Breves Comentários sobre a Execução Penal.

Execução Penal no Brasil.

30/10/2018 às 09:29
Leia nesta página:

O presente trabalho tem como objetivo fazer um breve comentário sobre a Execução Penal; responsável em efetivar as disposições da sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado.

Palavras-chave: Execução Penal, Lei de Execução Penal, Constituição Federal, Código de Processo Penal, Código Penal, Princípio da humanidade, Cumprimento da pena.

1.   Introdução

                   O presente artigo tem como intuito fazer um breve comentário sobre a Execução Penal no Brasil, com base na Lei de Execução Penal, Código de Processo Penal, Código Penal e a Constituição Federal de 1988.

                A Execução Penal, no Brasil, tem como objetivo a execução da pena, ou seja, é o cumprimento estabelecido por uma sentença ou acórdão, esta execução terá de respeitar o princípio da humanidade, pois o mesmo tem como base a Lei de Execução Penal, Código de Processo Penal, Código Penal, e a Constituição da República no seu artigo 5.º, XLVII, XLVIII, o XLIX. 

2.  Desenvolvimento

2.1 A Execução Penal no Brasil

      Execução Penal é uma etapa do processo penal em que se faz cumprir o que foi estabelecido na sentença condenatória, ou seja, conferir o cumprimento da pena: privativa de liberdade, restritiva de direitos, pecuniária e o cumprimento da medida de segurança (internado).

       Para melhor esclarecimento o Doutrinador Guilherme de Souza Nucci[1] leciona que:

“Com o trânsito em julgado da decisão que lhe impôs pena, seja porque recurso não houve, seja porque foi negado provimento ao apelo, a sentença torna-se título executivo judicial, passando-se de processo de conhecimento ao processo de execução."

                A finalidade da execução penal é o cumprimento/execução da pena ao condenado (sentenciado) e do internado (cumprimento da medida de segurança); sentença esta que foi prolatada pelo Juiz/Estado ao realizar corretamente, o jus puniendi (pretensão executória), diante da violação do direito material.

                Para Guilherme de Souza Nucci[2]:

“ a sentença condenatória não é estática, mais dinâmica. Um título executivo judicial, na órbita penal, é mutável em regime inicial fechado, pode cumprir em exatos dezoito anos, no regime fechado (basta ter péssimo comportamento carcerário, recusar-se a trabalhar etc.) ou cumpri-la em menor tempo, valendo-se de benefícios (remição, comutação, progressão de regime, livramento condicional etc.)”

      Todavia esta etapa (Execução Penal) é regida com as regras estabelecidas, na Lei de Execução Penal, (Lei nº 7.210/84), mas também com o amparo do Código de Processo Penal e no Código Penal, por exemplo, arts. 83 ss., do CP., que inclui matéria de execução penal.

       Na mesma linha de raciocínio do parágrafo acima, o professor Guilherme de Souza Nucci[3] cita que:

“é impossível dissociar-se o Direito de Execução penal do Direito Penal e do Processo Penal, pois o primeiro regula vários institutos de individualização da pena, úteis e utilizados pela execução penal, enquanto o segundo estabelece os princípios e as formas fundamentais de regular o procedimento da execução impondo garantias processuais penais típicas, com o contraditório e a ampla defesa, o duplo grau de jurisdição, entre outras”

          

       Por outro lado, vale ressaltar que é dever da União a competência para constituir em matéria de execução penal. E, também, quando se referir sobre as regras que competirem à esfera penal ou processual penal, (art. 22, I, CF).

      Todavia as regras relacionadas a direito penitenciário e o funcionamento de estabelecimentos prisionais - normas de assistência ao preso ou ao egresso, órgãos auxiliares da execução penal, etc - a autoridade legislativa é da União, mas paralelamente com os Estados e Distrito Federal (art. 24, I, CF).

       3. Conclusão

                   Portanto, a Execução Penal é um instituto do nosso ordenamento jurídico, com a anuência do Estado e com base legal na Lei de Execução Penal, Código de Processo Penal, Código Penal e a Constituição Federal de 1988. As quais são encarregadas para tornar efetiva a sanção punitiva estatal, para o devido cumprimento de uma sentença ou acórdão, ao condenado (sentenciado) e do internado (cumprimento da medida de segurança).

                   Ademais, este mesmo Estado com o poder/dever de punir aquele/aquela que infringir a lei terá que proporcionar condições dignas para uma devida execução penal.

                   Pois a execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado.

                   Portanto, condenado (sentenciado) e internado (cumprimento da medida de segurança), na aplicação de sua pena ou medida de segurança, terá o Estado, para fiscalizá-la, porém este mesmo Estado deve respeitar o princípio da humanidade no cumprimento desta execução penal, pois o mesmo tem fundamento na Constituição Federal, no seu artigo 5.º, XLVII, XLVIII, XLIX.           

REFERÊNCIAS

BRASIL. Código Penal: Decreto Lei nº 2.848, de 07 de Dezembro de 1940.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Promulgada em 05 de Outubro de 1988.

BRASIL. Código de Processo Penal: Decreto Lei nº 3.689, de 03 de Outubro de 1941.

BRASIL. Lei de Execução Penal Decreto Lei nº 7.210, de 13 de Julho de 1984.

Assine a nossa newsletter! Seja o primeiro a receber nossas novidades exclusivas e recentes diretamente em sua caixa de entrada.
Publique seus artigos


[1] NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. 8º ed.rev.,atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. p. 997.

[2] NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. 8º ed.rev.,atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. p. 998.

[3] NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. 8º ed.rev.,atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. p. 999.

Sobre o autor
alex pavani

Advogado Criminalista, e Sócio Fundador do escritório M.A.P - Advogados Associados, sempre buscando trabalhar, de forma transparente e ética, na busca incessante pela qualidade em nossos serviço.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos