A mídia tem divulgado que alguns juízes do trabalho estão aplicando a Lei nº 13.467/2017 — a “Lei da reforma Trabalhista”— a processos iniciados antes da sua publicação, e, com isso, certos encargos processuais como honorários periciais e de advogados, que antes não podiam ser exigidos dos empregados, agora estão sendo cobrados, e em valores muito acima do poder aquisitivo do trabalhador e dos limites em que normalmente eram fixados na constância da lei antiga.

Isso é possível?

Pode um processo ser julgado com base em uma lei publicada depois do seu ajuizamento?

A resposta é sim e não.

Uma lei começa a vigorar no país quarenta e cinco dias depois de publicada. Essa é a regra geral. Por expressa disposição nela contida, a lei nº 13.467/17 entrou em vigor cento e vinte dias depois de publicada. Como foi publicada em 14/7/2017, uma sexta-feira, entrou em vigor em 11/11/2017, um sábado.

Alguns doutrinadores dizem que “leis processuais” se aplicam aos processos em curso e têm “efeito retroativo”. Isso é um erro. Toda lei validamente publicada aplica-se aos processos em curso. Nisso, a Lei nº 13.467/2017 não tem nenhuma novidade. Isso não quer dizer que tenha efeito retroativo. “Lei processual” é toda lei que regula o processo. A Lei nº 13.467/2017 é lei material, regula o direito material do trabalho. Não é “lei processual” em sentido estrito. Logo, não pode retroagir. Somente as leis processuais podem ter efeito retroativo, mas mesmo aqui há limites.Uma lei processual pode retroagir se disser expressamente que o faz, mas deve respeitar o ato jurídico perfeito, os direitos adquiridos e a coisa julgada.

Saber se a Lei nº 13.467/2017 pode ou não ser aplicada a processos iniciados antes dela é uma questão de direito intertemporal. Os conflitos entre leis no espaço são fáceis de resolver. Toda lei, como ato de Estado, aplica-se aos limites territoriais (espaço) desse Estado. Para a solução dos conflitos de leis no tempo, a doutrina adota três sistemas:

1o – Sistema da Unidade Processual

2o – Sistema das Fases Processuais

3o – Sistema do Isolamento dos Atos Processuais

Para o sistema da unidade processual, o processo é um todo, encadeado para um único fim que é a sentença sobre o mérito. A lei nova apanharia o processo e, como ele é um todo, todos os atos anteriores à edição dessa lei perderiam a validade. Vale o que a lei nova disser. Para o sistema das fases processuais, o processo é a soma de quatro fases autônomas: postulatória; probatória; decisória e recursal. Cada uma dessas fases constitui-se de um conjunto inseparável de atos que, ao fim, formarão o processo como instrumento da jurisdição. Por último, para o sistema do isolamento dos atos processuais, o processo é um todo que  busca um fim, mas cada conjunto de atos das fases postulatória, probatória, decisória e recursal pode ser considerado isoladamente e a lei nova somente apanha as situações processuais que se formarem depois dela, respeitando-se os atos já praticados.

O direito brasileiro adota o sistema de isolamento dos atos processuais, isto é, embora o processo seja um todo, os atos que o compõem são isolados e a lei nova apanha esse processo em andamento e passa a regulá-lo a partir dali, mas os atos praticados na constância da lei antiga conservam a sua eficácia. A Lei nº 13.467/2017, portanto, somente se aplica aos processos trabalhistas ajuizados depois de sua publicação. Em todos os processos ajuizados antes de 11/11/2017, quando a Lei nº 13.467/2017 entrou em vigor, aplica-se a legislação anterior. Como os atos processuais são isolados, o juiz somente poderá aplicar a Lei nº 13.467/2017 para aqueles atos praticados pelas partes após a sua entrada em vigor, ainda que o processo tenha sido ajuizado antes. Assim, se depois da publicação da sentença, já na constância da Lei nº 13.467/17, as partes praticarem algum ato processual que justifique punição nela prevista, o juiz poderá aplicá-la exclusivamente em relação a esses atos. Quanto aos outros atos, praticados na constância da lei antiga, apenas a lei antiga poderá ser aplicada.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso