O Sindico é sem duvida o responsável pelo funcionamento prático do condomínio, seus deveres estão expostos em um rol no Código Civil atribuindo a ele diversas responsabilidades, entre elas o dever de contratação do seguro.

 A lei 4591 do ano de 1964 trazia em sua redação a obrigatoriedade do seguro, vejamos:

Art. 13. Proceder-se-á ao seguro da edificação ou do conjunto de edificações, neste caso, discriminadamente, abrangendo todas as unidades autônomas e partes comuns, contra incêndio ou outro sinistro que cause destruição no todo ou em parte, computando-se o prêmio nas despesas ordinárias do condomínio. Parágrafo único. O seguro de que trata este artigo será obrigatòriamente feito dentro de 120 dias, contados da data da concessão do "habite-se", sob pena de ficar o condomínio sujeito à multa mensal equivalente a 1/12 do imposto predial, cobrável executivamente pela Municipalidade.

Já o código civil de 2002, no capitulo do Condomínio Edilício também tratou do assunto no art. 1.346, enfatizando sua obrigatoriedade.

Art. 1346. É obrigatório o seguro de toda a edificação contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial.

 A obrigatoriedade vale para condomínios comerciais, residenciais e mistos. Bem como, para condomínios verticais e horizontais. Em relação aos horizontais cada morador constrói sua casa, cabe ao seguro abranger as áreas comuns. Nos condomínios verticais, os apartamentos também estão protegidos.O artigo supracitado especifica a obrigatoriedade do seguro a ser contratado, o que na teoria tornaria o dever do Sindico mais fácil de ser cumprido. Aquilo que parece um dever de práxis pode se tornar um sério problema se for tratado como mera obrigação legal. A questão principal  esta naquilo que não é obrigatório, e que pode causar transtornos imprevisíveis para o sindico e para os moradores. Ao contratar o seguro o Sindico não pode levar em consideração apenas a obrigatoriedade da lei, pois corre o risco de não ter a devida cobertura no caso de um sinistro que não esteja previsto no contrato entre o Condomínio e a Seguradora. De acordo com Pedro Elias Avvad- CONDOMINIO EDILICIO:

“A imposição, ao sindico de realizar o seguro da edificação estará limitada ao seguro obrigatório previsto no art. 1346? É evidente que sim: se a convenção não dispuser diferentemente, basta ao sindico cumprir a lei, realizando o seguro previsto. Entretanto, é conveniente, e é comum que se assim se proceda nas grandes edificações, a realização, pelo menos, dos seguros de danos elétricos e de responsabilidade civil.”

Ao contratar o seguro o Sindico deve se atentar para as particularidades do condomínio, pois cada construção possui suas especificidades, é preciso levar em consideração o local da construção, o tipo de construção e a finalidade da mesma. Alguns condomínios são construídos em região litorânea, outro em lugares com freqüência de tempestades, da mesma forma a matéria prima usada pode influenciar também em necessidades especiais; madeira, vidro, alvenaria e demais itens que  predominam em uma construção. Saber identificar essas realidades, ter uma visão preventiva, pode auxiliar o sindico na contratação do seguro.

Para elucidar melhor esse assunto eu trouxe a jurisprudência infracitada, onde o condomínio entra com ação de cobrança contra a seguradora, solicitando a cobertura para danos que na verdade não estão no contrato.

DECISÃO: ACORDAM os Membros Integrantes da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná, por unanimidade de votos, em CONHECER o recurso, para NEGAR-LHE PROVIMENTO, nos termos do voto do Relator. EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA SECURITÁRIA. SEGURO COMPREENSIVO DE CONDOMÍNIO. SINISTRO DE ALAGAMENTO. COBERTURA BÁSICA DE INCÊNDIO E RESPONSABILIDADE CIVIL DO CONDOMÍNIO. POSSIBILIDADE DE CONTRATAÇÃO DE COBERTURAS ADICIONAIS, NAS QUAIS SE INCLUI A COBERTURA DE ALAGAMENTO E INUNDAÇÃO. COBERTURA ADICIONAL NÃO CONTRATADA. RISCO QUE NÃO PODE SER COBERTO PELA SEGURADORA. AUSÊNCIA DE ABUSIVIDADE. RECURSO CONHECIDO, A QUE SE NEGA PROVIMENTO. (TJPR - 9ª C.Cível - AC - 1570295-1 - Curitiba - Rel.: Francisco Luiz Macedo Junior - Unânime - - J. 15.12.2016)

(TJ-PR - APL: 15702951 PR 1570295-1 (Acórdão), Relator: Francisco Luiz Macedo Junior Data de Julgamento: 15/12/2016, 9ª Câmara Cível, Data de Publicação: DJ: 1962 02/02/2017)

Visto que a lei é taxativa em relação a obrigatoriedade do Sindico, a não observância desse dever faz com que o profissional responda ativa e passivamente por qualquer omissão ou negligencia em relação ao seguro. Não basta contratar, é necessário estar atendo a renovação da apólice, aos valores atualizados da renovação, bem como a cobertura da mesma.

 Nesse sentido a RESOLUÇÃO CNSP Nº 218, DE 2010 estabelece novos critérios para a estruturação do seguro obrigatório de condomínio, as seguradoras passaram a ter de oferecer aos condomínios duas modalidades de cobertura: a básica simples e a básica ampla. Antes dessa resolução as próprias seguradoras não tinham a obrigação de apresentar propostas mais amplas de seguro, com a resolução pacotes diferenciados com vários modalidades de cobertura são obrigatórios. O que facilita muito no trabalho do sindico em relação ao plano de seguro que mais se encaixa ao condomínio, tanto em relação a cobertura, quanto em relação a perfil econômico do mesmo.

O art 760 do Código Civil prevê as informações essenciais que devem constar em um contrato de seguro, sem margem para interpretação subjetiva. Vejamos:

 Art. 760. A apólice ou o bilhete de seguro serão nominativos, à ordem ou ao portador, e mencionarão os riscos assumidos, o início e o fim de sua validade, o limite da garantia e o prêmio devido, e, quando for o caso, o nome do segurado e o do beneficiário.

Diante de todo o exposto fica claro que ao Sindico cabe não somente a observância da obrigatoriedade na contratação do seguro, mas também ter uma especial atenção em possíveis eventualidades. É essencial que a Convenção do Condomínio deixe claro qual a apólice de seguro contratada e a extensão de sua cobertura. Lembrando que apólices com coberturas maiores podem fazer toda a diferença em uma possível emergência. Existem vários tipos de cobertura de apólice de seguro. Elenquei algumas abaixo para auxiliar o Sindico na escolha de um bom seguro na hora da contratação.

Incêndio: Qualquer que tenha sido a causa.

Responsabilidade civil condomínio: Danos causados a terceiros relacionados com: a) existência, conservação e uso do imóvel; b) existência e conservação de painéis, letreiros e anúncios pertencentes ao segurado. Estão cobertas também as despesas com custos judiciais e honorários advocatícios.

Responsabilidade civil guarda de veículos: Danos causados aos veículos que estão sob responsabilidade do condomínio. Na Cobertura Ampla, colisões podem ser pagas pela seguradora. Neste caso o veículo deve ser manobrado por manobrista habilitado. A cobertura restrita cobre apenas roubo e incêndio.

Responsabilidade civil síndico: Danos causados a terceiros em decorrência de descumprimento de obrigações funcionais, negligências, erros, ações ou omissões cometidas pelo síndico, no cumprimento de seu dever.

Desmoronamento: Danos materiais causados ao edifício por desmoronamento, total ou parcial, de elementos estruturais como vigas, pilares, muros e paredes.

Vidros: Quebra de vidros, espelhos e mármores causados por terceiros, condôminos e mesmo por funcionários do condomínio. Cobre também quebras provocadas por calor, choque térmico e chuva de granizo.

Danos elétricos: Danos materiais causados por curto-circuito, superaquecimento e outros acidentes elétricos, bem como queda de raios fora do terreno a motores, fios, lâmpadas e outros equipamentos e instalações elétricas.

Alagamento: Danos materiais causados ao imóvel, causados tromba d’água, chuva, enchente.

Explosão: Explosão de qualquer natureza, onde quer que tenha ocorrido.

Vendaval: Danos causados diretamente ao imóvel segurado por vendaval, granizo, tornado, ciclone, furacão e fumaça.

Raio: Queda de raio, originado por descarga atmosférica diretamente sobre o imóvel segurado.

Impacto: Danos causados pelo impacto de veículos, terrestres ou aéreos a bens do condomínio.

Roubo de bens: Assalto ou furto qualificado de bens pertencentes ao condomínio.

Acidentes pessoais e vida de empregados: O condomínio é obrigado a contratar um seguro de vida e de acidentes pessoais para todos os funcionários registrados. Ver no sindicato da categoria quais coberturas devem ser contratadas e o valor mínimo da importância segurada.

No nosso site temos algumas opções de empresas seguradoras, o link abaixo direciona o leitor para a página dos fornecedores.

https://sindicolegal.com/fornecedores/administracao/seguradoras/

Sabemos que o art. 1348 do código civil possui um Rol Taxativo em relação aos deveres do Sindico.

Art. 1.348. Compete ao síndico:

I - convocar a assembléia dos condôminos;

II - representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos interesses comuns;

III - dar imediato conhecimento à assembléia da existência de procedimento judicial ou administrativo, de interesse do condomínio;

IV - cumprir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determinações da assembléia;

V - diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores;

VI - elaborar o orçamento da receita e da despesa relativa a cada ano;

VII - cobrar dos condôminos as suas contribuições, bem como impor e cobrar as multas devidas;

VIII - prestar contas à assembléia, anualmente e quando exigidas;

IX - realizar o seguro da edificação.

§ 1o Poderá a assembléia investir outra pessoa, em lugar do síndico, em poderes de representação.

§ 2o O síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, mediante aprovação da assembléia, salvo disposição em contrário da convenção.

Porém não podemos olvidar que, na ausência de seguro, o sindico será responsável por qualquer problema que ocorra no condomínio. Poderá responder por perdas e danos, em alguns casos como no inciso V do artigo acima (V - diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores) inclusive criminalmente, bem como ser obrigado a ressarcir os moradores.

O presente artigo buscou enfatizar a responsabilidade do sindico e o seu poder, dever de Gestão, assumir a responsabilidade sobre aquilo que a lei obriga é a função de qualquer sindico ou administradora, porém ir, além disso, é o objetivo de quem deseja trabalhar de forma eficiente, não basta fazer o que se deve, é preciso ir além. Essa gestão vai alem daquilo que a lei obriga. Exige raciocínio administrativo, perfil de liderança, pró atividade, planejamento estratégico e preventivo, raciocínio em prol da coletividade e do bem estar dos moradores.


Autor

  • Miguel Zaim

    MIGUEL ZAIM – (Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais, Palestrante, Especialista em Direito Imobiliário, Direito e Processo Penal, Direito e Processo Civil, Direito Constitucional, Direito Tributário, e Direito Ambiental, Presidente da Comissão de Direito Condominial da OAB Mato Grosso).

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso