Um breve conto sobre um reino distante em que os moralistas tramam contra o Direito. Um reino de impiedade e moralistas que se engalfinham pelo poder.

A moralidade um dia num reino encantado desandou por causa de um reizinho e sua religião. Ele , a sua moral absoluta, e o seus intérpretes, estabeleceram que só certas pessoas escolhidas podiam interpretar a moral do tirano; este é claro nunca era contrariado, era até elogiado pela imprensa.

Então, um conselho decidiu separar a moral do Direito, pois quando o reizinho morreu as pessoas perderam o medo de afirmar seus cultos e razões morais para agirem como queriam. E assim aconteceu para que a moral do reizinho não invandisse o patrimônio moral do cidadão; o Direito se preocuparia agora somente com os atos externos. A liberdade de consciência foi estabelecida para que morais diferentes do rei pudessem conviver.  

Nesse reino encantado passaram muitas religiões. Entre elas o cristianismo católico com sua pretensão universalista e salvacionismo deu suporte para as colonizações e a escravidão de outros reinos, e a moral dos povos dominados desapareceu. As lembranças dos dominados justificava que a religião dos povos dominados não era moral e que era preciso reprimir estes povos. O que valia no reino encantado de tolerância a outras morais religiosas não poderia valer para povos dominados.

Por fim, hoje, num mundo aberto e multicultural do reino encantado, há ainda um povo que acredita numa salvação pela moral. Esse povo denominado de extremista se arroga intérprete da história, a fazer valer suas interpretações contra os fatos. Muitos desses cidadãos "iluminados" são violentos, espalham mentiras por "fakes news" e não obedecem as leis do seu país.

Voltando para a nossa realidade.

No "chavismo", e nas ditadura daqui dessa terra, o primeiros moralistas são os que derrubam os tribunais e perseguem juízes, estes que asseguram a moral de todos contra uma só moral. Por isso, antes da moral vem a política e o Direito, a arte de conter qualquer impulso de prisão moral.

A politica é a razão das virtudes e a base da comunidade, onde se realizam a necessária formação cidadã para agir com justiça, que por sua vez não sobrevive sem uma justiça imparcial, esta que segue o Direito, não as razões dos generais e de uma maioria cega posta na imprensa.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0