O presente trabalho trata-se de uma resenha da obra “O Príncipe”, escrita por Nicolau Maquiavel no ano de 1513 e publicada postumamente no ano de 1532. A escolha de resenhar de forma sucinta a obra se deu em razão do constructo do conceito de Estado.

1 Introdução

Poder é assunto que gera intensos debates. Na época de Maquiavel não era diferente. As discussões em torno do poder do Estado, sobre como alcançá-lo e como mantê-lo, estavam em voga e Maquiavel, com todo seu conhecimento político, dedicou-se a escrever “O Príncipe”, um verdadeiro manual sobre poder. Dessa forma, o presente trabalho propõe-se a resenhar a obra “O Príncipe”, de modo a instigar a curiosidade para a leitura desse escrito tão importante para a compreensão da política e da sociedade.

2 Resenhando “O Príncipe”

O Príncipe, em que pese ser um clássico lido por juristas, filósofos, enfim, interessados no assunto, trata-se de uma carta contendo um manual de conselhos escrito por Nicolau Maquiavel em 1513 e direcionada ao “o príncipe” Lorenzo de Medici, governante de Florença, atual Itália. O motivo que o levou a dedicar o livro a Lorenzo é apresentado no final da obra, onde ele deixa explícito que seu desejo é que Lorenzo se torne o soberano da Itália, reinando com êxito. Entretanto, já na introdução, Maquiavel demonstra seu intuito de agradar ao governante e oferecer seus préstimos. No ano anterior, 1512, Maquiavel havia perdido o cargo que ocupava no governo e, durante esse período em que foi banido de Florença, passou a se dedicar aos escritos.

Na sua obra, Maquiavel escreve sobre o assunto poder, demonstrando como alcançá-lo e como mantê-lo, e o faz com propriedade, em razão de sua experiência como diplomata e homem de Estado, portanto, conhecedor dos mecanismos e instrumentos de poder. Em verdade, a carta trata-se de um vislumbre de autopromoção, em que Maquiavel oferece ao príncipe a dádiva de sua experiência política sob a forma de um manual prático. Basicamente, Maquiavel oferece os seus serviços, objetivando um cargo na nova administração.

A obra exprimiu pela primeira vez a noção de Estado como forma de organização da sociedade da maneira como é conhecida hodiernamente. Maquiavel inicia a carta demonstrando ao príncipe o desejo de mostrar sua devoção, ofertando o que possui, seu conhecimento. Afirma que os Estados foram sempre repúblicas ou monarquias e se atém a abordar sobre as monarquias. Inicia abordando sobre as monarquias hereditárias e por conseguinte sobre as monarquias mistas. Alega que os Estados que se unem por anexação podem ser de um povo com mesma nacionalidade e língua ou não. Em caso positivo, será mais fácil conquistá-lo, extinguindo a família que anteriormente dominava. Mas em caso negativo, são grandes as dificuldades de domínio, entretanto, uma forma é a instalação in loco do governante.

O questionamento que Maquiavel suscita nessa obra, é sobre a virtú e fortuna. Virtú não no sentido de virtude ou altruísmo, mas sim de características próprias do governante, as quais não define se ou boas ou ruins. O príncipe é virtuoso quando age conforme a necessidade para a perpetuação do Poder Político. No caso, surgindo a oportunidade, o príncipe age da melhor forma possível, que não necessariamente moral. Seria o talento político. Fortuna, por sua vez, não é dinheiro e sim sorte, condição pessoal ligada a sujeito específico e Maquiavel fala das formas de conquistar um território, abordando acerca da hereditariedade. O governante ideal seria aquele que une virtú e fortuna.

Maquiavel entende que a virtude do governante pode prejudicar o Estado, pois sendo ele virtuoso, não poderia matar ao próximo, por exemplo. Para ele, o governante precisa olhar para a realidade, separando política de moral, pois enquanto governante deve praticar atos que por vezes se afastam da moral para que possa manter o poder. Para Maquiavel, o Príncipe não deve se limitar a lei natural ou divina, mas deve fazer o que é necessário para manter a ordem e a estabilidade política.

Maquiavel traz a ideia de centralização do Poder Político, o qual estava descentralizado, entendendo o Poder Político como o uso da força física para manter a ordem. Para manter essa soberania, Maquiavel defendia a existência de tropas nacionais e não mercenárias.

Surge no texto a questão do ser amado, temido ou odiado. O príncipe amado é aquele que é bem visto pela população. Ser amado é difícil. Então, não sendo possível ser amado, deve o governante ser temido, pois assim o povo não se rebela contra ele. Entretanto, ser temido não é o mesmo que ser odiado. O príncipe não pode buscar ser odiado, pois cria a sensação de que o governado não tem nada a perder ao se rebelar.

Por fim, temos que a obra, escrita no período do renascimento, o qual trouxe o surgimento de novas ideias, inclusive no campo político, demonstra que Maquiavel quebrou o paradigma antigo dos gregos, romanos e medievais, trazendo uma definição diferente para o governante, em que não fosse baseado na virtude com caráter altruísta, deixando de pensar como o governante deveria ser, passando a pensar como na realidade eles são e o que devem fazer para manter-se no poder, em uma ação meramente estratégica, aparentando ser bom, ou seja, possuindo talento para manipular e, consequentemente, governar.

3 Considerações Finais

A obra demonstra que Maquiavel quebrou paradigmas quanto à política, trazendo novas concepções políticas, as quais têm influência teórica até os tempos atuais.

Referências

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. Edição Bilíngue. Tradução, introdução e notas de Diogo Pires Aurélio. São Paulo: Editora 34, 2017.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0