O pai que não paga pensão alimentícia pode ser preso.

Alimentos versus Prisão civil

No Brasil a restrição do direito de ir e vir do cidadão (mais claramente, a prisão) ocorre, em geral, por determinação judicial, principalmente por questão criminal. Mas ainda constam da Constituição duas hipóteses de prisão de natureza civil, uma relativa ao depositário infiel e outra relacionada ao “responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia”.

A primeira hipótese não mais existe, apesar de ainda constar do texto constitucional, ou seja, a do depositário infiel (aquele responsável pela guarda de um bem, que não lhe pertence, mas deixa que ele se perca ou desapareça). O Supremo Tribunal Federal editou a Súmula Vinculante 25, que expressamente declara ilícita tal tipo de prisão.

Portanto, somente o responsável pelo inadimplemento (não pagamento) de pensão alimentícia pode ser preso. Só há este tipo de prisão civil no Brasil.

Mas, para tanto, o não pagamento da obrigação precisa ser voluntária e também inescusável, ou seja, o pai (ou a mãe, ou outro obrigado por sentença judicial à pensão alimentícia), para ser preso por este motivo, precisa deixar de pagar por querer (voluntária) e também não pode existir algum motivo relevante para tanto (inescusável, que não tem desculpa) porque, se houver motivo que justifique o não pagamento, a prisão não será decretada pelo juiz.

O Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece em seu art. 22 que é dever dos pais o sustento, a guarda e educação dos filhos menores, devendo ainda cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais, como é o caso da pensão alimentícia.

O Código de Processo Civil determina em seu artigo 528, parágrafo 4º, que a prisão do devedor de alimentos deverá ser cumprida em regime fechado, mas este deverá ficar separado dos presos comuns. E mais, define o parágrafo 5º deste artigo que o cumprimento da pena (de prisão) não afasta do dever de pagar as prestações vencidas e as vincendas (aquelas que ainda vão vencer).

É bem verdade que apenas os débitos relativos às três prestações anteriores ao ajuizamento da ação judicial de execução de alimentos, bem ainda, as que vencerem durante o curso do processo, autorizam a expedição do alvará de prisão.

Consoante estabelecido no supracitado artigo 528 do Código de Processo Civil (CPC), se o executado (pessoa condenada ao pagamento de alimentos) não pagar o débito ou não justificar satisfatoriamente o inadimplemento da obrigação que lhe foi imposta, o juiz mandará protestar o pronunciamento judicial respectivo, antes mesmo da prisão civil, que cabe tanto em relação a alimentos provisórios quanto definitivos, sendo determinado de ofício, ou seja, mesmo sem requerimento específico por parte do credor exequente (de início, deve haver requerimento da parte que executa a sentença de alimentos).

Já o artigo 529, parágrafo 3º, do CPC autoriza o juiz a determinar o desconto de até 50% dos vencimentos líquidos do devedor, de modo a viabilizar o pagamento dos valores em atraso. 

Gisele Nascimento é advogada em Mato Grosso.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria