Tanto o cinema como a literatura puderam mostrar, diversas vezes, paralelos entre advogados e figuras divinas, ou até mesmo diabólicas. Vistos pela sociedade ora como heróis, ora como vilões, advogados exibem-se ao público nos trejeitos, na oratória e no vestir como personagens diferentes das demais pessoas.

Essa aura do bem, muitas vezes do mal, não pode transmudar-se em comportamentos descompassados da realidade simples da prestação de um serviço, bem como do dever de zelar, de modo primordial, pelos interesses do cliente. Em singelas palavras, a imagem criada em volta do advogado não pode lhe cegar os olhos, levando-o a pôr de lado a fiel missão de defender aquele que lhe confiou o patrocínio de uma causa.

Nem sucesso, nem fracasso apresentam-se aptos a nublar a visão límpida sobre qual papel desempenhamos no nosso ofício. Cumpre-nos dedicação a quem nos contrata e técnica no exercício da profissão. Advogados nada prometem além de usar todos os meios legítimos para justificar a razão que seu constituinte tem. Para isso, há de o ouvir, de o compreender nas suas circunstâncias, entender a causalidade dos fatos, compreender o direito em jogo e desenhar estratégia que o cliente consiga assimilar as etapas a serem ultrapassadas.

Esse limite de ação — usar todos os meios legítimos à proteção dos interesses do cliente — precisa de ser manifestado, de forma sincera, ao próprio cliente, vez ou outra, à família deste. Lidar com derrotas e frustrações a expectativas surge, pois, como tarefa acessória de quem sobrevive ao campo das batalhas judiciais.

Neste iniciar do ano judiciário, parece importante reafirmar essas obviedades, com o fito de aclarar as perspectivas do jovem advogado, em especial, do jovem criminalista. Não se percam na imagem, fixem-se na missão e no dom que o destino lhes proporcionou: saber defender, ter talento para trazer justiça à vida.

Enfim, em 2018, não nos afastemos do foco. Somos médicos, não curandeiros. Não intermediamos milagres, não conversamos com espíritos, não curamos pela fé. Para nosso dia a dia, o sobrenatural não subsiste, muito menos nos tribunais superiores. Quem crê na própria paranormalidade, como profissional do Direito, engana a si mesmo, ou pior, engana clientes ao cobrar pelo inexistente.

Deus protege os bons, eu prefiro acreditar.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso