Respondemos neste artigo 20 (vinte) perguntas sobre guarda compartilhada.

O que significa a guarda no Direito de Família?

Primeiramente, importante discutir a respeito do conceito da guarda no Direito de Família.

Pois bem, a guarda consiste no direito de ter o filho em sua companhia, estabelecer a residência de moradia, prover a assistência material e moral, responsabilizar-se por todas as decisões relativas ao bem-estar da criança ou adolescente.

São exemplos de decisões a escolha de escola, médico, religião, atividades extracurriculares, controle de informações, companhias, bem como de poder exigir respeito, obediência, e prestação de serviços desde que compatíveis com a capacidade do menor, dentre outras.

Ainda, segundo Rolf Madaleno:

“Em sentido jurídico, a guarda representa a convivência do guardião com o menor sob o mesmo teto e o dever de prover a assistência material ao que for necessário à sobrevivência física e moral e o seu pleno desenvolvimento psíquico”.

Importa destacar que a expressão guarda de filho carrega uma conotação de posse e propriedade. Sendo assim, mais adequada é a expressão convivência familiar.

Nesse sentido, “A palavra guarda significa verdadeira coisificação do filho, colocando-o muito mais na condição de objeto do que de sujeito de direito” (Maria Berenice Dias).

Qual é o critério de definição da guarda?

O critério que define a atribuição da guarda é o melhor interesse da criança e do adolescente. Portanto, não se leva em conta os interesses particulares dos pais e nem a eventual culpa de um ou ambos pela separação ou divórcio, como previa o art. 10 da Lei do Divórcio.

A guarda, uma vez definida, pode ser alterada?

A questão da guarda sempre admite revisão e adequação de seus critérios quando for melhor para a criança e o adolescente, em processo judicial amigável ou litigioso.

O que significa a guarda unilateral?

A guarda unilateral é aquela exercida por somente um dos pais, ou a alguém que os substitua, na hipótese em que ambos os pais não têm condições de ficar com a guarda do filho (art. 1.583, §1 do Código Civil). Nesse modelo, o pai ou a mãe que não detém a guarda do filho possui o dever de supervisionar os interesses dos filhos. A guarda unilateral é representada adiante:

guarda unilateral lima advocacia

O genitor que possui a guarda unilateral deve prestar contas ao outro?

O genitor que não possui a guarda unilateral pode solicitar informações e prestação de contas, tanto do outro genitor quanto de estabelecimentos públicos e privados, em assuntos ou situações que direta ou indiretamente afetem a saúde física e psicológica e a educação de seus filhos (art. 1.583, §5 e 1.584, §6 do Código Civil).

Assim, pode qualquer dos pais requerer informações sobre a frequência e o rendimento de seu filho, bem como sobre a execução da proposta pedagógica da escola.

O genitor que não possui a guarda unilateral tem o direito de conviver com o filho?

Na guarda unilateral, o genitor que não a possui tem o direito de conviver com os filhos e supervisionar a sua manutenção e educação (art. 1.589 do Código Civil).

O genitor que não possui a guarda unilateral deve arcar com o pagamento mensal da pensão alimentícia?

Sim. O genitor que não possui a guarda unilateral deve arcar com o pagamento mensal da pensão alimentícia, sempre atendendo-se ao trinômio possibilidade-necessidade-razoabilidade.

A guarda unilateral é a regra no direito brasileiro?

A guarda unilateral, a partir da Lei n. 13.058/2014 deixou de ser aplicada como regra no direito brasileiro, com o intuito de possibilitar o desafio conjunto das responsabilidades dos pais e evitar que a criança e o adolescente se tornem um troféu para aquele genitor que “ganhou” a guarda.

O que significa a guarda compartilhada?

A guarda compartilhada é aquela exercida por ambos os pais, que conjuntamente se responsabilizam por todas as decisões relevantes relacionadas ao bem-estar dos filhos.

Como dito anteriormente, são todas as decisões, por exemplo, relativas a escolha de escola, médico, religião, atividades extracurriculares, dentre outras.

Bem por isso, “A finalidade é consagrar o direito da criança e de seus dois genitores, colocando um freio na irresponsabilidade provocada pela guarda individual (Maria Berenice Dias). Isso porque, na guarda compartilhada, “o filho não é de um nem de outro, é de ambos”. (Rodrigo da Cunha Pereira).

Na prática, estabelece-se um sistema de consulta prévia ao outro genitor sobre o que for melhor ao interesse da criança e do adolescente, o que é facilitado pelos eficientes meios de comunicação existentes atualmente na sociedade, como o telefone, WhatsApp, Skype, e-mails, dentre outros. Para ilustrar:

guarda compartilhada lima advocacia

A guarda compartilhada é a regra no direito brasileiro?

Atualmente, com o advento da Lei n. 13.058/2014, a guarda compartilhada tornou-se a regra no direito brasileiro.

Diversamente do que dispunha o Código Civil após a Lei n. 11.698/2008, pelo qual a guarda compartilhada seria aplicada “sempre que possível”, a atual redação do art. 1.584, §2 do Código Civil estabelece que a guarda compartilhada “será” aplicada quando os pais não estão de acordo sobre a guarda do filho e possuem condições de exercer os direitos e deveres maternos e paternos.

Este modelo de guarda demanda efetiva cooperação de ambos os pais, que devem deixar de lado as suas desavenças pessoais e focar no melhor interesse dos filhos.

Nesse sentido, já se manifestou o Superior Tribunal de Justica que: “A guarda compartilhada somente deixará de ser aplicada quando houver inaptidão de um dos ascendentes para o exercício do poder familiar, fato que deverá ser declarado, prévia ou incidentalmente à ação de guarda, por meio de decisão judicial”. (REsp 1.629.994-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, por unanimidade, julgado em 6/12/2016, DJe 15/12/2016).

A guarda compartilhada pressupõe o consenso dos genitores?

A guarda compartilhada é a regra no ordenamento jurídico brasileiro e não pressupõe o consenso dos genitores.

Existem exceções à aplicação da guarda compartilhada?

Há duas exceções legais à aplicação da guarda compartilhada: quando um dos pais declara que não deseja a guarda ou não está apto para exercê-la.

Outras hipóteses de impossibilidade de aplicação da guarda compartilhada são o reconhecimento do quadro grave da alienação parental e de alguma situação excepcional alertada pela equipe multidisciplinar atuante nas Varas de Família.

A existência de medida protetiva impede a aplicação da guarda compartilhada?

Não importa necessariamente na inaplicabilidade da guarda compartilhada a existência de medida protetiva em relação ao outro genitor.

Isso porque, o fato de haver conflitos entre os genitores não significa que a relação destes com os filhos fica prejudicada.

Sendo assim, a restrição ao compartilhamento ou à convivência familiar deve estar condicionada a um efetivo risco para os filhos e não mera insegurança por parte de um dos pais.

Na guarda compartilhada, o genitor que não reside com o filho deve arcar com o pagamento da pensão alimentícia?

O genitor que não reside com o filho deve arcar com o pagamento da pensão alimentícia, em conformidade com o trinômio possibilidade-necessidade-razoabilidade.

O fato de os genitores morarem em diferentes cidades impede a aplicação da guarda compartilhada?

O art. 1.583, §3 do Código Civil esclarece que a guarda compartilhada poderá se aplicada mesmo se os genitores possuem moradia em Municípios diferentes.

No entanto, devido à distância geográfica, deve-se realizar um estudo da possibilidade no caso concreto, levando-se em consideração existência de facilidades tecnológicas, como o telefone, WhatsApp, Skype, e-mails, dentre outros.

A decisão da criança e do adolescente é fundamental para a atribuição da guarda?

Embora o art. 12 da Convenção dos Direitos da Criança da ONU ressaltar o direito das crianças e adolescentes de expressarem sua opinião e de serem ouvidos nos temas de seu próprio interesse, não é possível exigir que os filhos decidam sozinhos, tendo em vista a imaturidade e condição de pessoa em desenvolvimento.

A oitiva no processo judicial deve ser acompanhada por uma equipe multidisciplinar composta de assistentes sociais, psicólogos, além dos advogados, promotores de justiça e juiz.

Em que momento o juiz decidirá a guarda no processo?

A decisão sobre a guarda dos filhos, mesmo que provisória, será proferida preferencialmente após a oitiva de ambas as partes perante o juiz, salvo se a proteção aos interesses dos filhos exigir a concessão de liminar sem a oitiva da outra parte, conforme estabelece o artigo 1.585 do Código Civil.

Como fica a divisão do tempo de convivência na guarda compartilhada?

Ao contrário do que muitos pensam, a guarda compartilhada não significa que o tempo de convivência será dividido de forma exatamente igual, ou que a criança ou o adolescente irá ficar um período com o pai e o outro com a mãe como, por exemplo, 3 (três) dias da semana com o pai e 4 (quatro) com a mãe.

Isso porque, tecnicamente, o que se compartilha é a guarda legal e não a física da criança ou adolescente.

Na verdade, na guarda compartilhada o filho possui um referencial de uma casa principal, na qual vive com um dos pais, possibilitando ao outro o direito a conviver com a criança e o adolescente de modo equilibrado em relação ao outro genitor, sempre considerando as peculiaridades do caso e o melhor para o filho (art. 1.583, §2 do Código Civil).

O genitor que não mora com o filho tem o direito de convivência, e não de meras “visitas”, como se fosse apenas o direito de vê-lo por algumas horas e nada opinar sobre a sua vida.

A expressão convivência, portanto, revela a necessária proximidade entre o filho e o genitor que não reside no mesmo lar, devendo ser estabelecida de forma a possibilitar, da melhor maneira possível, a criação da criança e do adolescente pelo outro genitor.

E não é somente o direito dos pais conviverem com os filhos, mas também destes de ter os primeiros em sua companhia.

O que ocorre quando os pais não concordam com a divisão equilibrada do tempo de convivência ou com as decisões relativas aos filhos?

Nesse caso, se infrutíferas as tentativas de conciliação e mediação fora do âmbito do Poder Judiciário, a parte prejudicada deverá ingressar com uma ação judicial, e o juiz deverá visar à divisão equilibrada do tempo de convivência das atribuições de ambos os pais com o auxílio de equipe auxiliar, sendo esta composta por psicólogos e assistentes sociais (art. 1.584, §3 do Código Civil).

Os avós têm o direito de conviver com os netos?

Sim. Conforme estabelece a Lei n. 12.398/2011, é um direito dos avós e também da criança e adolescente conviverem entre si, podendo este direito ser reclamado por meio de uma ação judicial (art. 1.589, parágrafo único, do Código Civil).

Além disso, não somente os avós têm o direito de conviver com os filhos, mas também outros membros da família da criança e do adolescente.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0