O superendividamento é um problema na sociedade de consumo, e vem se agravando quotidianamente. Como o direito pode proteger os consumidores de possíveis abusos em uma sociedade que incentiva excessivamente o consumo e o endividamento?

O superendividamento é um problema na sociedade de consumo, e vem se agravando quotidianamente. O superendividado pode ser conceituado como aquela pessoa natural que, de boa-fé, tem mais débito que crédito. Isto ocorre, em grande parte, pela concessão de crédito pelas instituições financeiras, ou seja, os empréstimos.

Um formato de empréstimo que facilita a obtenção do crédito junto aos bancos é o empréstimo consignado em folha de pagamento. Nesta modalidade a parcela mensal do pagamento do débito é descontada diretamente da folha de pagamento do trabalhador. Isto gera mais segurança ao banco que, em contrapartida, oferece melhores condições ao consumidor, e por isso, esta modalidade de concessão de crédito é atraente para o consumidor.

Alguns tribunais, incluindo o STJ, entendem que o desconto efetuado em débito automático, diretamente da conta corrente do consumidor, equipara-se aos descontos feitos na folha de pagamento, pois é uma interferência direta ao salário e prejudica igualmente sua subsistência.

Ocorre que a legislação brasileira, para proteger o trabalhador e seu salário, impôs um limite consignatório, não permitindo que fossem descontados mais que 35% dos salários dos trabalhadores, conforme será adiante exposto.

Em que pese a limitação não esteja prevista no Código de Defesa do Consumidor (CDC), não há dúvidas que a relação jurídica no contrato de mútuo do banco com pessoas naturais, em regra, trata-se de relação consumerista. Isto porque há um fornecedor (Banco), prestando um serviço (mútuo) a um consumidor (pessoa natural).

Sendo uma relação consumerista, todo o microssistema do CDC juntamente com seus princípios se aplica à análise do caso. O CDC desempenha um papel de reequilíbrio da relação consumerista, e umas das formas é transferindo o risco do negócio para aquele que detém posição privilegiada na relação, o fornecedor.

1.1. A lei versus o contrato

O limite consignável está determinado em Lei. Este limite está previsto para os trabalhadores regulados pela CLT na Lei 10.820/03, no art. § 1º, que foi modificado pela Lei 13.172/15, que dispõe:

Art. 1º Os empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, poderão autorizar, de forma irrevogável e irretratável, o desconto em folha de pagamento ou na sua remuneração disponível dos valores referentes ao pagamento de empréstimos, financiamentos, cartões de crédito e operações de arrendamento mercantil concedidos por instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil, quando previsto nos respectivos contratos.
 
§ 1º O desconto mencionado neste artigo também poderá incidir sobre verbas rescisórias devidas pelo empregador, se assim previsto no respectivo contrato de empréstimo, financiamento, cartão de crédito ou arrendamento mercantil, até o limite de 35% (trinta e cinco por cento), sendo 5% (cinco por cento) destinados exclusivamente para:
 
I - a amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito; ou (Incluído pela Lei nº 13.172, de 2015)
 
II - a utilização com a finalidade de saque por meio do cartão de crédito.
 
A limitação para descontos consignados em folha de pagamento também é prevista para os servidores públicos federais, a matéria é regulada na Lei 8.112/90, em seu art. 45º§ 1º. Há também previsões que limitam descontos para servidores públicos estaduais, devendo ser consultada a lei de cada estado.

Ora, se há uma limitação para o percentual máximo de desconto, qualquer valor que ultrapasse o referido percentual é ilegal.

Mesmo quando firmado um contrato de empréstimo pelo consumidor com as instituições financeiras, se ultrapassado os limites legais, este acordo não deve prevalecer sobre a lei, que é cogente e determina expressamente percentual máximo que pode ser descontado da folha de pagamento. Em que pese a autonomia privada ser um valor importante de nosso ordenamento jurídico, este não deve se sobrepor à lei vigente e nem ao princípio da dignidade da pessoa humana e da garantia do mínimo existencial.

1.2. Da responsabilidade das instituições financeiras

Um dos princípios que devem ser observados pelos fornecedores nos contratos de consumo é a boa-fé objetiva. E um dos concretizadores da boa-fé objetiva é o dever de informação, sendo este um direito básico do consumidor (art.  CDC).

Nos contratos de empréstimo bancário são imprescindíveis informações tais como: margem consignável e da base de cálculo das prestações; incidência de custos operacionais agregados e qualquer outra taxa ou acréscimo eventualmente incidentes; taxa de juros; valor total do empréstimo, com e sem juros; valor, número e periodicidade das prestações; data do início e fim das prestações são imprescindíveis para o bom cumprimento da obrigação de informar.

Ainda, é dever da instituição financeira, a análise do crédito, através da solicitação de esclarecimentos quanto à existência de outras dívidas, bem como quanto às despesas do consumidor e o volume de comprometimento da renda do consignado, advertir dos riscos ou mesmo negar o crédito, se aquela concessão ultrapassar os limites legais.

É importante frisar que a letra da Lei diz expressamente que a totalidade dos descontos consignados não pode ultrapassar 35% da remuneração mensal do trabalhador.

Essa norma visa a preservar o mínimo indispensável para a subsistência digna do trabalhador, evitando que o descontrole financeiro cause prejuízo ao seu sustento e de sua família. É necessário que haja a adequação do comprometimento da renda, a fim de que seja preservada a proteção à dignidade da pessoa humana, sempre que houver superação desse limite.

Essa posição se harmoniza com o princípio da boa-fé que deve orientar a atuação dos fornecedores de produtos e serviços no mercado de consumo, em especial na concessão de crédito, a qual deve ser realizada de maneira ética e responsável, a fim de não inviabilizar a subsistência digna do mutuário.

A limitação imposta por lei, portanto, não se refere a cada empréstimo individualmente e nem mesmo deve ser analisado apenas o percentual que cada mutuante desconta, mas sim a totalidade do que está sendo descontado dos ganhos do consumidor.

É responsabilidade das Instituições Financeiras fornecer o serviço de maneira a cumprir a lei, não concedendo crédito consignado a quem já possui 30% (trinta por cento) de seu salário líquido comprometido com outras dívidas.

Caso não façam esta verificação, devem arcar com os riscos decorrentes, como por exemplo, diminuir a parcela do empréstimo para se adequar à lei.

Portanto, não só o consumidor deve fazer escolhas responsáveis ao adquirir crédito, em especial o crédito consignado que afeta diretamente o seu salário, como o fornecedor deve agir de forma responsável, em acordo com a Lei, e suportando os riscos do negócio.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso