A revisão das aposentadorias concedidas entre 03/1994 e 02/1997 com o valor errado devido a um deslize do INSS.

Uma das revisões de aposentadoria que vem se destacando nas mídias sociais e no boca-a-boca é a Revisão do IRSM (índice de reajuste do salário mínimo).

Essa revisão atinge os aposentados e pensionistas que conseguiram o seu benefício entre março de 1994 a fevereiro de 1997 e seus resultados podem trazer uma melhora na qualidade de vida significativa deles.

A revisão é motivada por um erro que o INSS cometeu. Quando foi anunciado o Plano Real, uma das formas que o governo federal usou para estabilizar a moeda que sofria com os altos juros foi a troca do índice de correção IRSM pela URV (unidade real de valor).

Acontece que o INSS no não aplicou o índice correto de 39,67% na correção do salário de contribuição de fevereiro de 1994 utilizado para a apuração da Renda Mensal Inicial (RMI) do benefício, trazendo um prejuízo aos segurados.

Aposentados na época contestaram esse erro no judiciário e, em 2003, o Ministério Público Federal do Estado de São Paulo (MPF-SP) ingressou com uma ação civil pública (ACP) exigindo a revisão para todos os segurados prejudicados no Estado, cerca de 160 mil beneficiários.

No ano de 2008, foi realizado acordo entre o MPF-SP e o INSS para a correção desses benefícios. Acontece que o INSS cumpriu uma parte do acordo, revisando aproximadamente 60% dos benefícios, deixando os demais sem o direito.

Ajudando com a segurança jurídica dessa revisão, a Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais (TNU), já em 2004, firmou o entendimento na Súmula 19, que diz:

“Para o cálculo da renda mensal inicial do benefício previdenciário, deve ser considerada, na atualização dos salários de contribuição anteriores a março de 1994, a variação integral do IRSM de fevereiro de 1994, na ordem de 39,67% (art. 21§ 1º, da Lei nº 8.880/94).”.

Portanto, o aposentado ou o pensionista que tem interesse em saber se tem ou não direito a essa revisão deve se apressar e procurar um advogado especialista, porque o prazo para ingressar com a ação se encerra em outubro de 2018.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria