Quando falamos em novas tecnologias nos referimos, principalmente, a inteligência artificial, ou seja, essa nova fronteira tecnológica que está sendo utilizada com muito sucesso em alguns setores, como no caso da medicina, por exemplo.

Tive a grande oportunidade de participar em 2014 e 2015 do programa de doutorado Erasmus Mundus sediado na universidade de Turim, considerada atualmente a melhor universidade italiana, justamente porque proporciona essas experiências inovadoras.

O objetivo principal daquele curso foi o de promover o Direito da Tecnologia da Informação em  sentido amplo, ou seja, dentro das configurações internacionais e européias.

Esse programa explorou questões jurídicas associadas a informatização, internet, bem como, a evolução e a convergência de tecnologias de informação e comunicação através de uma investigação sobre o valor crescente que vem sendo atribuído à informação, promovendo em muitas áreas, debates sobre as novas leis de tecnologia da informação e suas consequências.

Os temas principais se referiram às abordagens regulamentares sobre tecnologia da informação, competências, responsabilidades de conteúdos, a privacidade, a proteção de dados, propriedade intelectual, normas e concorrência, cibercriminalidade, "e-commerce", dentre outros.

O principal objetivo fora proporcionar aos doutorandos de vários países uma imersão nessas questões, compreendendo do que se trata o Direito da Tecnologia da Informação não apenas em seu sentido jurídico, mas também os seus contextos sociais, éticos, culturais e comerciais, uma vez que esses novos profissionais, ou seja, os profissionais de tecnologia da informação poderão trabalhar em todo o mundo, em várias indústrias e setores.

Tudo isso é resultado da revolução tecnológica que estamos vivendo, principalmente nos campos laborativos, e que trazem consequências naturais no exercício das atividades jurídicas, criando novos desafios para a advocacia.

A assistência e o trabalho de consultoria às empresas e pessoas físicas está cada vez mais condicionada a inovação tecnológica, impondo aos escritórios de advocacia, bem como, aos advogados que trabalham individualmente, a necessidade de repensar a sua organização laborativa  e a logística envolvida em todo esse processo, como por exemplo, no caso de haver ainda a necessidade de uma recepção, uma vez que tudo poderia ser agendado de forma digital, ou se ainda existe a necessidade de haver uma sala de reuniões, e principalmente, qual seria a maneira mais eficaz de se relacionar com seus clientes e de desenvolver a profissão forense para obter sucesso.

Obviamente que no caso da consultoria, as empresas exigem mudanças contínuas e solicitam um adaptamento em todas as profissões envolvidas nesse contexto, devido a enorme utilização da tecnologia por parte desses clientes, independentemente do setor em que estejam operando, uma vez que com a utilização dos e-mails, dos smartphones, tablets, computadores portáteis e videoconferências, surge a dúvida se existe ainda a necessidade de receber os clientes nos escritórios.

Podemos citar ainda a possibilidade do acesso aos documentos em formato eletrônico em plataformas digitais compartilhadas, e até mesmo a possibilidade de acessar as plataformas dos próprios clientes através de videoconferência, no caso de uma reunião, por exemplo.

Podemos pensar ainda nos casos de utilização dos bancos de dados jurídicos e utilização de serviços de arquivos virtuais na chamada modalidade “cloud”, pois são instrumentos de utilização consolidada pelas empresas e por isso existe a necessidade dos advogados contemporâneos conhecer, utilizar e dispor desses instrumentos.

A inovação tecnológica vai muito além do investimento no desenvolvimento e manutenção de software, hardware, telefonia móvel, mas sobretudo tem um impacto na flexibilidade, adaptamento e mudança de mentalidade na utilização desse novos instrumentos, como por exemplo, no tempo de resposta ao cliente sobre a situação de um determinado processo ou recurso impetrado, no volume de dados que podem ser acessados todos os dias para a resolução de conflitos ou dos problemas que possam surgir no decorrer do dia, num modo de escrita mais sintético e sem respostas vagas, fornecidas, principalmente, pelos consultores legais, pois a forma de escrever que caracteriza a linguagem de e-mails e aplicativos são aquelas próprias das comunicações eletrônicas e digitais, e todos esses elementos forçam o advogado a rever criticamente seu modo de escrever e de se comunicar com os clientes.

Na realidade, aquilo que realmente interessa é como se relacionar com seus clientes nesses tempos de grande inovação tecnológica, ou seja, vários aspectos relacionados ao exercício das profissões legais tem adquirido novas características justamente devido a essas inovações.

A internet é hoje o principal meio de comunicação também para a advocacia, pois possibilita a apresentação do profissional, promovendo suas capacidades mas com todas as implicações que isso pode trazer, porque hoje em dia os clientes consultam primeiro a internet para verificar informações sobre os profissionais. Outra característica é que a internet permite que o advogado possa interagir com órgãos institucionais, colegas, ou mesmo que possa obter informações e experiências que outros advogados colocam a disposição na rede, sem finalidade lucrativa.

Outra característica de todo esse desenvolvimento interfere também na formação dos advogados através de recursos tecnológicos, como as plataformas e-learning, por exemplo, através das quais a pessoa pode cursar uma faculdade, bem como um ótimo curso de pós-graduação. Na Europa, principalmente, esses instrumentos têm sido cada vez mais utilizados, e algumas dessas universidades têm recebido prêmios de qualidade acadêmica.

Todo esse processo tecnológico obrigou os advogados a reorganizarem seus escritórios, pois cada vez menos se necessita de espaço físico, ou de pessoal que se dedique exclusivamente ao atendimento dos clientes, pois verifica-se que todos esses instrumentos não têm sido mais tão necessários como eram a tempos atrás, justamente por isso que a tecnologia deverá ser um aliado para que se possa criar outros tipos de profissionais que serão úteis em outros setores de mercado, como por exemplo, profissionais especializados em tecnologia e que possam atuar no meio jurídico também.

Quando falamos nas novas tecnologias no sentido de como mudará a profissão forense e o trabalho do advogado com seu surgimento, não nos referimos apenas a internet, sites profissionais, Linkedin, redes sociais, pois esta é uma realidade com a qual todos estamos acostumados.

Essa nova tecnologia é a inteligência artificial, ou seja, a nova fronteira tecnológica que está sendo utilizada em alguns setores, como no caso da medicina, por exemplo.

Os robôs agora aprendem com seus próprios erros, aprendem coisas novas e se desenvolvem, sendo capazes de serem mais capacitados e atentos que um ser humano.

Mesmo que a advocacia seja uma categoria profissional ainda muito conservadora, pois a advocacia é uma atividade intelectual que não pode ser exercitada através de uma mentalidade organizativa empreendedora e o modelo “boutique” de escritório continua sendo o modelo tradicional por excelência para muitos, as coisas já estão mudando, e os fatos demonstram que a profissão forense não poderá ser exercida como antes, todavia isso não quer dizer que a qualidade na prestação dos serviços será menor, mas que os novos tempos imporão novos ritmos, novas competências e organização, isso se o profissional quiser manter-se competitivo.

Todavia toda essa revolução está no começo, o software que era antes apenas um executor de ordens humanas, e servia como um banco de dados para organizar praticas e compromissos ou como um facilitador de processos administrativos, agora aprende.

Esses softwares podem fazer pesquisas inteligentes com uma precisão muito melhor que a de um ser humano, interpretam perguntas e promovem respostas não mais de maneira mecânica, mas com raciocínio, ou seja, as máquinas podem ser não somente utilizadas mas questionadas. Podem substituir o ser humano em várias operações, como no caso de pesquisas jurisprudenciais, bem como, sobre violações de normas de trânsito, recuperação de crédito, ou seja, todas essas atividades poderiam ser atribuídas a esses robôs.

Não é novidade que as operações administrativas estatais repetitivas já estão sendo ou serão  substituídas pela inteligência artificial, bem como na profissão forense, pois esse será o caminho natural, e o escopo principal será o de economizar tempo e dinheiro prestando um serviço rápido e preciso.

Todavia essas novas tecnologias terão sua utilização limitada as escolhas feitas pelas pessoas que combinam dados relacionados as emoções e preferências humanas, as quais não poderão ser padronizadas, porque são características eminentemente humanas, ou seja, quando o cliente procura o seu advogado para falar sobre determinada situação, e caso esse consultor seja uma máquina,  obviamente que ele não se sentiria à vontade, pois uma máquina jamais compreenderia as angústias e necessidades humanas. Aquele que atua na advocacia sabe que muitas vezes o cliente procura o advogado para falar de seus problemas.

Portanto, nasce uma conexão entre a inteligência humana e a artificial, uma vez que a primeira sempre deverá se ocupar da boa relação com o cliente, ou seja, de construir uma sinergia para trabalhar e responder as necessidades deste, da melhor forma possível.

Em quanto seres humanos somos feitos de emoções e a relação humana será sempre o elemento principal também no que se refere ao sucesso profissional, porque aquele que não saber interagir com os outros dificilmente obterá sucesso.

Observamos que essa característica muitas vezes é muito mais importante que a qualificação técnica, pois o cuidado com o cliente, o atendimento no momento difícil, a compreensão, por exemplo, são características fundamentais do ser humano que dificilmente poderão ser substituídas por um robô, assim como o raciocínio técnico jurídico, onde entra em jogo o bom senso, a experiência e o aspecto intuitivo.

Será que esse cenário representa uma oportunidade ou uma ameaça para a profissão?
Seguramente podemos afirmar que será uma grande oportunidade, uma vez que a qualidade da profissão em termos gerais aumentará, diferentemente do que muitos pensam. É normal que toda novidade crie muitas incertezas, incredulidade e medo de mudança.

Na realidade a inteligência artificial será um instrumento que permitirá o advogado recuperar o tempo que gasta para pesquisar ou analisar documentos, em pesquisas jurisprudenciais e normativas, e assim, poderá dedicar-se mais ao estudo dos casos práticos e na relação com os seus clientes.

O advogado nunca poderá ser substituído pelo robô para fazer todo o seu trabalho, porque existem valores que somente a relação pessoal com o advogado pode oferecer. Mas quem souber utilizar bem esses serviços, potencializará e melhorará muito suas atividades, porém aquele que não investir em tecnologia no futuro, fornecerá serviços de qualidade inferior. Nesse contexto, não é o instrumento tecnológico que importa, mas a sua utilização.

Conclui-se que o advogado deverá buscar sempre um salto de qualidade na prestação de seus serviços para não ficar deslocado em relação ao cenário no qual se encontre e necessite trabalhar.


Autor

  • Vanessa Massaro

    Doutora (PhD) em Direito pela Università degli Studi di Torino Turim - Itália.Doutorado em Direito, Pessoa e Mercado. Pesquisadora na área do Direito Privado pela Università degli Studi di Torino - Campus CLE. Participação em 2014, 2015 e 2017 no Doutorado Organizado pela União Europeia - Erasmus Mundus e no Doutorado em Direito na Università Degli Studi di Milano. Milão - Itália. Membro do Instituto dos Advogados do Paraná - IAPPR. Curso de aperfeiçoamento em Comparative Private Low na Università Uninettuno-Roma. Curso de Aperfeiçoamento em Direito dos Mercados Financeiros pela Università degli Studi di Milano.Milão - Itália. Pós-graduação em Direito pelo Instituto Brasileiro de Estudos Jurídicos. Formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.Contato: vanessa.massaro@edu.unito.itvanessamassaro10@gmail.comSite: www.unito.it Home > Studenti > Massaro VanessaDipartimento di Economia e Statistica "Cognetti de Martiis"Home > Personale > Vanessa Massaro. LIVROS DISPONÍVEIS NO SITE DA AMAZON E NO CLUBE DE AUTORES. Público alvo: estudantes de Direito, Economia e Administração de Empresas; operadores do direito e concurseiros.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria