O início da carreira na advocacia brasileira não é fácil. Diante desse amargo cenário, o jovem advogado deve ser criativo e estar aberto a novos conceitos e formas de trabalho

Atualmente, o Direito é o curso de graduação de maior procura entre os estudantes brasileiros, como mostra os dados do último Censo da Educação Superior, realizado pelo Inep.

Ser advogado é o sonho de muitos jovens, que dedicam, no mínimo, cinco anos de suas vidas entre faculdade, especialização e estudos contínuos, para, ao final, poder oferecer à sociedade os seus conhecimentos acumulados e garantir que as relações sociais sejam mais justas e igualitárias.

  Sabemos que o exercício da advocacia está enfrentando cada vez mais dificuldades, não só em virtude da concorrência (somos mais de 1 milhão de inscritos na OAB), mas, principalmente, pelo aviltamento e desvalorização dos serviços prestados pelos profissionais da área.

Um estudante de Direito recém-formado que decidir se aventurar na advocacia certamente terá dificuldades para se estabelecer no mercado e conseguir o seu primeiro cliente. Ter um escritório próprio e uma boa clientela é algo que demanda tempo e um certo investimento financeiro que muitos não podem arcar logo no início da carreira.

Diante desse amargo cenário, o jovem advogado deve ser criativo e estar aberto a novos conceitos e formas de trabalho. Um exemplo dessa tendência, é o número cada vez maior de advogados que, por falta de opção, estão fazendo home office, ou seja, trabalhando em sua própria casa. Essa forma alternativa de trabalho traz diversas vantagens, sendo a principal delas a redução de custos. Por outro lado, existe a dificuldade em receber o cliente num espaço adequado, agradável e condizente com o exigido pela profissão.

Esses entraves do mercado jurídico brasileiro vêm impulsionando o surgimento de algumas empresas de tecnologia voltadas para o desenvolvimento de soluções inovadoras. Atualmente, existem diversos aplicativos e plataformas online que estão voltadas para otimizar o trabalho do advogado, reduzindo custos e promovendo maior satisfação e eficiência.

A tendência de inovação do mercado jurídico ainda encontra resistência por parte de alguns profissionais, mas as empresas estão dispostas a criar e oferecer ferramentas idôneas, que buscam auxiliar e ajudar o trabalho dos advogados, o que deve ser incentivado e visto com bons olhos.

Uma dessas novidades tecnológicas é a advocacia online, que é um movimento que vem surgindo com bastante força, e traz a proposta de aproximar virtualmente os clientes dos advogados, ao mesmo tempo em que reduz os custos com infraestrutura, otimiza o tempo do advogado e agiliza o atendimento jurídico.

Uma plataforma que realiza com sucesso essa proposta é o JusAdvisor (https://jusadvisor.com/advogado-online), uma Legaltech (startup do meio jurídico) que tem como principal objetivo conectar clientes a advogados online de forma fácil e rápida, através de videoconferência. Todo o processo de escolha do advogado, agendamento, pagamento e realização da consulta jurídica são feitos de forma online através da plataforma, sem a necessidade de contato pessoal, o que poderia ser um obstáculo para os envolvidos.

Podemos listar alguns dos benefícios que um advogado teria se prestasse o serviço de consultoria jurídica online: redução dos custos operacionais (aluguel, gasolina, luz, condomínio, IPTU, linha telefônica, água, estacionamento etc), economia de tempo (menos tempo gasto em deslocamento no trânsito e menos estresse no cotidiano), praticidade e celeridade na prestação do serviço.

Para um recém-formado bacharel em Direito, que pretende seguir o caminho da advocacia, a utilização do JusAdvisor e de outras plataformas similares pode ser a porta de entrada para a atuação na área, aquisição de experiência e consolidação como profissional, ao mesmo tempo em que são eliminadas as despesas de um escritório físico.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0