Este artigo tem como espoco discorrer sobre a garantia constitucional fundamental da ampla defesa no processo administrativo.

Resumo: Este artigo tem como espoco discorrer sobre a garantia constitucional fundamental da ampla defesa no processo administrativo como instrumento de equilíbrio, onde é colocado a disposição do administrado todos os recursos, meios e provas, para defesa de seus interesses legítimos para consagração do Estado Democrático de Direito. Por meio de uma abordagem à Constituição Federal de 1988 e a Lei nº 9.784/1999 que regula o processo administrativo no âmbito da administração pública. E tratará também sobre um ponto polemico que é súmula 343 do STJ e súmula vinculante n° 5 do STF que trata sobre a não obrigatoriedade de assistência de advogado em processo administrativo disciplinar.

 

Palavras-chave: Ampla defesa, Processo Administrativo, Garantia Constitucional.

1. INTRODUÇÃO

O processo administrativo é regido por alguns princípios constitucionais que buscam trazer transparência e lisura ao processo como um todo, garantindo o devido processo legal a todos os que por ele buscam.  Nesse artigo iremos discorrer acerca da “Ampla Defesa” um princípio constitucional que por meio dele é possível proporcionar a qualquer acusado exercer o direito de saber que está e por que está sendo processado.

 O princípio da Ampla Defesa é uma das garantias fundamentais que possibilitam uma serie de condições mínimas para a convivência em uma sociedade democrática, trazendo um equilíbrio e garantindo a proteção e defesa dos direitos que o cidadão tem de exigir do Poder Público, que possa apresentar todos os recursos, meios e provas, colocados à disposição do individuo, judicial ou administrativo, para defesa de seus interesses legítimos.

Essa garantia esta positivada na nossa “Carta Magna” e é considerada cláusula pétrea, que é uma determinação constitucional rígida e permanente, ou seja, sua importância é tamanha que não pode ser objeto de modificação, ainda que por emenda a Constituição.

Pode-se perceber diante da breve exposição à grandeza e importância da aplicação dessa garantia constitucional no processo administrativo e também em todas as outras esferas, buscando sempre a justiça à transparência se espera de um pais que é regido por uma constituição repleta de garantias e direitos que asseguram  a tranquilidade de seu povo.

2. BREVE INTRODUÇÃO HISTÓRICA

Antes da idade média e nem nesse período havia para o acusado um devido processo legal e justo. O Tribunal da Santa Inquisição que foi oficialmente aberto no ano de 1231 para julgar somente os “hereges”, com a perseguição daqueles que não eram católicos, notadamente as “bruxas”, os judeus e os mulçumanos. Aos poucos ampliou sua jurisdição julgando todos e todas as práticas delituosas, pela igreja.

O processo inquisitorial começava por meio de meras denúncias ou boatos. Depois de instaurado o processo, ouvia-se o acusado. Caso não fosse provada de imediato a heresia, ou qualquer prática contrária ao Direito Canônico, o acusado era preso e submetido a torturas para que confessasse. Os métodos de torturas da Idade Média eram terríveis, havia uma infinidade de atrocidades que levaria qualquer pessoa a confessar qualquer coisa.

No processo inquisitório, a prova poderia ser obtida por meios divinos: baseando-se na fé de que “Deus fez o mundo, por isso a ele tudo é possível”, “Deus abriu o mar”, “Deus é justo e jamais permite uma injustiça” e, ainda que “Deus sempre salva”, os julgamentos não tinham o menor critério de racionalidade. Sendo assim não havia a ampla defesa com um defensor dotado de conhecimento jurídico e quem promovia a defesa era o próprio acusado. Muitas das vezes, sequer sabia qual era a acusação, o que impossibilitava inclusive uma defesa.

3. A GARANTIA COSNTITUCIONAL DA AMPLA DEFESA da ampla defesa

 

O principio da ampla defesa é a forma que o administrado tem para utilizar todos os meios de prova admitidos em direito para fazer sua defesa. A partir da edição do texto constitucional de 1988 que se estenderam os princípios do contraditório e da ampla defesa ao processo administrativo, pois inicialmente sua incidência era própria do direito processual penal.

 A ampla defesa se encontra fundamentada no rol dos direitos e garantias fundamentais do art. 5º, inciso LV da Constituição Federal.

Assim dispõe o texto constitucional de 88:

“Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

[...]

LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;”

[...].

Assim leciona Jose Afonso da Silva em comentário aos princípios do contraditório e ampla defesa:

São dois princípios fundamentais do processo penal. O primeiro, de certo modo, já contém o segundo, porque não há contraditório sem ampla defesa, que a Constituição agora estende ao processo civil e ao processo administrativo. De fato, a instrução criminal contraditória tem como conteúdo essencial a garantia da plenitude da defesa, com os meios e recursos a ela inerentes. A contrariedade, no processo judicial e no administrativo, constitui pressuposto indeclinável da realização de um processo justo, sem o que a apreciação judicial de lesão ou ameaça a direito se torna vazia de sentido valorativo. A essência processual do contraditório se identifica com a regra audiat altera pars, que significa que a cada litigante deve ser dada ciência dos atos praticados pelo contendor, para serem contrariados e refutados. A ciência se dará por meio de citação, notificação e intimação. É bem verdade que esse aspecto tipicamente formal não é suficiente para a efetiva satisfação de uma justiça igual para todos, porque nem sempre o pobre tem condições de realizar uma contradição efetiva ao seu opositor em juízo, nem tem ele possibilidade de exercer o direito de ampla defesa com todos os meios a ela inerentes. Embora esses princípios consubstanciem o processo acusatório – que se fundamenta na separação entre juiz e acusador, na paridade entre a acusação e a defesa, na publicidade dos atos processuais, num processo justo -, o juiz não pode ser inteiramente passivo, pois quem lida com a liberdade e a dignidade da pessoa humana há que se ter sensibilidade e equilíbrio bastante para buscar a verdade material e a realização da igualdade das condições dos socialmente desiguais, sem se transformar em juízo inquisitório, onde sua imparcialidade se perde e ganha o autoritarismo, contrário ao Estado Democrático de Direito.” (DA SILVA, Jose Afonso. Comentário contextual à constituição, São Paulo: Ed. Malheiros, 2009. p.[154]-155).

E sendo o Brasil um Estado democrático de Direito, tem como objetivo a igualdade entre os cidadãos e assegura a necessidade de se resguardar o Contraditório e a Ampla Defesa aos litigantes nos processos judiciais e administrativos com meios e recursos a eles inerentes.

Esse princípio não poderá ser suprimido, pois sua supressão ocasionará prejuízo às partes por ser um princípio primordial para o controle dos atos judiciais e administrativo em um Estado Democrático de Direito.

4. A AMPLA DEFESA NO PROCESSO ADMINISTRATIVO

A administração pública precisa fiscalizar seus servidores, decidir sobre quaisquer litígios que possam surgir, sendo assim, necessita de um processo administrativo consolidado pra resolver qualquer um desses conflitos. O processo administrativo configura um mecanismo contra excessos e injustiças da administração que deve garantir pleno direito de defesa. O processo administrativo deve ter sua aplicabilidade pautada na norma constitucional, que prevê recursos e princípios que devem ser adotadas em todas as etapas do processo.

A ampla defesa no processo administrativo é um instrumento de equilíbrio, visto que para a aplicação da sanção administrativa é necessário que se assegure o contraditório e a ampla defesa, esses princípios estão previstos, expressamente, no artigo 2º, da Lei nº 9.784/1999.

Por ampla defesa compreende todos os recursos, meios e provas, colocados à disposição do individuo, judicial ou administrativo, para defesa de seus interesses legítimos. Por sua abrangência, ampla defesa engloba o contraditório e contempla, dentre outras garantias, as de ser citado ou intimado de todos os atos processuais que lhe digam respeito, contrapor-se às pretensões contrárias, ser julgado pela autoridade competente, produzir provas lícitas e legítimas, impugnar provas irregulares, recorrer de decisões desfavoráveis obter cópias reprográficas de dados e documentos, obter certidões, ressalvados os documentos de terceiros protegidos por sigilo, dentre outras.

Entretanto a produção de provas está sujeita a recusa pelo órgão processante, quando forem ilícitas, impertinentes, desnecessárias ou protelatórias mediante decisão fundamentada, conforme artigo 38, § 2° da lei 9.784/1999.

A desobediência ao devido processo legal, tem como consequência a nulidade e ofensa a defesa do acusado. Sendo importante ressaltar que a Constituição não estabeleceu os princípios processuais inutilmente, é preciso atentar-se aos processos que desrespeitam o devido processo legal, não levando em consideração o princípio do contraditório e a ampla defesa.

4.1. Defesa Técnica no processo administrativo

A lei 9.784/99 em seu artigo 3º, IV, traz a obrigatoriedade de assistência de advogado, em processo administrativo disciplinar, a súmula 343 do STJ trazia também este entendimento, entretanto esse entendimento encontra-se pacificado com a edição da súmula vinculante n° 5 do STF.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estudo da ampla defesa no processo administrativo torna-se cada vez mais importante, pois reconhecendo a falha do homem, se faz necessário a criação de métodos de controle dos agentes públicos, para satisfazer as necessidades com o objetivo de mostrar melhor prestação e probidade do serviço público. Buscando-se a eficiência, moralidade administrativa e a garantia dos direitos fundamentais.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em:     <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm> Acesso em: 09 mar. 2017.

BRASIL, Lei n° 9.784, de Janeiro de 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9784.htm> Acesso em: 09 mar. 2017.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal.  Súmula vinculante n.° 5. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumario.asp?sumula=1199 > Acesso em: 09 mar. 2017.

CUBAS, M. E. Z. Princípio da ampla defesa nos processos administrativos disciplinares. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php=revista_artigos_leitura&artigo_id=2553> Acesso em 09 mar. 2017.

DA SILVA, Jose Afonso. Comentário contextual à constituição, São Paulo: Ed. Malheiros, 2009. p.[154]-155.

MOREIRA, Egon Bockmann. Processo Administrativo princípios constitucionais.4. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

 




Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria