O presente trabalho tem como objetivo examinar o impacto da Reforma Trabalhista sobre os Honorários de Sucumbência e a gratuidade da justiça.

    O acesso à Justiça é um dos fundamentos básicos previstos pela Constituição Federal de 1988, em seu art. 5º, LXXIV, que versa sobre a gratuidade prestada pelo Estado a quem comprovadamente tiver insuficiência de recursos para o custeio do processo. Assim, o Legislador buscou evitar a segregação socioeconômica dos cidadãos que buscam a via judicial para a resolução de conflitos.

    Tal acesso é regulado pelos arts. 98 a 102 do CPC/2015, os quais estabelecem os critérios de concessão e requerimento da Gratuidade da Justiça, o que subsidiariamente alcança o âmbito da Justiça do Trabalho, como mais uma forma de proteção do trabalhador, frente à desigualdade imposta, em geral pela condição econômica do empregador. No texto original da CLT, art. 970 § 3º, está descrito a quem se destina a tutela da justiça gratuita, que são os demandantes que recebem remuneração igual ou inferior a 2 vezes o salário mínimo vigente à época do processo, ou seja, todo aquele que percebe remuneração básica igual ou inferior a R$ 1874,00, seria destinatário da mesma. Já com a Reforma, o teto remuneratório se desvinculou do valor do Salário Mínimo vigente para 40% do teto remuneratório do RGPS, que é equivalente a remuneração de R$ 2.212,50. Para fins de informação, o salário mínimo vigente em 2017 é de R$ 937,00 e o Teto do Regime Geral da Previdência Social – RGPS é de R$ 5.é de R$ 5.531,31. Está mantida a concessão da gratuidade da justiça a quem comprovar a hipossuficiência financeira para conduzir o processo sem prejuízo de seu sustento ou de sua família, conforme era estabelecido antes da edição da norma. O conceito de necessitado aqui, tem um sentido amplo, no que concerne à possibilidade de suportar as custas processuais, podendo, inclusive, ser estendida a todo aquele que possui renda superior ao teto remuneratório estabelecido, desde que comprove a necessidade alegada em juízo.

    Muito embora a ampliação da faixa remuneratória para concessão da justiça gratuita tenha representado um avanço para o trabalhador, há uma controvérsia a respeito do pagamento dos honorários de sucumbência pela parte perdedora. Se por um lado se ampliou o acesso à justiça, sem restrições à ideia de necessitado para fins de concessão da gratuidade, por outro lado, a obrigação do pagamento das verbas sucumbenciais pode representar um considerável impacto financeiro para a parte vencida. Para a CLT atual, não há previsão expressa sobre o tema, utilizando-se a interpretação do Tribunal Superior do Trabalho. Sobre o assunto, versa a Súmula 219 do TST:

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS.  CABIMENTO (alterada a redação do item I e acrescidos os itens IV a VI em decorrência do CPC de 2015) - Res. 204/2016, DEJT divulgado em 17, 18 e 21.03.2016  

I - Na Justiça do Trabalho, a condenação ao pagamento de honorários advocatícios não decorre pura e simplesmente da sucumbência, devendo a parte, concomitantemente: a) estar assistida por sindicato da categoria profissional; b) comprovar a percepção de salário inferior ao dobro do salário mínimo ou encontrar-se em situação econômica que não lhe permita demandar sem prejuízo do próprio sustento ou da respectiva família. (art.14,§1º, da Lei nº 5.584/1970). (ex-OJ nº 305 da SBDI-I).

A nova regra trazida pela Reforma Trabalhista, buscou se aproximar das regras processuais do CPC 2015, determinando os critérios para pagamentos de verbas sucumbenciais e impondo maior rigor no arbitramento das verbas sucumbenciais. A inovação trazida pela lei afirma que, em detrimento da concessão da gratuidade, a parte vencida não se isenta do pagamento dos honorários sucumbenciais, e em caso de não afastada a condição que deu causa a sua hipossuficiência e a concessão da Gratuidade, mantém-se em condição suspensiva até a possibilidade de quitação do débito, no prazo de 2 anos a partir do trânsito em julgado, nos termos do art. 791-A § 4º.

§ 4o  Vencido o beneficiário da justiça gratuita, desde que não tenha obtido em juízo, ainda que em outro processo, créditos capazes de suportar a despesa, as obrigações decorrentes de sua sucumbência ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente poderão ser executadas se, nos dois anos subsequentes ao trânsito em julgado da decisão que as certificou, o credor demonstrar que deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que justificou a concessão de gratuidade, extinguindo-se, passado esse prazo, tais obrigações do beneficiário.

Não se pode negar que a Reforma Trabalhista seja inovadora no sentido de regular o processo do trabalho, com a edição de regras claras de condução do processo, diminuindo assim a necessidade de interpretação por analogia. Também é importante frisar que a intenção inicial não é restringir o acesso à Gratuidade da Justiça, o que seria abertamente inconstitucional, já que este é um direito assegurado pela Carta Magna. Em contrapartida, o maior rigor imposto pelas novas regras processuais, possa acabar inibindo a busca do empregado à tutela judicial na solução de conflitos de ordem trabalhista. Ainda é cedo para julgar se as mudanças são benéficas para as partes, ou tratam-se de medida extrema, com efeito de afastamento da tutela do Estado. Apenas a aplicação do novo texto legal aos casos concretos e a interpretação da Justiça do Trabalho, poderão nortear os efeitos nas novas regras sobre as relações de emprego.

Bibliografia :

www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm



 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0