o Detran e os cartórios poderiam evitar transtornos aos proprietários de veículos

ola , gostaria que , alguem que criam leis para democratizar a nossa vida , e falando sobre o artigo do codigo de transito brasileiro , que determina que a pessoa que adqueri um veiculo precisa providenciar a transferencia do mesmo no prazo maximo de 30 dias , porem existe uma pratica que durante essa semana fui uma vitima impotencial, trata-se da data de preenchida no recibo de compra e venda do veiculo e seu reconhcimento no cartorio , os cartórios não deveriam aceitar que ; seja reconhecido firma com data diferente da do reconhcimento , que independente do negocio propriamente dito entre dois cavaleiros , a data a ser colocada no recibo seja obrigatóriamente a mesma do reconhecimento , com isso evitaria que acontecesse o que mim ocoreu, fiz uma troca de veiculo com um certo cidadão, e mesmo mim deu a garantia de que o recibo estava em branco , isso ocorreu no dia 04/01/2018  , porem ao mim entregar o recibo reconhecido firma no dia seguinte 05/01/2018 , eu percebi que a data da venda colocada no memo era diferente da do reconhecimento no cartório  data da venda 13/12/2017, e o detran reconheci não a data do reconhecimento de firma , que ao meu ve deveria ser essa a ser considerada e não a preenchida pelo cidadão comum, pois para que servi o reconhecimento de firma ,como o cartório pode afirmar e reconhecer que tal data assinalada seja verdadeira?, acho eu que isso teria que ser mudado , por conta disto passei por maus bocados , para providenciar recusos para a transferncia em apena uma semana ,e não em trinta dias como eu teria direito conforme codigo de transito brasileiro , deixo ai meu manifesto , e espero que alguem mude isso , data de reconhecimento em cartório  tem que ser igual ao da venda ,


Autor


Informações sobre o texto

fui vitima desse desacerto de data

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria