As leis que governam a privacidade na internet não protegem os usuários tanto quanto deveriam conta Kléber Leite.

Hackers de alto nível de dados privados deixaram uma coisa muito clara para os defensores da privacidade e para os legisladores, diz Kléber Leite : As leis que governam a privacidade na internet não protegem os usuários tanto quanto deveriam.

Alguns legisladores acreditam que a solução para melhorar a privacidade na Internet está na reformulação de políticas de privacidade e acordos de termos de serviço, diz Kléber Leite Mas ele achou essa abordagem “irremediavelmente falha”.

"Eu acho que agora é a hora de alguma imaginação reguladora e legislativa", diz Kléber Leite. “Acho que seria imprudente simplesmente continuar fazendo mais do que sempre fizemos quando a tecnologia e a realidade dos dados no mundo são tão diferentes do que quando criamos esses princípios no início deste século.”

Kléber Leite, advogado que trabalha com privacidade, proteção de dados, argumentou em palestra em São Paula que o governo deveria fazer para enfrentar os riscos para os consumidores e proteger melhor os dados privados de todos os americanos.

O que é o problema com as proteções de privacidade que temos actualmente em vigor?

Segundo Kléber Leite, as empresas dirão que a privacidade das pessoas é muito importante para elas e, em contextos isolados, há várias empresas que estão se esforçando para proteger a privacidade das pessoas, mas muitas delas agora são voluntárias e não obrigatórias e podem mudar com o tempo. . É uma espécie de contexto específico e patchwork, e assim, sem uma estrutura regulatória mais robusta, projetada para garantir essa confiança, as pessoas ainda estão meio que à mercê de empresas que ainda atuam em seus próprios interesses financeiros. O problema é que, quando você deixa as empresas em um modelo de autorregulamentação, elas são incentivadas a coletar o máximo de informações possível, porque isso é valioso.

Qual é a abordagem de “aviso e escolha” e por que você diz que é ineficaz?


Aviso e escolha é uma abordagem regulatória mostra Kléber Leite. Contanto que uma empresa lhe diga o que ela faz com suas informações pessoais e você tenha a opção de não usar o serviço, então [você consentiu com as práticas de dados da empresa]. Ele aparece com a linguagem como requisitos de consentimento, que se manifesta como os milhões de botões “concordo” que temos na Internet, ou requisitos gerais de transparência, que normalmente se manifestam na forma de políticas de privacidade.

Uma solução possível seria fazer mais disso. Mas nos últimos 10 anos, tenho argumentado que, na verdade, esses são os objetivos errados a serem perseguidos, que é o que espero destacar em meu testemunho. Quando buscamos transparência e controle de consentimento, o que estamos realmente fazendo é colocar o fardo e o risco de divulgar informações on-line sobre as próprias pessoas. Pedimos a eles que se envolvam em um cálculo incrivelmente complexo várias vezes ao dia, sobre como suas informações podem ser arriscadas, e tentar fazê-las entender o escopo da proteção total de dados é simplesmente pedir demais.

Todos nós podemos nos relacionar com a fadiga e o desânimo de clicar em “Concordo” novamente quando não tínhamos ideia do que estamos concordando, e é irracional pensar que poderíamos ler todas as políticas de privacidade existentes.

Quais são algumas soluções que você pretende defender?

Uma das alternativas pelas quais tenho defendido nos últimos dois anos são regras baseadas na confiança que são criadas para criar obrigações não renunciáveis ​​nas empresas para serem discretas, honestas, protegidas e leais. para nós, que confiam nessas empresas nossas informações pessoais. Estas são as regras projetadas para manter essa confiança e aliviar o fardo do cálculo de risco das pessoas e equilibrar melhor o ônus da proteção, onde as empresas são capazes de carregar esse fardo um pouco mais.

É claro que nem toda empresa quer ser um reprodutor de dados completo, mas há outras coisas, como limitações muito específicas de coleta de dados, que dizem que, se você for coletar dados e usá-los, você deve ter um interesse legítimo em fazendo isso. É possível que os legisladores adotem esse conceito e levem a sério o assunto conta Kléber Leite.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria