4. CONCLUSÃO

Pudemos bem verificar a mistura entre o contexto histórico e o atual em que o ensino de Direito situa-se, demonstrando o porquê de, hoje, ser considerado um ensino que encontra-se em “crise”. Analisamos as consequências de nosso histórico brasileiro e como isso tem agredido o intelecto de nossos acadêmicos, sejam eles professores ou alunos.

 Observamos que, nos bancos de nossas universidades, e, também, naqueles do mundo da “prática jurídica”, há entre as pessoas do universo acadêmico um bordão que diz não existir uma aliança entre a teoria e a prática. Contudo, não concordamos com essa afirmativa. Temos que há uma série de reclamações de que o “povo do Direito” possui um linguajar difícil e, talvez, inteligível.

Infelizmente hoje, no ensino superior jurídico, podemos ver que, embora tenha crescido substancialmente o número de faculdades pelo Brasil, a didática, a metodologia, o “o quê” se ensina, o porte e a limitação dos alunos e, por fim, as regras do Estado – frente às instituições de ensino superior – são elementos que, pouco a pouco, vão dilapidando a qualidade educacional.

Outra preocupação nossa ao desenvolver este artigo, como verificamos, é com a educação que se passa aos alunos em nosso período contemporâneo dentro da sala de aula, nos mais diversos momentos de sua vida acadêmica, seja no início, no meio ou no fim, inclusive no que tange à conclusão do curso, quando se está diante do trabalho de conclusão – que é considerado por muitos alunos como “um monstro avassalador”.

Salientamos que os cursos jurídicos ainda servem de um instrumento do Estado para selecionar e garantir uma “elite” que continuaria dominando o País através das ideias burocráticas e patrimonialistas.

Fácil notar que muitos dos alunos do curso superior jurídico de hoje entram na universidade ou na faculdade com inúmeras aspirações e por variados motivos, alguns com ideologia de “justiça”, outros, por motivações extremamente financeiras, e daí por diante a uma série sem número de vontades.

Ocorre que, lá dentro, o aluno, já no primeiro ano da graduação, é surpreendido por uma grande quantidade de professores – e é lógico que não todos – que não se preocupam com seu aprendizado, mas tão somente com sua capacidade de acumular conhecimentos e reproduzi-los.


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Frederico; SOUZA, André Lucas Delgado; CAMARGO, Sarah Bria de. “Direito e Realidade: Desafios para o Ensino Jurídico”. Ensino do direito em debate: reflexões a partir do 1° Seminário Ensino Jurídico e Formação Docente / José Garcez Ghirardi e Marina Feferbaum (organizadores) . -- São Paulo : Direito GV, 2013. -- (Série pesquisa Direito GV).

ASENSI, Felipe. “Vícios de estudantes gera monografias iguais a petições iniciais”. Publicado em 19 de janeiro de 2014. Conjur. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2014-jan-19/felipe-asensi-vicio-estudantes-iguala-monografias-peticoes-iniciais>. Acesso em 03 de julho de 2017.

CARVALHO, Salo de. “Como (não) se faz um Trabalho de Conclusão: Provocações úteis para orientadores e estudantes de direito (especialmente das ciências criminais)”. Editora Lumen Juris, Rio de Janeiro, 2011.

CELETI, Felipe. Educação e Liberdade: apontamentos para uma prática pedagógica não coercitiva. Instituto Mises: Publicação realizada no dia 26 de outubro de 2012. Disponível em: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1442. Acessado em 29 de junho de 2017.

DURAN, Ângela Aparecida da Cruz. A ideia de humanismo no Ensino Jurídico Brasileiro. Justiça e História, vol. 6 – n°11, 2006.

IMB, Equipe. “A obrigatoriedade do diploma – ou, por que a liberdade assusta tanto?”. Disponível em: <http://www.mises.org.br/ArticlePrint.aspx?id=319>. Acesso em 29 de junho de 2017.

FERREIRA, Adriano. Positivação do direito e a ciência dogmática. Item n° 23. São Paulo, 2011. Disponível em: <http://introducaoaodireito.info/wpid/?p=344>. Acesso em: 28 de junho de 2017.

FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e Liberdade. 1° edição. Editora Gen Método; LTC.

GARSCHAGEN, Bruno. Pare de acreditar no governo: por que os brasileiros não confiam nos políticos e amam o Estado. 8° ed. Rio de Janeiro: Record, 2016.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens – Uma Breve história da Humanidade. 15° ed. Porto Alegre. RS: L&PM, 2016.

OLIVEIRA, Isabel Simões; MENDES, Renat Nureyev; MENDES, Yury Vieira Typynambá de Lélis. Breves apontamentos sobre didática e ensino jurídico na atualidade: considerações sobre a necessidade de atualização didática na docência jurídica. Revista Eletrônica Direito e Política, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI, Itajaí, v.9, n.3, 3º quadrimestre de 2014. Disponível em: www.univali.br/direitoepolitica - ISSN 1980-7791.

OLIVEIRA, Nirlene da Consolação. “Linguagem Jurídica e Acesso à Justiça”. Revista Pensar Direito, vol. 4, No.1, jan/2013. Disponível em:

<http://revistapensar.com.br/direito/artigo/no=a121.pdf>. Acesso em 02 de julho de 2017.

PINTO, Henrique Motta; CORRÊA, Luiza Andrade; PINTO, Camila Batista. “O Aluno no Centro do Ensino em Direito: A Experiência da Escola em Formação da SBDP”. Ensino do direito em debate: reflexões a partir do 1° Seminário Ensino Jurídico e Formação Docente / José Garcez Ghirardi e Marina Feferbaum (organizadores) . -- São Paulo : Direito GV, 2013. -- (Série pesquisa Direito GV)

RAND, Ayn. A Nascente. Publicado em 1943. Editora Arqueiro, 2013. São Paulo.

REBELO, Nunes Miguel Branco de Sá Viana. Civilizado Homem Selvagem: Um passeio pela História e pelo direito. Belo Horizonte: Ius, 2013.

RIBEIRO, Juliana Oliveira; LOPES, Natália Camara; PINHEIRO, Priscila Tinelli. “Juridiquês: A quebra do contrato de comunicação”. Linguagem: Teoria, Análise e Aplicações.  Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Letras, 2011. Disponível em: <http://www.pgletras.uerj.br/linguistica/textos/livro06/LTAA06_a26.pdf> . Acesso em: 02 de julho de 2017

RUBIÃO, André. Ser estudante de Direito no século XXI. Direitos Culturais, Santo Ângelo, v.12, n.26, p. 91-108, jan./abr. 2017.

SOUZA, Denarcy; JUNIOR, Silva. “A crise do ensino jurídico e a simplificação do Direito: o dito e o não dito do imaginário da sala de aula”. Publicado no dia 20 de junho de 2016. Empório do Direito. Disponível em: http://emporiododireito.com.br/tag/crise-do-ensino-juridico/. Acesso em 03 de julho de 2017.

SOUZA, Denarcy; JUNIOR, Silva. “O duplipensar dos concursos públicos: o círculo vicioso da desinformação dos alunos”. Publicado no dia 04 de julho de 2016. Empório do Direito. Disponível em: http://emporiododireito.com.br/concursos-publicos/. Acesso em 03 de julho de 2017

STRECK, Lênio. “A concursocracia, a Teoria da Graxa e os testículos despedaçados”. Publicado em 6 de abril de 2017. Conjur. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2017-abr-06/senso-incomum-concursocracia-teoria-graxa-testiculos-despedacados. Acesso em: 03 de julho de 2017.

ZUGMAN, Daniel Leib; BASTOS, Frederico Silva. “As escolhas por trás do Método: Contradições, incoerências e patologias no ensino jurídico do Brasil”. Ensino do direito em debate: reflexões a partir do 1° Seminário Ensino Jurídico e Formação Docente / José Garcez Ghirardi e Marina Feferbaum (organizadores) . -- São Paulo : Direito GV, 2013. -- (Série pesquisa Direito GV).


Nota

[3] Já são mais de 1240 cursos de Direito no Brasil enquanto no resto do mundo a quantidade chega a ser de 1.100 universidades. Fonte: http://www.oab.org.br/noticia/20734/brasil-sozinho-tem-mais-faculdades-de-direito-que-todos-os-paises (“Brasil, sozinho, tem mais faculdades de Direito que todos os países”. Publicado em 14 de outubro de 2010).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso