apenas pela evidente metáfora de que trata sobre a busca pela liberdade no contexto histórico do Coronelismo do Sertão e do Movimento Social dos Cangaceiros, mas, principalmente, por esta ser, possivelmente a obra mais importante da cinematografia brasileira. Escrito e direito pelo grande cineasta Glauber Rocha, o filme representa uma inovação ao movimento do Cinema Novo – nas palavras de Rocha “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça” –, influenciado pelo neorealismo italiano.

O movimento do Cangaço foi iniciado no Brasil na primeira metade do século XIX, inicialmente considerado como um fenômeno social de banditismo, visto que se referia a grupos de trabalhadores explorados pelos latifundiaristas e coronéis do Sertão. O trabalho análogo ao escravo, a seca da Caatinga e o sentimento de exploração foi desenvolvendo nos trabalhadores um sentimento de revolta. Os primeiros grupos de cangaceiros, então, eram formados por homens e mulheres que viam no modelo econômico uma opressão, eram contra o Estado, formando pequenos bandos, eles saqueavam vilarejos e matavam pessoas vinculadas ao governo. 

O filme de Glauber Rocha conta a história de Manoel e Rosa, dois nordestinos que, vivendo a pobreza desoladora do Sertão, juntamente com a exploração da mão de obra, decidem se juntar a um grupo de cangaceiros e partir em vingança: vingar seus anos de sofrimento, vingar os anos de exploração, vingar o modelo coronelista da política. Neste momento é possível observar que a figura do cangaceiro, muito bem representada no filme, é o arquétipo metaforizado da liberdade. Embora, perante a lei e o Estado os cangaceiros representassem apenas bandidos, numa visão Jusnaturalista, os bandidos saqueadores eram apenas homens famintos: famintos não apenas da comida e da água que era pouca, mas das injustiças sociais cometidas pela elite latifundiária.

Destarte, embora os grupos de cangaceiros fossem, a luz da lei, assassinos e ladrões, eles representavam a liberdade do povo trabalhador e explorado e a esperança de que estas minorias pudessem ser, enfim, respeitadas. Assim como Antígona, que, segundo a mitologia, desrespeita a vontade do tio – Rei e representante do Estado –, decide por enterrar o cadáver do próprio irmão, uma vez que entendeu que seu entendimento de Justiça estava acima das Normas impostas e determinados pela tirania do Rei (SÓFOCLES, 2010), os cangaceiros também entendia que sua ideologia de justiça estava acima das leis impostas pela elite, as quais apenas objetivavam a exploração das minorias pobres e o enriquecimento dos donos de terras. 

O Direito à Liberdade, como mostrado no filme também esbarra com o Direito à Locomoção, visto que os cangaceiros se apresentavam como grupos nômades, que saqueavam as casas mais ricas dos vilarejos. Também aponta para o Direito ao Pensamento, uma vez que eles possuíam ideologias próprias que, embora fossem contra o Estado opressor, representavam a Justiça. Por fim, ainda é possível pensar na liberdade religiosa, outro aspecto muito retratado no filme. Neste sentido não há óbice em asseverar que Glauber Rocha desenvolveu bastante sobre a discussão religiosa durante o filme, o conflito entre o certo e o errado, o justo e o injusto estão presentes em todo roteiro. Manoel, personagem que se junto ao grupo de cangaceiro, durante toda história se questiona sobre a presença de Deus e se suas condutas são pecaminosas ou justas – inclusive, daí o título do filme, demonstrando a difícil relação entre o homem e Deus. 

Por fim, numa análise filosófica do filme, o Direito a Liberdade é representado, pois, de forma metafórica na figura dos cangaceiros, que buscam sua alforria diante de um contexto social, econômico, político e climático extremamente hostil. As reflexões feitas pela personagem Manoel, sobre sua escolha em permanecer no grupo – saqueando as casas dos coronéis e donos de terras, estuprando suas esposas e filhas, invadindo e destruindo as vilas ricas –, demonstra o dilema da Justiça. Desta feita, como conclui Kelsen (2000) na obra O que é Justiça, talvez mais importante do que descobrir o que realmente seja justiça, é sempre continuar perguntar o que é justo.

Referências

Kelsen, Hans. O que é justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 

Rocha, Glauber. Deus e o Diabo na Terra do Sol. Rio de Janeiro: Copacabana Filmes, 1964. 

Sófocles. Antígona. São Paulo: Cia das Letras, 2010.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria