Querem injetar mais dinheiro no Judiciário, que já tem tanto, então que seja para proporcionar o mesmo salário para todos os funcionários dos desembargadores e juízes substitutos em 2º Grau.

Até 04/07/2018, o Tribunal de Justiça de São Paulo já havia nomeado mais de 520 assistentes de magistrados do 1º Grau, para suprir a vaga de segundo assistente, recentemente implementada. Acredita-se que esse número tenha crescido ainda mais.

Enquanto isso, no 2º Grau, a situação que já era difícil, tornou-se alarmante. Um desembargador tem seis funcionários, quatro deles assistentes e dois escreventes. Ocorre que, ante a quantidade exorbitante de trabalho, os seis funcionários realizam o mesmo trabalho. Não bastasse, a disputa pelas quatro vagas de assistentes cria um clima de guerra dentro dos gabinetes, que gera acentuado mal estar e estresse nos funcionários, levando muitos jovens à loucura, ao AVC, à morte, à aposentadoria precose etc.

Por assim ser, urge que essa política seja repensada. É justo que todos os seis funcionários ganhem o mesmo salário, pois realizam as mesmas funções. Não há motivação lógica e nem jurídica para justificar a disparidade de tratamento para referidos cargos, posto que exercem as mesmas funções.

E o artigo 124, parágrafo primeiro, da Constituição do Estado de São Paulo, expressa o princípio constitucional da garantia da isonomia de vencimentos aos seus servidores, impedindo a concessão de tratamento diferenciado a determinados indivíduos ou carreiras, classes ou categorias específicas, exceto no que tange às “vantagens de caráter individual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho”, todas de cunho pessoal, razão pela qual a política de administração e remuneração de pessoal deve pautar-se dentro do estrito respeito aos princípios da legalidade e igualdade, não havendo possibilidade de fixação de padrões de vencimento e dos demais componentes do sistema remuneratório com diferenciações que não sejam justificadas por parâmetros objetivos; não há razão para haver diferenciação entre cargos que exercem a mesma função. 

Especula-se um reajuste substancial às remunerações de juízes e servidores, o que oneraria por demais o Estado, principalmente porque reajustes em salários que já são elevados resultam em elevados reajustes e maiores encargos para a população.

Ora, já que querem injetar mais dinheiro no Judiciário, que já tem tanto, que seja para reduzir essa tamanha disparidade, proporcionando o mesmo salário para todos os funcionários dos desembargadores e juízes substitutos em 2º Grau, pois realizam o mesmo trabalho.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso