Eutanásia e o direito vem juntamente com um sentimento jurídico, religioso, moral e pessoal, tentar explicar um pouco das diversas opiniões e traz consigo o que nos remete se colocar no lugar do próximo.

Passar por uma doença já não é uma experiência muito positiva, imagine estar entre uma escolha sobre o bem mais precioso que uma pessoa pode ter, “a vida”, essa palavra nos remete um conceito de nascimento, crescimento, movimento, reprodução, evolução, logicamente o final seria a morte, mas imagine que essa escolha de morrer tenha que partir de você?

Pois bem, o tema eutanásia discute exatamente sobre estas questões, o conceito inicial nos remete a prática pela qual se abrevia a vida de um enfermo incurável de forma assistida por médicos. Seu conceito é muito amplo, pois temos a eutanásia, distanásia, ortonásia, a própria morte e a dignidade envolvidas nesse âmbito.

Além do mais não podemos deixar de englobar sobre as diversas discursões sobre os valores éticos, morais e religiosos que causam muita polêmica, pois o próprio direito resguarda a vida, não seria mais viável esperar que a vida se finalizasse por si só? Mas, e o sofrimento que a pessoa irá passar até que se chegue ao fim almejado? Seria justo tanto sofrimento?

A eutanásia está dividida em duas versões: ativa e passiva, nos remetendo o mesmo conceito, ou seja, a morte assistida sem sofrimento de um indivíduo cujo o estado é crônico.

Além das duas versões podemos identificar a, eutanásia piedosa, eutanásia ativa e voluntária, eutanásia libertadora, eutanásia involuntária e passiva, todas com o mesmo propósito, ou seja, eliminar o sofrimento, com uma diferença, alguns desses atos o paciente tem consciência e em outros não.

É importante a distinção entre suicídio assistido de eutanásia, pois a eutanásia encontra respaldo na lei, o suicídio é um ato ilícito.

O entendimento jurídico traz consigo a idéia da dignidade da pessoa humana, em que o bem juridicamente tutelado é a vida, ou seja, a proteção da pessoa e da sociedade é um bem que o estado não abre mão.

Quanto ao entendimento religioso, a eutanásia remete uma idéia de usurpação da vida, deixando vaga a idéia de quem seria o direito de retirar a vida, e chegando-se a uma conclusão, na qual o direito tem o dever de resguardar a dignidade da pessoa humana e a argumentação da igreja é que somente Deus tem o direito de retirar o bem juridicamente protegido.

Diante de tamanha discursão é muito importante se colocar no lugar do próximo, então vejamos um breve relato:

Diante destes olhos, vi passar a vida, enxerguei com olhos de águia e tudo não me escapava, diante de mim, agora vejo passar minha vida, mas com uma diferença: Meus olhos de águia já estão cansados e fracos, já não consigo enxergar nem mais o meu destino. Diante disso, peço teus olhos, não sei como tu enxergas, mas uma coisa eu sei, o meu sofrimento tu enxergas e tua visão vai além da minha.

Repensar valores, ter uma visão ampla, enxergar para ti e para os outros, dialogar para se chegar a uma conclusão, quanto ao sofrimento, quando ele chega é sinal de que a decisão é  o melhor remédio a se tomar, porque sofrer sabendo que não tem mais jeito, é sofre duas vezes.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso