Qual a função do Direito Penal e a diferença da nomenclatura "Direito Penal" ou "Direito Criminal".

O direito penal é o ramo do direito público que define as infrações penais, estabelecendo sanções, tais como as penas e as medidas de segurança aplicáveis aos infratores. Cuida-se de ramo do direito público, por ser composto de regras indisponíveis e obrigatoriamente impostas a todas pessoas. Ademais o Estado é o titular exclusivo do direito de punir e também é representado como sujeito passivo constante nas relações jurídico-penais.

É em primeiro lugar uma ciência. O direito penal é o conjunto de princípios e leis designados a combater a criminalidade, mediante a imposição de sanção penal, na lição de Aníbal Bruno:

                     "O conjunto das normas jurídicas que regulam a atuação estatal nesse combate contra o crime, através de medidas aplicadas aos criminosos, é o Direito Penal. Nele se definem os fatos puníveis e se cominam as respectivas sanções – os dois grupos dos seus componentes essenciais, tipos penais e sanções. É um Direito que se distingue entre outros pela gravidade das sanções que impõe e a severidade de sua estrutura, bem definida e rigorosamente delimitada." (BRUNO, 1967, p. 11-12)

A definição é adequada, porém incompleta, tendo em vista que, além de definir crimes e cominar penas, o direito criminal estabelece os princípios e regras que regulam a atividade penal do Estado, estabelecendo os fundamento e os limites ao exercício do poder punitivo, a título de exemplo os princípios de legalidade, insignificância ou bagatela, humanidade das penas, culpabilidade entre outros.

As normas penais, notoriamente as constitucionais-penais constituem ainda a respectiva composição político-jurídica estatal: liberal, democrática, autoritária, teocrática etc. As medidas do direito penal são os limites do próprio Estado.

O conceito preliminarmente aparenta confundir direito penal com legislação penal, ou seja, confunde lei e direito, embora sejam coisas distintas.

Lato sensu (em sentido amplo), o direito penal é portanto, um sistema de princípios e regras que compõe as condições de legitimação ou não da jurisdição penal, que é o poder de enunciar o direito. Consigna lato porque esta descrição também compreende, em última análise, o processo e a execução penal.

Stricto sensu (em sentido estrito), é o fragmento do ordenamento jurídico que define as infrações penais e comina as sanções, bem como institui os fundamentos e as garantias que estabelecem o poder punitivo estatal.

Diante o exposto, Segundo Mezger (1946, p. 27-28):

“O direito penal é o exercício do poder punitivo do Estado, que conecta o delito, como pressuposto, e a pena, como consequência jurídica.”

Fraciona então o direito penal em objetivo e subjetivo. Distingue-se direito penal objetivo, como o conjunto de normas penais em vigor no país. Já o direito penal subjetivo, é o ius puniendi (direito de punir), é o direito que surge para o Estado punir os cidadãos que cometem crimes. Esse poder é de titularidade exclusiva do Estado. É uma manifestação do poder de império. É pautado pelo próprio direito penal objetivo, que determina seus limites.

Neste contexto, discute-se em seara doutrinária a terminologia mais adequada. Deve-se falar em Direito Penal ou em Direito Criminal?

O vocábulo Direito Penal predispõe à ideia de pena, de um direito inerente exclusivamente à pena. Em contrapartida, Direito Criminal traz à tona um direito alusivo ao crime.

Pondera-se a insuficiência da denominação Direito Penal, uma vez que não incorpora a medida de segurança, uma das espécies de sanção penal. Destarte, seria mais coerente falar em Direito Criminal, mais vasto, porque enfatiza o crime, e não diretamente a pena. Foi a preferência adotada pelo Código Criminal do Império de 1830.

Como o crime e pena dispõem prope (próxima) relação, ambas as denominações são aceitáveis. Não obstante, é manifesta a preferência por Direito Penal, não só no Brasil, mas também em outros países.

Hodiernamente, todavia, afigura-se mais apropriado pronunciar Direito Penal, pois o Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940, recepcionado pela Constituição Federal de 1988 como lei ordinária, dispõe o Código Penal em vigor.

Para Basileu Garcia (1975, p.7-8):

“É forte motivo de ordem prática nos submete ao critério dominante. Possuímos um Código Penal, não um Código Criminal. Deve ser aceito, pois, para título da matéria, o sugerido pela lei positiva.”

Se não bastasse, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 22, I, adotou a expressão Direito Penal.

Neste ínterim, é válido destacar-se a legislação penal brasileira, que não é somente composta pelo código penal. O estatuto mais importante em vigor em matéria penal é o Código Penal (Decreto-lei nº 2.848/40, cuja parte geral foi alterada pela Lei nº 7.209/84). Há entretanto, inúmeras leis especiais que compõe nossa legislação, tais como a Lei das Contravenções Penais (Decreto-lei nº 3.688/41), Abuso de Autoridade (Lei nº 4.898/65), Lei de Tóxicos (Lei nº 11.343/2006), Sonegação Fiscal (Lei nº 8.137/90), Armas de Fogo (Lei nº

  10.826/2003), Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), Crimes de Tortura (Lei nº 9.455/97), Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000), Crimes de trânsito (Lei nº 9.503/97), Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/98), Organização criminosa (Lei nº 12.850/2013), entre outras. Foram relacionadas as mais importantes, porém são inúmeras as leis que compõe nossa legislação penal.

O direito penal é, por si só uma forma de violência por intermédio das penas, que se pressupõe justa e necessária relativamente às violências que regula e combate os crimes, de forma que o direito penal é violência.

O direito penal é, pois, uma espada de duplo fio, porque é lesão de bens jurídicos para proteção de bens jurídicos. Enfim, pretende combater crimes por meio de árduos constrangimentos à pessoa humana, os quais podem variar de uma simples multa à pena privativa de liberdade.

A violência não é, consequentemente, estranha ou extrínseca ao direito, mas inerente à ideia e à realidade mesma do direito. O direito penal é violência a serviço do controle da violência. Tão relevante quanto o controle da violência é a violência do controle penal.

Compete por fim, notar que o direito penal tem o objetivo de proteger os bens jurídicos mais importantes para a supervivência em sociedade. Contudo a forma supracitada de violência não é um mal injusto e grave ao delituoso, tendo em vista que a forma de repressão do Estado se torna um ato público, com a finalidade de prevenção de novos atos criminosos.

Ex positis (diante o exposto), o direito penal não é meramente o direito de execução de penas e prevenção de novos delitos, é similarmente um aspecto de limitação do poder do Estado de como deve-se punir e até onde o Estado pode executar as punições.

Referencias:          

BRUNO, Aníbal. Direito Penal: parte geral. 3ª edição Rio de Janeiro: Forense, 1967. T. l, pag.11 -12.

FRANZ, Von Liszt. Tratado de direito penal alemão. Coleção história do direito penal. Direito penal 9, 2006, 2 v.

GARCIA, Basileu. Instituições de direito penal. 4ª edição. 37. Tir. São Paulo: Max Limonad, 1975. V. 1, t. l, pag. 7-8.

MEZGER, Edmundo. Tratado de derecho penal, 2ª edição Madrid, 1946, v. 1, p. 27-28.

MASSON, Cleber. Direito Penal, Direito Penal, 8ª edição, 2013, v. 1.


Autor


Informações sobre o texto

Expor conhecimento.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso