O Novo Código de Processo Civil, trás expressamente uma série de princípios que regerão todos os atos processuais,dentre esses o da Cooperação entre as partes,colocado propositamente em seu artigo 6º.

 O Principio da Cooperação, é um principio infraconstitucional e fundamental do Processo Civil.

Está previsto no artigo 6º do Novo Código de Processo Civil, que diz,”In verbis”: “Art. 6º Todos os sujeitos do processo devem cooperar entre si para que se obtenha, em tempo razoável, decisão de mérito justa e efetiva”. Ou seja, que as partes do processo colaborem entre si, para que o Estado-juiz possa prestar uma tutela jurisdicional de forma célere e adequada.

 É um desdobramento do princípio da Boa Fé e Lealdade Processual.

O Novo Código de Processo Civil, trás vários artigos que podemos citar como exemplo dessa cooperação, como por exemplo, o artigo 357,§3, ”Ipisis Litteris”: 

" § 3 Se a causa apresentar complexidade em matéria de fato ou de direito, deverá o juiz designar audiência para que o saneamento seja feito em cooperação com as partes, oportunidade em que o juiz, se for o caso, convidará as partes a integrar ou esclarecer suas alegações”.

E artigo 321, “In Verbis”:

Art. 321.  O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os requisitos dos arts. 319 e 320 ou que apresenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a emende ou a complete, indicando com precisão o que deve ser corrigido ou completado”.

Nota-se nestes últimos, que a cooperação também se estende ao magistrado, e não somente ao autor e  réu. Em ambos dispositivos legais a intenção do legislador foi aperfeiçoar a tutela jurisdicional. Dando celeridade e objetividade aos atos processuais, não deixando também que obscuridade se instaure no processo, maculando-o, sobre respaldo dos princípios supracitados.

Obtendo, por conseguinte, aprovisionamento jurisdicional justo e positivo. Como visto, exige do magistrado também cooperação, como atos necessários para que o processo seja eficaz e eficiente,exemplos: 

Esclarecimento de dúvidas em relação a suas determinações; que o mesmo consulte as parte em caso de dúvidas ou quando algo não esteja lúcido; quando necessário, ou mesmo ter postura preventiva, prevenindo as partes quanto a eventuais omissões em suas manifestações.

 Em síntese, as partes deve fazer o possível para que o processo tenha duração razoável e que tenha um desfecho justo e coerente.

Bibliografia:NovoCódigo de Processo Civil http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso