O seguinte texto apresenta dicas resumidas para que vocês não tenha imprevistos nas suas tão esperadas férias. Fiquem ligados!

Com o verão se aproximando, as locações de imóveis por temporada são bastante comuns, principalmente em cidades litorâneas. Contudo, o corretor deverá se atentar ao fato de o imóvel destinado à locação temporária ser situado na área rural ou urbana, visto que a Lei do Inquilinato (Lei 8.245/91) não é compatível e aplicável aos imóveis rurais, estando estes regidos pelo “Estatuto da Terra”, tendo tal legislação institutos e normas diversas.

Embora a lei do inquilinato seja aplicável a locações comuns e locações por temporada, é necessário que o corretor esteja atento à algumas diferenças entre estes dois regimes de locação.

Para ser caracterizada a locação por temporada a legislação faz requisição da comprovação de alguns pressupostos. Um deles é a exigência de um contrato escrito, não sendo admissível a locação por temporada verbal, devendo ainda, no contrato, constar expressamente que se trata de uma locação por temporada. Outro pressuposto exigido por lei é o teto temporal, não podendo a locação por temporada ser superior a 90 dias, e, em casos de renovação de contrato, a soma do contrato originário e o(s) renovatório(s) também deve respeitar o teto de 90 dias, sob pena de ser convertido automaticamente na locação comum.

Um grande diferencial na locação por temporada é que, caso o locatário permaneça no imóvel contra a vontade do locador, estando vencido o período estipulado da locação, cabe liminar para a desocupação em 15 dias, ou seja, o Juiz poderá determinar o despejo sem a necessidade da oitiva do locatário.

Por fim, cabe ressaltar que este tipo de locação geralmente recai sobre o imóvel guarnecido de móveis (armários, cama, geladeira, fogão etc.), sendo recomendado que o corretor efetue uma vistoria prévia relacionando todos os bens móveis e o estado em que se encontram, solicitando ainda que o locador e locatário assinem esta relação, trazendo desta forma segurança para ambas as partes. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria