breve dissertação apontando as principais obrigações do empregador para com os trabalhadores celetista e sua penalização em caso de não serem cumpridas.

Apesar das alterações provocadas pela Lei nº 13.467 de 13 de julho de 2017, conhecida no meio jurídico e também popularmente como “Reforma Trabalhista” ter provocado nos contratos trabalhistas um caráter mais negocial, próprio dos acordos jurídicos civis, temos alguns direitos e deveres que são inegociáveis, conforme veremos a seguir.

Dentre os deveres do empregador, podemos destacar o dever de registrar o funcionário em 48 horas, conforme já determinavam os artigos 41 e 29 da Consolidação das Leis do Trabalho, devendo especificar no registro a data em que o empregado foi admitido, a função que irá exercer, a remuneração, nos moldes em que foi acordada entre as partes, e, quaisquer condições especiais que vierem a ocorrer. Uma novidade trazida com a já mencionada Reforma, foi a aplicação de multa para as empresas que venham a não efetuar o registro do funcionário, conforme preceitua o artigo 47 do mesmo diploma, determinado a multa de R$ 3.000,00 (três mil reais) por empregado não registrado, acrescido do mesmo montante a cada vez que a empresa cometa a mesma infração, a única exceção dessa multa, é quando se tratar de microempresa ou empresa de pequeno porte, fato em que a multa será de R$ 800,00 (oitocentos reais ).

Outra garantia do funcionário, é o pagamento do salário até o 5º dia útil do mês subsequente, quando este ficar acordado de forma mensal, conforme preceitua o artigo 459, parágrafo 1º da CLT, cabendo lembrar que o adiantamento salarial, que geralmente ocorre entre os dias 15 e 20 do mês trabalhado, não passam de uma faculdade do empregador, já que legalmente o mesmo não é obrigado, este tema somente é mencionado no artigo 462 da CLT, onde autoriza o desconto do salário na hipótese de ter havido o mencionado adiantamento.

Outro ponto que é de direito do empregador, é a possibilidade de escolher a época em que serão concedidas as férias ao empregado, conforme preceitua o artigo 136 da CLT, observados ainda o art. 135 do mesmo diploma, que determina que deverá haver o aviso prévio de no mínimo 30 (trinta) dias. Com a Reforma Trabalhista, houve a possibilidade de acordo quanto a divisão das férias, que poderão ser usufruídas em até três períodos, desde que um deles não seja inferior a quatorze dias corridos, e os demais, inferiores a cinco dias corridos. 

Também é dever do empregador a anotação em Carteira de Trabalho e Previdência Social de todo e qualquer valor pago ao empregado, tal preceito esta elencado no artigo 457, § 1º da CLT, quando nos diz que “integram o salário não só a importância fixa estipulada, como também as comissões, porcentagens, gratificações ajustadas, diárias para viagens e abonos pagos pelo empregador”, tal disposição busca a proibição do famoso “salário por fora”, utilizados por alguns empregadores para se eximirem de responsabilidades a título de INSS e FGTS.

Ainda no que tangem aos deveres do empregador, temos a obrigatoriedade de proceder com o pagamento das verbas rescisórias nos prazos previstos em Lei, conforme preceitua o artigo 477 da CLT, sendo de 10 (dez) dias corridos quando tratar-se de Aviso Prévio Indenizado (ocorre quando o empregado é desligado da empresa no imediato momento em que fica ciente da demissão), e de 1 (um) dia útil quando tratar-se de Aviso Prévio Trabalhado (quando o empregado continue prestando serviços ao empregador, por um período acordado entre as partes, mesmo após ficar ciente da demissão). Vale ressaltar que, caso estes prazos não sejam cumpridos, o empregador deverá arcar com a multa equivalente a salário do funcionário, conforme preceitua o § 8º do artigo supracitado.

Um ponto importante que a Reforma tratou de sanar foi a possibilidade de acordo na extinção do contrato de trabalho, antes da mencionada reformulação trabalhista, alguns empregados e empregadores costumavam celebrar acordos trabalhista ilegais, nos quais haviam o interesse de rescisão contratual por ambas as partes, contudo, para que o empregado pudesse ter direito ao saque do FGTS e o recebimento do Seguro Desemprego, era simulado uma demissão sem justo motivo por iniciativa do empregador, no qual, ficava acordado que o empregado devolveria a multa dos 40% (quarenta por cento), que é calculada com base no saldo do FGTS e paga pelos empregadores quando resolvem rescindir o contrato trabalhista que havia sido acordado por tempo indeterminado, vale lembrar ainda que, diversos Tribunais vinham entendendo que tal fato tratava-se do crime de estelionato, previsto no art. 171 do Código Penal, neste sentido podemos destacar os dizeres da Relatora Juíza Federal Rosimayre Gonçalves de Carvalho, no processo nº 0011001-77.2011.4.01.38.00, in verbis: “O ardil está materializado na simulação da dispensa imotivada, situação que possibilitou ao apelante receber as parcelas indevidas do seguro-desemprego. 4. Comete o crime de estelionato majorado (art. 171, § 3º, do CP) o agente que, demitido sem justa causa, recebe parcelas do seguro-desemprego, mas mantém o vínculo informal de trabalho, posteriormente reconhecido em reclamação trabalhista. (Precedente da Turma)” .

Com o advento do artigo 484-A da CLT, passou a ser possível tal negociação, dando a possibilidade ao empregado do recebimento das seguintes verbas: Metade do Aviso Prévio (15 dias), se for indenizado; Metade da multa rescisória sobre o saldo do FGTS, ou seja, 20% (vinte por cento); Todas as demais verbas trabalhistas (saldo de salário, férias vencidas e proporcionais acrescidas de 1/3 constitucional, 13º salário e etc.) na integralidade e Saque de 80% (oitenta por cento) do saldo do FGTS. Cabe lembrar que, ainda que haja o acordo trabalhista, o empregado não terá direito ao seguro desemprego.    

Mais uma faculdade do empregador é a possibilidade dos descontos baseados nos vales transporte e alimentação, no que tange ao desconto a título do vale-transporte, poderá se limitar em 6% (seis por cento) do salário do empregado, conforme determina o artigo 4º, parágrafo único da Lei nº 7.418/85 (Lei do Vale Transporte), e no que tange ao desconto a título de vale-alimentação, poderá se limitar em 20% (vinte por cento) sobre o custo da alimentação, conforme determina o artigo 2º, § 1º do Decreto nº 349/1991.

Neste sentido, observamos que houveram diversas alterações relevantes no que tange aos direitos e deveres trabalhista, os quais, muitas vezes sequer são de evidente saber das partes envolvidas nesta relação, neste sentido, esperamos ter esclarecido pontos pertinentes.

Fontes:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D349.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7418.htm

  

por Nathalia Muniz de Oliveira / Marcelo Roberto Lourenço

por Nathalia Muniz de Oliveira / Marcelo Roberto Lourenço


Autor


Informações sobre o texto

Em razão de dúvidas recorrentes de clientes na busca por orientação dos temas mais relevantes acerca dos direitos e deveres trabalhista

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso