O presente artigo tem o escopo de informar sobre as modificações trazidas pela reforma trabalhista com relação a possibilidade de ocorrer a extinção do contrato de trabalho por meio de um acordo entre as partes, conhecido também como distrato.

 A extinção bilateral do contrato de trabalho, ou o famoso acordo para ser demitido, acordo que  reforma trabalhista trouxe várias modificações à legislação, e algumas vieram  com o escopo de formalizar aquilo que já ocorria na informalidade e que trazia riscos e insegurança para as partes envolvidas na relação de trabalho, a possibilidade de um acordo bilateral para a extinção do contrato de trabalho é uma delas.

Sempre ocorreu nas relações trabalhistas os famosos acordos informais, onde o trabalhador acordava com o empregador, para que fosse mandado embora, sem justa causa,  e pudesse receber o saldo do FGTS, e outros direitos, em troca de abrir mão da multa de 40%, o que muitas vezes geravam conflitos entre as partes, seja pela recusa do empregador, seja pelo fato de o empregado após sacar a multa, não retornava para fazer a devolução conforme acordado entre as partes, e visando a segurança de ambos, a reforma trouxe a legalização desse acordo, nos termos do artigo 484 A da CLT:

Art. 484-A. O contrato de trabalho poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, caso em que serão devidas as seguintes verbas trabalhistas: (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

I - por metade

a) o aviso prévio, se indenizado; e

b) a indenização sobre o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, prevista no § 1o do art. 18 da Lei no 8.036, de 11 de maio de 1990

II - na integralidade, as demais verbas trabalhistas.

§ 1o A extinção do contrato prevista no caput deste artigo permite a movimentação da conta vinculada do trabalhador no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço na forma do inciso I-A do art. 20 da Lei no 8.036, de 11 de maio de 1990, limitada até 80% (oitenta por cento) do valor dos depósitos.

§ 2o A extinção do contrato por acordo prevista no caput deste artigo não autoriza o ingresso no Programa de Seguro-Desemprego.

A letra do artigo incluído pela reforma trabalhista deixa claro como deve ser feito tal acordo, deixando expressa a possibilidade, primeiramente destacamos que se trata de um “acordo”, ou seja, não pode ser imposto a nenhuma das partes, deve haver um consenso, nem empregado, e nem o empregador são obrigados a concordar com o pedido de acordo, esse deve realmente representar a vontade de ambas as partes.

Com o distrato, que é essa possibilidade de extinguir o contrato de trabalho em comum acordo, a lei determina , segundo lição de Cassar(2017) que “havendo o distrato, o empregado terá direito a receber 50% do aviso prévio, se indenizado, e 50% da indenização adicional do FGTS, e levantará apenas 80% do FGTS”. Assim o empregado e o empregador abrem mão de alguns direitos para obtenção de um acordo mais favorável a ambos, o que continua não sendo possível é a possibilidade de sacar o seguro desemprego, conforme se extrai do §2º do artigo em estudo, e com relação ao aviso prévio, a lei deixa claro que se este for indenizado cabe ao empregado a metade desse valor, no caso por exemplo de aviso de 30 dias, o empregado receberá 15, e em caso de aviso prévio trabalhado, a lei não deixa claro, mas em se tratando de um acordo, pode ser acordado que seja trabalhado metade do tempo, lembrando que o aviso prévio sofreu modificações com o art. 1 § único Lei 12.506/2011, onde para cada ano de serviço prestado na empresa passa a ser acrescido de 3 dias no aviso prévio, com limite de 60 dias que somados aos primeiros 30 dias chegamos ao máximo de 90 dias.

Art. 1º O aviso prévio, de que trata o Capítulo VI do Título IV da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, será concedido na proporção de 30 (trinta) dias aos empregados que contem até 1 (um) ano de serviço na mesma empresa.

Parágrafo único. Ao aviso prévio previsto neste artigo serão acrescidos 3 (três) dias por ano de serviço prestado na mesma empresa, até o máximo de 60 (sessenta) dias, perfazendo um total de até 90 (noventa) dias.

Assim fica claro que a nova legislação tem o intuito de eliminar as ilegalidades que ocorriam nas relações trabalhistas trazendo mais segurança para ambas as partes, valorizando os acordos e o consenso, haja vista que muitas vezes, ambas as partes por diversos motivos, podem necessitar de uma forma mais flexível de ajuste de vontades, e com a finalidade de assegurar os direitos de ambos a reforma trabalhista veio como uma nova opção para esse acordo. Ainda devemos aguardar qual será o posicionamento desse momento em diante,  tanto nas relações de trabalho, quanto em âmbito judicial trabalhista.

REFERÊNCIAS:

Consolidação das Leis Trabalhistas- CLT 2017

CASSAR, Vólia Bomfim. Direito do Trabalho. ed. Método. 2017, p.1005.

Nosso site: adrianagoncalvesadv.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/adrianacpgadvocaciaeconsultoria/


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria