Breve análise sobre os elogios e as críticas ao artigo 334 do NCPC voltados para a mediação

O artigo 334 do novo Código de Processo Civil[1] tem sido alvo de elogios e de críticas. Os que lhe são favoráveis defendem a necessidade de se exterminar o complexo de “otoridade”, isto é, desmitificar o juiz como único capaz de decidir conflitos, chamando as partes não só para responderem pelos atos que geraram a situação conflituosa, mas também para, juntas, encontrarem uma solução para o impasse. É cultura do povo brasileiro que qualquer pessoa ou instituição que venha a substituir o juiz togado não seja confiável. Puro preconceito, e como tal, demanda tempo para ser banido. Já os que lhe são contrários, defendem que a mediação tem por protagonista a autonomia da vontade que exclui, por completo, qualquer caráter impositivo.

Particularmente, muito me chama a atenção os ensinamentos de Osvaldo Gozaíni no sentido de que acesso à Justiça é difrente de acesso aos juízes, bem como que acceso no es entrada, es desarrollho, protección, seguridad y satisfacción sin resentimiento[2]. Irretocável! Mas como colocar em prática o “acesso a uma ordem jurídica justa[3]”?

O prazo razoável da duração do processo é tema de preocupação mundial e não precisamos atravessar o continente para aprender com outras Nações. Humberto Theodoro Júnior vai além ao reverenciar a etapa prévia da mediação[4] instituída no ordenamento jurídico argentino[5]:

(...) Na América Latina, merece destaque a posição da Argentina, que há algum tempo alterou o seu Código de Processo Civil para instituir em caráter obrigatório a mediação prévia a todos os juízos, destinada a promover a comunicação direta entre as partes em busca da solução extrajudicial da controvérsia.

Para a doutrina argentina, a implementação de formas alternativas de resolução dos conflitos produz duplo e relevante efeito:

a) a curto prazo, tende a aliviar a sobrecarga de trabalho dos juízes; e

b) a longo prazo, se pode esperar uma mudança de mentalidade da sociedade, especialmente dos operadores do direito, por meio da qual, a um só tempo, será possível “um maior acesso à justiça” conjugado com uma redução do ingresso de causas no sistema jurisdicional. (Grifos nossos).

Há inúmeras vozes (e com razão) sustentando que a mediação não tem por objetivo descongestionar o Poder Judiciário. Entretanto, não há como se negar que a diminuição da sobrecarga judicial é um efeito natural de sua adoção.

A sociedade brasileira tem que ser pragmática e ousada, se efetivamente quiser mais preservar as relações e litigar menos, o mesmo valendo para o legislador e, com mais contundência, para os operadores do direito.

O Poder Judiciário brasileiro está abarrotado. E se existem outros métodos que resolvem os conflitos, nada mais inteligente do que recorrer a eles. Ademais, não há informações na literatura de que a adoção dos meios alternativos de solução tenha sido negativa para o Estado ou para os usuários do sistema.

É notória e excessiva a preocupação da lei em reduzir o “gargalo” recursal e repetitivo o esquecimento em incrementar a atividade impeditiva do nascimento ou da continuação do processo no primeiro grau de jurisdição. É o mesmo que tratar os sintomas sem tratar a doença.

O fundamento das críticas ao dispositivo legal em comento é forte (ausência de voluntariedade), mas não irrefutável. Efetivamente, a mediação terá início com um “chamado” judicial e não por iniciativa das pessoas envolvidas no conflito. Entretanto, não podemos deixar de considerar que a grande massa da população brasileira apenas conhecerá e participará de um procedimento de mediação que tenha curso na iniciativa pública. Assim, a meu ver e nas circunstâncias aqui colocadas, disseminar a mediação é preponderante frente a autonomia da vontade.

Os operadores do direito têm lição de casa para fazer (e eu, como aprendiz, me incluo, obviamente): i) fomentar e valorizar a pacificação dos conflitos, abandonando a cultura de que apenas o juiz tem capacidade e poder para solucionar as pendengas e a falsa ideia de que a mediação acarretará diminuição ou perda do mercado de trabalho; ii) reformar a lei com os olhos voltados para o início e não para o meio ou para o fim da linha do tempo processual.

__________

[1] Art. 334.  Se a petição inicial preencher os requisitos essenciais e não for o caso de improcedência liminar do pedido, o juiz designará audiência de conciliação ou de mediação com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, devendo ser citado o réu com pelo menos 20 (vinte) dias de antecedência.

§ 1o O conciliador ou mediador, onde houver, atuará necessariamente na audiência de conciliação ou de mediação, observando o disposto neste Código, bem como as disposições da lei de organização judiciária.

§ 2o Poderá haver mais de uma sessão destinada à conciliação e à mediação, não podendo exceder a 2 (dois) meses da data de realização da primeira sessão, desde que necessárias à composição das partes.

§ 3o A intimação do autor para a audiência será feita na pessoa de seu advogado.

§ 4o A audiência não será realizada:

I - se ambas as partes manifestarem, expressamente, desinteresse na composição consensual;

II - quando não se admitir a autocomposição.

§ 5o O autor deverá indicar, na petição inicial, seu desinteresse na autocomposição, e o réu deverá fazê-lo, por petição, apresentada com 10 (dez) dias de antecedência, contados da data da audiência.

§ 6o Havendo litisconsórcio, o desinteresse na realização da audiência deve ser manifestado por todos os litisconsortes.

§ 7o A audiência de conciliação ou de mediação pode realizar-se por meio eletrônico, nos termos da lei.

§ 8o O não comparecimento injustificado do autor ou do réu à audiência de conciliação é considerado ato atentatório à dignidade da justiça e será sancionado com multa de até dois por cento da vantagem econômica pretendida ou do valor da causa, revertida em favor da União ou do Estado.

§ 9o As partes devem estar acompanhadas por seus advogados ou defensores públicos.

§ 10.  A parte poderá constituir representante, por meio de procuração específica, com poderes para negociar e transigir.

§ 11.  A autocomposição obtida será reduzida a termo e homologada por sentença.

§ 12.  A pauta das audiências de conciliação ou de mediação será organizada de modo a respeitar o intervalo mínimo de 20 (vinte) minutos entre o início de uma e o início da seguinte.

2 GOZAÍNI, Osvaldo A. Elementos de derecho procesal civil. 1ª ed. Buenos Aires: Ediar, 2005, pág. 85.

3 Nos dizeres de Kazuo Watanabe.

4 A Lei 24.572, de 1.995 instituiu a obrigatoriedade da etapa da mediação prévia para os processos civis e comerciais com conteúdo econômico. O mediador não tem vínculo com o Poder Judiciário, tampouco o representa. Ele é dependente do Poder Executivo, o que implica gastos do Estado. A mediação, instância administrativa prévia, coloca os interessados frente a frente, expondo os seus argumentos sem as formalidades do processo judicial. O mediador, por sua vez, não apresenta a eles uma solução para o conflito; apenas os auxilia a chegar a ela. Não desejando um dos interessados encerrar o conflito em tal instância, passa-se, então, para a fase judicial. A mediação não será compulsória quando se desejar submeter a questão à arbitragem.

5 THEODORO, Humberto Júnior. Efetividade da Prestação jurisdicional. Insuficiência da reforma das leis processuais. Disponível em: <http://www.abdpc.org.br/artigos/artigo51.htm>. Acesso em: 21 jun. 2013.


Autor

  • SANDRA REGINA PIRES

    Doutora em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad del Museo Social Argentino (UMSA), com diploma em fase de reconhecimento. Especialista em Direito Processual Civil com Formação para o Magistério Superior. Graduada em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professora no curso de Graduação em Direito da Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP, ministrando as disciplinas Direitos Reais, Direito Processual Civil (Recursos) e Introdução ao Estudo do Direito. Membro da Comissão de Arbitragem da Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Jabaquara/Saúde. Mediadora e Conciliadora capacitada pelo Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP) para atuar nas iniciativas pública e privada, habilitada junto ao Núcleo de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e inscrita no Cadastro Nacional de Mediadores e Conciliadores do Conselho Nacional de Justiça. Integrante do painel de árbitros e mediadores da Câmara de Mediação e Arbitragem Especializada (CAMES/SP). Integrante do painel de conciliadores da Câmara de Mediação e Arbitragem de Joinville (CEMAJ). Advogada militante nas áreas cível e família há 26 anos. Atuação no Magistério Superior por 10 anos, ministrando as disciplinas: Prática Jurídica Civil I e II, Direitos Reais, Responsabilidade Civil e Direito Civil (Parte Geral). Integrante do Núcleo de Prática Jurídica. Atuação como Coordenadora de Monitoria e Estágios. Professora do Curso Preparatório para Magistrados na ESMA/PB (Escola Superior da Magistratura Estadual) nas disciplinas Ação Popular/Ação Civil Pública, Atualidades em Processo Civil, Direitos Reais e Direito Civil (Parte Geral). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9557919549020744.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0