Artigo científico é o trabalho acadêmico que apresenta resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico aceito por uma comunidade de pesquisadores.

Artigo científico é o trabalho acadêmico que apresenta resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico aceito por uma comunidade de pesquisadores. Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou resultados obtidos.

         Em geral, é uma produção curta que dificilmente ultrapassa 20 páginas. Pode ser resultado de sínteses de trabalhos maiores ou elaborados em número de três ou quatro, em substituição às teses e dissertações; são desenvolvidos, nesses casos, sob a assistência de um orientador acadêmico. São submetidos às comissões e conselhos editoriais dos periódicos, que avaliam sua qualidade e decidem sobre sua relevância e adequação ao veículo.

            Antes mesmo de começar a escrever o seu artigo científico, é necessário decidir em qual revista ele será publicado.

1)Conheça as diferenças entre os estilos

 

         São 3 estilos: informal, jornalístico e acadêmico. Para isso, você precisa ler textos em que esses estilos apareçam.

         Mas, para resumir, a escrita acadêmica é impessoal, a jornalística pretende chamar a atenção do leitor, e a informal usa linguagem coloquial (gírias, abreviações, etc).

 

2)Elimine palavras em excesso e torne a escrita mais objetiva

 

         Como fazer isso? Coloque em prática o conceito de nominalização.

         Nominalizar é transformar um verbo em um nome para remeter a algo já dito anteriormente.

 

3)Aprenda a diferença entre voz passiva e voz ativa

 

         A definição mais simples de voz passiva é: tornar o sujeito de uma sentença o objeto de uma ação.

         A voz ativa, por outro lado, tem um sujeito que pratica a ação sobre o objeto.

 

4)Leia artigos acadêmicos sobre o assunto que você vai escrever

 

         Ler diferentes artigos da sua área de atuação vão lhe atualizar quanto às novidades acadêmicas, além de ser uma ótima forma de obter referências bibliográficas ou fontes de pesquisas.

         Ao escrever um artigo preste atenção quanto ao uso da voz passiva. Esse tipo de escrita deve ser feito com equilíbrio, pois não é predominante no gênero acadêmico.

 

5)Consulte as normas técnicas da ABNT

 

         As normas da ABNT são importantíssimas na hora de formatar seu artigo de forma adequada.

         Alguns professores dão tanta importância a isso quanto dão ao texto em si. Se você pretende publicar o texto em alguma revista especializada, lembre-se de consultar a folha de estilos da mesma.

 

6)Preste atenção nas citações, notas de rodapé e referências bibliográficas

 

         Plágio é a pior coisa que pode acontecer em relação a um texto desse tipo.

         Não pense que citar alguém vai desmerecer seu texto, pelo contrário, citações servem para dar mais força aos seus argumentos.

 

7)Elimine o máximo de erros de gramática

 

         Para isso você deve ler e reler o quanto for necessário. Erros de ortografia são inaceitáveis em artigos científicos. Lembre-se, também, de ter cuidado com a pontuação!

Antes de escrever seu artigo científico escolha um periódico

 

         Você elaborou um projeto de pesquisa de um tema, realizou a pesquisa e acredita ter encontrado uma solução adequada. Chegou o momento de divulgar para a comunidade acadêmica para ser discutida e avaliada por outros cientistas através da publicação em periódicos.

         E você já escolheu em qual revista irá publicar seu artigo científico? Antes de iniciar a elaboração e redação do seu artigo é recomendado que escolha uma revista científica adequada. Isso irá te poupar muito tempo em adequações às normas e ao estilo da revista, pois o artigo já será escrito, desde o início, de acordo com estes critérios.

         Faça um levantamento das revistas que são referência na sua área e quais publicam artigos com o mesmo enfoque da sua pesquisa. Leia alguns artigos relacionados ao seu tema, leia também a página “instruções aos autores “, verifique as regras editoriais e os critérios de avaliação dos artigos.

 
         Pesquise o Fator de Impacto do periódico e a sua Classificação

 

         O Fator de Impacto pode ser consultado no Journal Citation Reports (com o acesso via proxy ao Portal de Periódicos da Capes ou de um computador de uma instituição conveniada, clique em “establish a new session“). A classificação da revista por ser consultada no Qualis da Capes.

 

         Como fazer um artigo científico passo a passo

 

         Após escolher o periódico para publicar seu artigo científico é o momento de planejar seu conteúdo.

         Para ser aceito em periódicos ou eventos, o seu artigo científico precisa estar adequado às normas da ABNT.

         A melhor dica é escrever o texto já dentro da ABNT desde o início. Esse cuidado irá te poupar tempo e evitar estresse desnecessário com muitos detalhes acumulados e referências para formatar no final.

         Pesquise e leia a Norma ABNT NBR 6022 que fala especificamente sobre Artigos Científicos.

         Agora é hora de escrever! Confira a estrutura típica de um artigo e dicas para elaborar cada um dos tópicos:

         O artigo científico possui a seguinte estrutura:

  1. Título
  2. Autor (es)
  3. Epígrafe (facultativa)
  4. Resumo e Abstract
  5. Palavras-chave
  6. Conteúdo (Introdução, desenvolvimento textual e conclusão)
  7. Referências.

 

         Passo 1 – Título

         Faça um título que transmita o tema principal do artigo, procure escrever um título curto e que desperte o interesse dos leitores.

 

         Passo 2 – Autor (es)

         O autor do artigo deve vir indicado do centro para a margem direita. Caso haja mais de um autor, os mesmos deverão vir em ordem alfabética.

 

         Passo 3 – Epígrafe

         É um tópico normalmente facultativo, que expressa um pensamento referente ao conteúdo principal do artigo científico.

 

         Passo 4 – Resumo e Abstract

         Como o nome sugere é uma síntese com uma quantidade pré-determinada de palavras (verifique a regra editorial do periódico que pretende publicar). O resumo deve conter o objetivo do artigo, a metodologia adotada no projeto para solucionar o problema e os resultados obtidos com a pesquisa.

 

         Passo 5 – Palavras-chave

         São palavras características do tema que servem para indexar o artigo, até 6 palavras.

 

         Passo 6 – Conteúdo (Introdução, desenvolvimento e conclusão)

         Esse passo é onde você irá dedicar maior tempo e atenção. Veja as dicas de cada etapa para elaborar um conteúdo relevante:

 

         Introdução do artigo

         Escreva alguns parágrafos que além de contextualizar o leitor com o tema seja atrativo, que seja um convite para que o leitor continue a leitura até o final do artigo. O texto de introdução precisa responder “o quê”, “para que” e o “como” da sua pesquisa cientifica, ou seja, expõe a problema de estudo (o quê), os objetivos (para que) e a metodologia utilizada no estudo (como).

 

         Desenvolvimento do artigo

         Nesta etapa deve-se fazer uma exposição e uma discussão das teorias que foram utilizadas para entender e esclarecer o problema, relacionando cada uma com a dúvida investigada.

         Se for uma Revisão de Literatura, o objetivo é de desenvolver a respeito das contribuições teóricas a respeito do assunto abordado.

         Quando o artigo inclui a pesquisa descritiva apresentam-se os resultados desenvolvidos na coleta dos dados através das entrevistas, observações, questionários, entre outras técnicas.

         Para não perder a sequência lógica entre os assuntos de um tópico e sub tópico do artigo, faça um roteiro e rascunho, listando as informações e a ordem em que elas aparecerão no texto.

         Insira no tópico de desenvolvimento apenas os resultados que contribuíram de fato para suas conclusões. Na apresentação dos resultados utilize gráficos, figuras que facilitam a observação dos efeitos e causas, e tabelas para dados numéricos.

         Lembre-se de adequar figuras ao que o periódico pede (dimensões, resolução, tipo de arquivo). Softwares gratuitos como o Inkscape e o Gimp podem ajudar muito!

         Alguns professores recomendam fazer um sub tópico para Discussão dos resultados evitando repetições desnecessárias. Ao elaborar a Discussão enfatize os resultados mais importantes e compare os resultados obtidos na sua pesquisa com os resultados obtidos por outros pesquisadores por exemplo.

 

         Conclusão do artigo

         Neste tópico são relacionadas às ideias desenvolvidas num texto que resume os principais resultados, com os comentários do autor e as contribuições trazidas pela pesquisa.

         A conclusão é um fechamento do trabalho estudado que responde às hipóteses enunciadas e aos objetivos da pesquisa que foram apresentados no tópico de Introdução.

 

         Passo 7 – Referências

         Trata-se de uma listagem dos livros, artigos e outros elementos de autores efetivamente utilizados e citados ao longo do artigo.

 

         Cuidados e dicas extras para você fazer um artigo científico

 

         Linguagem do artigo

         Para que seu artigo seja relevante exige-se que tenha linguagem correta e precisa, coerência na argumentação, clareza na exposição das ideias, objetividade, concisão e fidelidade às fontes citadas.

         Use termos técnicos na medida certa, sem exageros, assim você amplia o alcance para um público maior.

         Observe se não há contradições e confusões no desenvolvimento das ideias da pesquisa. A Introdução, Desenvolvimento e Conclusão devem estar alinhados e relacionados entre si, apresentados de forma lógica.

 

         Revisão

         Após redigir todo o artigo, deixe o texto “descansar” por alguns dias. Assim você se desconecta e se prepara para enxergar pontos que passaram despercebidos por estar acostumado com o texto.

         Leia o artigo inteiro primeiro e obtenha uma visão do trabalho como um todo, verifique se o texto mantém uma unidade e coerência entre Introdução, Desenvolvimento e Conclusão.

         Verifique se há ideias repetidas ou pontas soltas no texto, verifique a adequação da linguagem e a gramática.

         Releia. Releia. E, releia. Não economize na etapa de revisão. Uma dica bacana é pedir para um colega de sua área ler o artigo. Vale até contratar um profissional especializado para revisar e corrigir erros gramaticais, ortográficos e de linguagem, além de revisar a formatação e verificar se estão de acordo com as normas da ABNT.

 

         Acompanhe a repercussão do seu artigo científico

         Após publicar sua pesquisa acompanhe a repercussão do seu trabalho no mundo científico. Obtenha feedback do seu trabalho através dos comentários (críticas e elogios) e aprenda com eles.     Pesquise quem está citando o seu artigo e quais as contribuições da pesquisa para o mundo acadêmico.

         Além de contribuir para divulgação científica, escrever um artigo técnico traz uma ótima experiência profissional que enriquece o seu currículo acadêmico e profissional. É uma boa oportunidade para:

  • ganhar reconhecimento dentro da comunidade científica;
  • alcançar melhor colocação no mercado de trabalho;
  • divulgar o nome da sua instituição de ensino.

 

MODELOS DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

 

Modelo 1

 

TÍTULO DO ARTIGO EM LETRA MAIÚSCULA, SEM NEGRITO,

SEM ITÁLICO, APENAS CENTRALIZADO.

 

 

SOBRENOME, Primeiro nome e outros

 

_______________________________

 

MATTOS, André Henrique Pavan de

MIGUEL, Giancarlos Francisco

 

 

 

RESUMO

Texto curto, com espaço entrelinhas simples, todo justificado, sem negrito, sem itálico, escrito com a ideia principal do artigo como um todo.

 

PALAVRAS-CHAVE: três ou quatro palavras

 
INTRODUÇÃO

Faz a apresentação do trabalho, explica um pouco como surgiu a ideia, etc. Daqui para frente, sempre com espaço entrelinhas 1,5, mas com a mesma letra 12 do restante. Sempre justificado. Lembrar de fazer a revisão do texto! Acentos, vírgulas, pontos etc. 

 

DESENVOLVIMENTO:

1. Pode ter subtítulos assim ou não, ser um texto único:   

Em Bombinhas nonononon ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon onononononononono nonononon nononon nonononon onononononononon onononononon ononononono nononononononon nononononononon ononononononon nonononon nononon.

Para Ciavatta (2005, p.85),

 

“citações sem letra menor, ainda letra 12 como o resto, sem negrito, sem itálico, apenas com o espaço maior do lado esquerdo. nonononon ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nonononononono Veja outro exemplo abaixo”.

Hentz (2007, p. 67) aponta ainda nonononon onononon nononononono onononononon ononononono nonononon:

 

Primeiro aspecto: nonononon ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nonononon ononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nononononononono ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon

Segundo aspecto: nonononon onnonononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nonononon ononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nononononononono ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon”.

 

Estes aspectos nonononon ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nonononon ononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nononononononono ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon.

 
CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

         Constatou-se ao final do trabalho que nonononon ononononononononononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nonononon ononono onononononon ononononono nononononononon nononononononon nononononononono.

         

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Exemplo de citação de livro

CIAVATTA, Maria. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. São Pulo: Cortez, 2005.

 

Exemplo de citação de artigo científico

PEREIRA, Ana Dilma de Almeida. A intervenção didática em uma abordagem Interacional de ensino-aprendizagem da língua Materna: os percursos de uma pesquisa. Revista Letra Magna, Revista Eletrônica de Publicação Científica em Língua Portuguesa, Ano 03, n.05, 2º Semestre de 2006.

 

Exemplo de citação de publicação (revista)

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia. Proposta Curricular de Santa Catarina: Estudos Temáticos. Florianópolis: IOESC, 2005.

 

Modelo 2

 

MODELO PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

 

Nome(s) do(s) autor(es)

E-mail(s)

Disciplina – Professor(a)

 

Resumo

Este documento apresenta o modelo de formatação a ser utilizado nos artigos submetidos às Atividades Complementares dos módulos III e IV. Para este resumo não se deve ultrapassar 250 palavras sintetizando o tema em questão, objetivo do estudo, a metodologia e as considerações finais a que se chegou. Deve-se evitar frases longas e não se recorre a citações ou uso de qualquer tipo de ilustração (gráfico, tabela, fórmulas).

 

Palavras-chave: Artigo Científico. Metodologia. Normas.

 

 

Introdução

         Este documento está escrito de acordo com o modelo indicado para o artigo, assim, serve de referência, ao mesmo tempo em que comenta os diversos aspectos da formatação. Observe as instruções e formate seu artigo de acordo com este padrão.

         O artigo completo não deve exceder 8 (oito) páginas, podendo conter no mínimo 5 (cinco) páginas. As margens devem ter: superior 3cm, inferior 2cm, lateral esquerda 3cm, e lateral direita 2cm. O tamanho de página deve ser A4. O tipo de fonte deve ser Times New Roman, tamanho 12. Título: deve estar centralizado, em negrito, com letras maiúsculas e não deve ultrapassar duas linhas. A Introdução inicia-se a três espaços após o Resumo.

         Nomes dos autores: centralizados, com letra Times New Roman tamanho 10, com primeira letra de cada nome em maiúscula e o restante em minúsculo, em itálico, seguido do e-mail do autor (entre parênteses). Nas linhas seguintes, deve-se repetir o mesmo procedimento para o outro autor. Portanto, pode ser de autoria de um ou de dois autores.

         Títulos das sessões: os títulos das sessões do trabalho devem ser posicionados à esquerda, em negrito, numerados com algarismos arábicos (1, 2, 3, etc.). Deve-se utilizar texto com fonte Times New Roman, tamanho 12, em negrito. Não coloque ponto final nos títulos.

         Observe-se o cabeçalho na primeira página e a inserção da numeração a partir da segunda página, no alto à direita.

 

1 Formatação geral

 

         Um artigo deve conter partes pré-textuais (título, autoria, resumo, palavras-chaves), partes textuais (introdução, desenvolvimento desdobrado em subitens, e considerações finais apresentando a conclusão do estudo) e as partes pós-textuais, que neste formato restringe-se às referências bibliográficas (de obras citadas durante o texto) e à bibliografia consultada (obras lidas, mas não citadas). Na sequência este modelo apresenta cada uma dessas partes.

         Na introdução, deve-se apresentar o tema do artigo e a problemática em que se insere. Também se deve apresentar como a pesquisa foi realizada para discussão do tema-problema.

         No desenvolvimento e em seus subitens, discorre-se sobre a questão envolvida no tema, recorrendo às referências teóricas levantadas durante a pesquisa.

         As considerações finais tratam do fechamento do tema, ainda que reconhecendo os limites do próprio artigo para apontar soluções, podendo-se pontuar a necessidade de novas investigações.

         Quanto à formatação do corpo do texto: deve-se iniciar o texto imediatamente abaixo do título das seções. O corpo de texto utiliza fonte tipo Times New Roman, tamanho 12, justificado na direita e esquerda, com espaçamento entre linhas simples.

 

2 Formatação de tabelas e figuras

         Figuras e tabelas não devem possuir títulos (cabeçalhos), mas sim legendas. Para melhor visualização dos objetos, deve ser previsto um espaço simples entre texto-objeto e entre legenda-texto. As legendas devem ser posicionadas abaixo das Figuras e Tabelas. Esses objetos, bem como suas respectivas legendas, devem ser centralizados na página (ver, por exemplo, a Figura 1). Use, para isso, os estilos pré-definidos “Figura” ou “Tabela”. Para as legendas, deve-se utilizar fonte Times New Roman, tamanho 10, centralizada (ou, alternativamente, o estilo “Legenda”). Legendas não levam ponto final.

 

 

Figura 1 – Exemplo de figura

Fonte: ENEGEP, 2005

 

         Nas tabelas deve ser usada, preferencialmente, a fonte Times New Roman, tamanho 10. Os estilos utilizados no interior de Tabelas devem ser “Tabela Cabeçalho” e “Tabela Corpo”, os quais podem ser editados (alinhamento, espaçamento, tipo de fonte) conforme as necessidades (como, por exemplo, a fim de centralizar o conteúdo de uma coluna).

         A Tabela 1 apresenta o formato indicado para as tabelas. É importante lembrar que as tabelas devem estar separadas do corpo do texto por uma linha em branco (12 pontos). Para tanto, pode-se usar uma linha do estilo “Tabela Espaçamento” entre o corpo de texto anterior à tabela e a mesma, conforme exemplificado a seguir.

 

Item

Quantidade

Percentual

Teoria social

22

7,9%

Método

34

12,3%

Questão

54

19,5%

Raciocínio

124

44,8%

Método de amostragem

33

11,9%

Força        

10

3,6%

Tabela 1 – Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa

Fonte: Adaptado de Mays (apud GREENHALG, 1997.

3 Citações

 

         Segundo as normas da ABNT “o recurso das citações contribui para explicitação das referências teóricas adotadas na construção do trabalho, as quais introduzem os autores com que o texto manterá seu diálogo. A chamada de autores deverá ser feita pelo sistema AUTOR-data”.

         Reparem que a citação de autores ao longo do texto é feita em letras minúsculas, enquanto que a citação de autores entre parênteses, ao final do parágrafo, deve ser feita em letra maiúscula, conforme indicado no próximo parágrafo. Deve-se recorrer às Normas da ABNT para esclarecer demais detalhes sobre a apresentação e formatação.

         Na verdade, citar trechos de trabalhos de outros autores, sem referenciar adequadamente, pode ser enquadrado como plágio (CEZAR, 2007)

         No caso de citações com mais de 4 linhas, estas devem vir destacadas do texto do artigo, com recuo de 4cm da margem esquerda, com texto justificado e em corpo menor (neste caso fonte 11).

 

Considerações Finais

         Para as referências, deve-se utilizar texto com fonte Times New Roman, tamanho 12, espaçamento simples, e para organização das informações que devem constar nas referências deve-se consultar o Manual de Normas da ABNT. As referências devem aparecer em ordem alfabética e não devem ser numeradas. Todas as referências citadas no texto, e apenas estas, devem ser incluídas ao final, na seção Referências. No caso de obras consultadas, porém não referenciadas deve-se indicar na Bibliografia Consultada. Seguem os exemplos logo abaixo.

 

 

 

Referências

IENH. Manual de normas de ABNT. Disponível em www.ienh.com.br

 

Bibliografia Consultada

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS. Normas para apresentação de monografia. 3. ed. Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Biblioteca Karl A. Boedecker. São Paulo: FGV-EAESP, 2003. 95 p. (normasbib.pdf, 462kb). Disponível em: <www.fgvsp.br/biblioteca>. Acesso em: 23 set. 2004.

OLIVEIRA, N. M.; ESPINDOLA, C. R. Trabalhos acadêmicos: recomendações práticas. São Paulo: CEETPS, 2003.

PÁDUA, E. M. M. de. Metodologia científica: abordagem teórico-prática. 10 ed. ver. atual. Campinas, SP: Papirus, 2004.

 

 

Modelo 3

 

TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO (se houver)

 

Marlucy Veleda Farias*

Fernanda Rocha da Silva**

 

RESUMO

Elemento obrigatório. Deve apresentar de forma concisa, os objetivos, a metodologia e os resultados alcançados. Sequência de frases concisas, afirmativas e não a enumeração de tópicos. Recomenda-se o uso de parágrafo único. Usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular. Deve conter entre 100 e 250 palavras. Abaixo do resumo devem constar as palavras-chave ou descritores conforme a NBR 6028. Evite o uso de símbolos e contrações que não sejam de uso corrente e de formulas, equações diagramas e etc., que não sejam absolutamente necessários.

 

Palavras-chaves: Artigo científico. Normalização. Pesquisa.

 

1 INTRODUÇÃO

 

Na introdução do trabalho deve constar a definição do tema em linhas gerais, a delimitação do assunto estudado, o estabelecimento dos objetivos gerais e específicos, a apresentação da justificativa para a escolha do tema, a apresentação da metodologia e a indicação da organização do trabalho, ou seja, das partes que o compõem.

O texto do trabalho deve ser digitado com espaço entre as linhas de 1,5 (um e meio). Para as citações longas, notas de rodapé, referências, legenda das ilustrações e das tabelas, natureza (tipo de trabalho, objetivo, nome da instituição e área de concentração), o espaço entre as linhas deve ser simples.

De acordo com ABNT artigo científico “é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2003a, p. 2).

 

2 DESENVOLVIMENTO

 

Parte principal do artigo, que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto tratado. Divide-se em seções e subseções, conforme a NBR 6024, que variam em função da abordagem do tema e do método.

 

2.1...

 

2.1.1...

 

2.1.2...

 

2.1.2.1...

 

2.1.2.2...

 

2.1.2.3...

 

3 FORMATAÇÃO DE ILUSTRAÇÃO

 

Sua identificação aparece na parte superior, precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, do respectivo título e/ou legenda explicativa. Após a ilustração, na parte inferior, indicar a fonte consultada (elemento obrigatório, mesmo que seja produção do próprio autor). A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere (ABNT, 2011).

 

Figura 1 – Exemplo de figura

 

Fonte: IBGE (2013)

 

4 FORMATAÇÃO DE TABELAS

 

De acordo com as Normas de Apresentação Tabular do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1993), tabela é uma forma de apresentação de dados numéricos, que possui a seguinte estrutura:

 

a) Identificação da tabela;

b) Elementos da tabela.

 

Agora um exemplo de tabela:

 

Tabela 1 – Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa

Item

Quantidade

Percentual

Teoria social

22

7,9%

Método

34

12,3%

Questão

54

19,5%

Raciocínio

124

44,8%

Método de amostragem

33

11,9%

Força

10

3,6%

Fonte: MAYS (1997, p. 26)

 

Para construir uma tabela consulte a norma para apresentação tabular do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1993).

 

5 INDICATIVO DE SEÇÃO

 

O indicativo de seção precede o título, alinhado à esquerda, dele separado por um espaço de caractere.

 

6 FONTE

 

Conforme a NBR 14724 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2011) deve-se usar a fonte 12 para o texto e para as referências. Para as citações longas, notas de rodapé, paginação, legendas das ilustrações e tabelas, usar tamanho menor, sugerimos tamanho 10. Neste modelo foi utilizado a fonte “Arial”.

 

7 CONCLUSÃO

 

Parte final do artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos e hipóteses.

ATENÇÃO USUÁRIO! Ao submeter um artigo a uma revista, deve seguir as normas editoriais da revista.

 

 

Título do artigo: subtítulo (se houver) em língua estrangeira

 

Abstract

Elementos obrigatório, versão do resumo na língua do texto, para o idioma de divulgação internacional, com as mesmas características (em inglês Abstract, em espanhol Resumen, em francês Résumé, por exemplo)

 

Palavras-chave em língua estrangeira: Keywords. Palabras clave. Mots-clés.

 

 

Nota(s) explicativa(s)

 

A numeração das notas explicativas é feita em algarismo arábico, devendo ser única e consecutiva para cada artigo. Não se inicia a numeração a cada página.

 

Exemplos:

 

1 Primeira nota

2 Segunda nota.

3 Tereira nota.

 

REFERÊNCIAS

 

Indicar aqui todas as referências que foram citadas ao longo do artigo. Seguir as regras para elaboração de referências descritas na seção 9 do “Manual de Normalização de Trabalhos Acadêmicos: conforme normas da ABNT” da Unipampa.

Seguem abaixo alguns modelos mais frequentes de referências:

 

ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l.]: Virtual Books, 2000. Disponível em: <http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>. Acesso em: 10 jan. 2002, 16:30:30.

 

BAILONA, Baltazar Agenor et al. Análise de tensões em tubulações industriais: para engenheiros e projetistas. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

 

BRASIL. Decreto-lei nº 2.481, de 3 de outubro de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v. 126, n. 190, 4 out. 1988. Seção 1, parte 1, p. 19291-19292.

 

CASSOL, Glória Barbosa. Assessoria no Centro de Educação da UFSM: uma atividade dispensável?. In: SILVEIRA, Ada Cristina Machado da (Org.). Práticas, identidade e memória: 30 anos de Relações Públicas na UFSM. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2003. p. 183-190.

 

CONJUNTURA ECONÔMICA. Rio de Janeiro: FGV, v. 38, n. 9, set. 1984.

 

FERREIRA, Paulo Henrique de Oliveira. O jornalismo on line. Revista de Estudos de Jornalismo, Campinas, v. 6, n. 1, p. 65-77, jan./jun. 2003.

 

JONACK, Marco Antonio; MURTA, Cristina Duarte. Limite de capacidade e proteção se servidores em redes gigabit. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE REDES DE COMPUTADORES, 2006, Curitiba. Anais... Curitiba: Sociedade Brasileira de Computação, 2006. p. 179-194.

 

RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

 

SILVA, M. M. L. Crimes da era digital. Net, Rio de Janeiro, nov. 1998. Seção Ponto de Vista. Disponível em: <http://www.brazilnet.com.br/contexts/brasilrevistas.htm>. Acesso em: 28 nov. 1998.

 

SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www. propesq. ufpe.br/anais/anais/educ/ce04.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.

 

SIMÕES, Carlos. Curso de direito do serviço social. São Paulo: Cortez, 2009. 1 CD-ROM.

PUBLICAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

 

         Como escolher uma revista para publicar o seu artigo

 

         Atualmente, há milhares de periódicos científicos no mundo. Diante desse vasto universo bibliográfico, como escolher a revista onde você vai publicar uma descoberta que acabou de fazer?

         Hoje o sistema varia desde periódicos generalistas que publicam sobre qualquer ciência (como a Science) até os especializados em apenas uma área específica (como o Journal of Animal Ecology).

         Escolher uma revista não é uma tarefa fácil. Contudo, há 10 anos ou mais, publicar não era uma coisa tão complicada quanto hoje. Primeiro, porque havia menos revistas científicas, logo o universo de escolha era bem menor. Segundo, porque não vivíamos a paranoia do Culto Apocalíptico do Fator de Impacto, então escolhíamos a revista principalmente com base no escopo (qual assunto ela foca) e no prestígio (quanto os seus pares a consideram boa).

         Resumindo, na prática, escolhíamos revistas em duas etapas.          Primeiro, líamos muitos e muitos periódicos, já que achávamos os artigos principalmente em revistas impressas, assinadas por bibliotecas universitárias. Através dessas leituras formávamos a nossa própria opinião sobre o que e como cada revista andava publicando recentemente. segundo, conversávamos com colegas e coletar opiniões sobre o escopo e a qualidade das revistas que eles conheciam e liam, assim como sobre a quantidade de leitores de cada revista e sua amplitude geográfica de distribuição.

         Com base na avaliação subjetiva desses critérios, decidíamos quais revistas tinham mais a ver com o manuscrito em questão. Dentre elas, decidíamos quais eram as melhores e em quais dessas o manuscrito teria mais chance de ser aceito. Todos aprendiam que era preciso mandar um manuscrito saído do forno para uma revista que estivesse publicando sobre o mesmo assunto na época, concordasse com a abordagem usada no trabalho (sempre houve brigas entre clubinhos científicos) e fosse lida pelo maior número possível de pessoas.

         Era um trabalho minucioso, baseado no hábito da leitura frequente e em profundidade e na experiência de orientadores e colegas mais velhos. Só que as coisas mudaram e, nas últimas décadas, entregamos a maioria das boas revistas nas mãos de grandes editoras internacionais. Passamos a cultuar cegamente os índices cienciométricos.

         Desta forma, hoje em dia o fator de impacto se tornou o principal critério usado pela maioria dos cientistas na escolha do veículo de publicação das suas descobertas. Resumidamente, significa dizer que quanto mais citados são os artigos de uma revista, mais atraente ela se torna para os cientistas de uma determinada área. Só que o fator de impacto não é único e nem mesmo a melhor medida da qualidade de uma revista. Há diversos fatores qualitativos que devem ser levados em conta, como o histórico, o viés e a reputação da revista.

         Aviso: só considere publicar seu artigo em revistas indexadas em bases de dados renomadas, como Web of Science, Scopus e Scielo, salvo raras exceções (um outro dia escreverei um post sobre a importância de algumas revistas não-indexadas). E não seja tão preguiçoso e ingênuo a ponto de usar ferramentas automatizadas para escolher revistas.

         Responda para si mesmo as seguintes perguntas, nesta ordem:

         1. Quais revistas publicam artigos sobre o mesmo tema ou sobre temas correlatos do meu manuscrito?

         Esta é a pergunta mais importante de todas. Não adianta mandar um manuscrito sobre lofoforados para uma revista de mastozoologia. E muitas vezes as diferenças não são tão óbvias quanto no exemplo anterior: você precisa ser capaz de notar sutis vieses que diferem entre revistas sobre um mesmo tema.

         Primeiro, preste atenção às revistas que você mesmo está citando no seu manuscrito. Sim, isso mesmo! Se, dentre o bolo de referências, você notar que uma ou duas revistas aparecem recorrentemente, considere seriamente submeter seu trabalho a uma delas. Esse é um dos melhores sinais para descobrir quais revistas têm o escopo adequado.

         Depois, descubra o que as revistas da área andando publicando ultimamente. Você só vai responder essa pergunta corretamente se for um ávido consumidor de literatura científica e, além disso, tiver o costume de associar artigos a revistas. Essa segunda tarefa ocorria automaticamente no passado, mas hoje fazemos buscas bibliográficas em índices online, através das quais encontramos listas de artigos de várias fontes. Basta clicar e pegar o PDF direto. Muitos perderam o costume de saber naturalmente qual é o perfil de cada revista e os colegas mais novos nem sequer chegaram a desenvolver esse feeling.

         Tente resgatar essa arte de conhecer o jeitão de cada revista. Assine RSS, Twitter, TOC por e-mail, Facebook e alertas em geral criados por várias revistas e crie o hábito de prestar atenção às mensagens subliminares deles. Assim, você vai reconhecer que cada revista tem preferências por determinados assuntos e abordagens; há importantes diferenças de escopo mesmo entre as revistas mais gerais de uma mesma área, como a Oikos e a Oecologia.

         2. Dentre as revistas que têm a ver com o meu manuscrito, de quais eu gosto mais?

         Este pode parecer um critério altamente subjetivo. E de fato é mesmo! A gente não escolhe revistas apenas com base em critérios objetivos ou quantitativos. Isso é uma ilusão.

         O segundo critério que nós usamos para escolher uma revista é o quanto nós gostamos dela: ou seja, o quanto os trabalhos que ela publica têm nos ajudado a descobrir as fronteiras do conhecimento no tema de interesse. Procuremos sempre publicar nas revistas que admiramos, independentemente de estarem na moda ou no topo dos rankings cienciométricos.

         3. Qual é a reputação de cada revista?

         Faça como antigamente. Leia muito e converse com os seus colegas. Com um pouco de experiência na área, você vai saber quais revistas são consideradas melhores ou piores pelos seus pares, com base em critérios melhores do que meramente o fator de impacto. Há revistas reconhecidas como inovadoras, outras como mornas, outras como picaretas.

         4. Qual é o rigor de cada uma dessas revistas que passaram pelos três primeiros filtros?

         Hoje em dia, por causa da crise na publicação científica que vivemos, as melhores revistas encontram-se completamente engarrafadas. Ou seja, elas recebem muito mais submissões do que são capazes de processar e, que dirá, publicar. Assim, os editores-chefes, editores associados e editores de recebimento tornaram-se ultra rigorosos. Na verdade, alguns tornaram-se arrogantes mesmo, pois têm o torresmo e a pinga na mão.

         O fato é que muitos editores procuram pelo em ovo, no afã de rejeitarem vários artigos e, assim, fazerem a fila andar mais rápido. Antigamente, era possível argumentar com o editor, caso você não concordasse com a rejeição de um artigo, se os seus argumentos fossem convincentes, você poderia até mesmo mudar o jogo. Mas, hoje, alguns editores ficam ofendidos quando alguém questiona suas decisões.

         Bom, então considere o nível de rigor de cada revista, com base na sua experiência e na dos seus colegas. Isso vai evitar que você perca tempo ou se estresse à toa. Às vezes, vale mais a pena publicar numa revista igualmente boa, mas não tão top; pense bem.

         5. Quais dessas revistas são pagas e quais são 0800?

         Se você for um dos sortudos que estudam ou trabalham em uma universidade pública ou grupo de pesquisa que banca as suas publicações, pule para o conselho 6. Se não for, confira o seu bolso.

         Desde sempre houve revistas pagas e revistas gratuitas. Ou seja, em algumas revistas o autor sempre precisou pagar pela publicação. Podia ser tornando-se membro da sociedade científica que edita a revista ou pagando avulso por página impressa. O problema é que, hoje em dia, a maioria das revistas está nas mãos de grandes editoras internacionais, que cobram preços exorbitantes pela publicação. Como se não bastasse, algumas ainda restringem o acesso aos PDFs apenas aos assinantes da revista: ou seja, cobram nas duas pontas, do autor e do leitor!

         Essas editoras nem sequer pagam pelo trabalho dos revisores e editores; isso sem contar que elas também não geram o conteúdo científico dos artigos, que vem de pesquisas financiadas com verbas públicas na maioria dos casos. Por outro lado, há também revistas comerciais, mas open acess, que cobram do autor, mas não do leitor, criando um sistema mais justo. Só que algumas delas cobram caro demais, tendo margens de lucro obscenas em alguns casos.

         Sendo assim, não adianta mandar o seu manuscrito para uma revista que lhe arrancará os olhos da cara, se você não tiver grana para pagar as page charges. Contudo, algumas revistas, especialmente as open access, costumam dar waivers, ou seja, descontos para pesquisadores de países subdesenvolvidos. O Brasil costuma se enquadrar nessa categoria, mesmo sendo uma das economias Top10 do mundo, porque é notório que a maioria das universidades por aqui não destina recursos para publicações. Sendo assim, arrisque pedir um waiver, pois quem não chora, não mama.

         6. Depois de todas essas peneiras sucessivas, qual é o fator de impacto das revistas que sobraram?

         Sim, infelizmente, concordando ou não com essa história de fator de impacto, você precisa levar essa famigerada métrica em conta hoje em dia.

         Programas de pós-graduação, agências de fomento, universidades, centros de pesquisa e outras instituições acadêmicas brasileiras usam o fator de impacto, na verdade uma métrica da revista, para avaliar a qualidade individual de cada cientista. Não, isso não faz o menor sentido, mas virou moda fazer avaliações baseadas no Índice Qualis da CAPES, que por sua vez é parcialmente baseado no fator de impacto medido pelo Journal Citation Reports.

         Logo, se você for um aluno brasileiro de pós-graduação, deverá ter pelo menos alguns artigos Qualis B1+ (ou seja, B1, A2 ou A1) no seu currículo. Isso, se você quiser ter alguma chance de concorrer a uma bolsa de pós-doutorado ou a um emprego temporário ou permanente como professor universitário ou pesquisador.

         7. Conselhos finais

         Nada ajuda mais a escolher bem uma revista do que ler, ler e ler. E ouvir os conselhos dos seus pares, é claro.

         Além disso, tenha um pouco mais de personalidade do que a maioria dos seus colegas e evite se basear apenas nas modinhas derivadas do culto ao fator de impacto.

         Por fim, não se frustre caso o seu artigo seja rejeitado na primeira tentativa, por mais que você tenha caprichado na pesquisa, na redação e na seleção da revista. Hoje, há cientistas demais para revistas top de menos. Logo, é normal ter que submeter um mesmo manuscrito a três ou mais revistas top antes de conseguir que ele seja aceito.

         O importante, se você realmente acreditar na qualidade do seu artigo, é não desistir de publicá-lo bem. Há um círculo especial no inferno reservado para cientistas que queimam papers bons em revistas ruins por preguiça.

          Ferramentas e sites para encontrar artigos científicos

 

         Quando trata-se de encontrar algo, nada melhor do que o Google, para nossa sorte eles também fizeram uma ferramenta voltada para pesquisa e ciência, o Google Scholar ou Google Acadêmico que é um bom ponto de partida para pesquisar sobre um tema ou artigos científicos de uma determinada área.

É muito importante que você saiba melhor a importância do Google Scholar para sua vida acadêmica. Para uma lista mais completa de ferramentas e sites você pode conferir a lista 100 sites indispensáveis de pesquisa científica e acadêmica.

 

          Critérios de avaliação de trabalhos científicos

 

         Os avaliadores dos eventos, revistas e periódicos seguem uma linha geral de avaliação que é importante sempre atentar na hora de realizar as revisões finais do seu artigo:

 

  1. Relevância (enquadramento do artigo) – observe se o artigo produzido se adequa a publicação ou evento. É importante uma pesquisa prévia de quais eventos e publicações, mas se adequa ao seu artigo produzido.

 

  1. Originalidade – no geral os avaliadores são pessoas experientes que já possuem um vasto conhecimento na área para detectar se um trabalho produzido é original ou possui cópias demasiadas.

 

  1. Mérito técnico-científico – atentar para a clareza da metodologia científica aplicada e os resultados obtidos que sejam relevantes para a área de pesquisa.

 

  1. Apresentação (conteúdo com forma) – atentar para as normas e modelos estabelecidos pelo evento ou publicação. Desrespeitar as regras e formatos em muitos casos pode resultar na reprovação do artigo.

 

  1. Organização e legibilidade (readability) – uma boa escrita, comunicação e utilização de boas práticas e normas da área de pesquisa é essencial para que os avaliadores possam entender de forma clara o trabalho.

 

  1. Referências (normas adotadas, mais conhecida na área da saúde – estilo de Vancouver, com a citação das referências no texto na ordem numérica) – sempre que forem utilizadas referências para comparativos e direcionamento da pesquisa é obrigatório realizar a citação e ao final organizar a lista de referências utilizadas. Além dessa linha geral cada banca poderá ter seus próprios critérios específicos de avaliação, que no geral são discriminadas na chamada para submissão. Estudar esses critérios é a melhor forma de aumentar suas chances de publicação do artigo.

ONDE PUBLICAR ARTIGOS CIENTÍFICOS

 

         Os artigos normalmente são publicados em revistas científicas classificadas por área e podem ser nacionais ou internacionais. No Brasil, as revistas são classificadas pelo Qualis, que nada mais são que procedimentos utilizados pela Capes para avaliar a qualidade dessas publicações.

         As revistas são catalogadas por Qualis (critério de avaliação do MEC/CAPES), da seguinte forma:

  • A1 e A2 – Excelência internacional
  • B1 e B2 – Excelência nacional,
  • B3, B4 e B5 (relevância média)
  • C – baixa relevância

         Você pode consultar as revistas avaliadas pelo MEC, no seguinte endereço: http://qualis.capes.gov.br/webqualis/

         Outro detalhe, todas as revistas listadas e avaliadas pela CAPES têm o ISSN. Não sabe o que é isso?

         O ISSN – Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas (International Standard Serial Number) é o identificador aceito internacionalmente para individualizar o título de uma publicação seriada, tornando-o único e definitivo. Seu uso é definido pela norma técnica internacional da International Standards Organization ISO 3297.

         O ISSN é composto por oito dígitos, incluindo o dígito verificador, e é representado em dois grupos de quatro dígitos cada um, ligados por hífen, precedido sempre por um espaço e a sigla ISSN.

         Exemplo: ISSN 1018-4783.

         Agora vamos publicar? Com o artigo feito e concluído, siga os seguintes passos:

  1. primeiro consulte a revista que tem interesse em publicar
  2. Selecione a área desejada. Ex: educação física
  3. Clique no botão consultar.
  4. Leia o resultado abaixo
  5. Escolha o periódico onde submeter
  6. Acesse o site do periódico
  7. leia as regras de submissão
  8. Submeta seu artigo
  9. Aguarde o retorno
  10. Leia o retorno e tome as ações procedentes
  11. Caso receba um não, verifique as razões e, se for o caso, corrija o que não estiver bom
  12. submeta de novo (tente outro periódico)
  13. O mais importante: Não desanime.

 

         Quando for publicar, procure selecionar periódicos que se enquadrem ao tema abordado. Assim que escolher a revista em que pretende publicar, consulte as normas de publicação, normalmente disponível no site da revista, pois cada periódico tem suas regras.

         Uma opção boa para quem está começando é publicar o trabalho em congressos, simpósios, seminários e outros eventos da área, pois as regras normalmente são mais simples e as avaliações mais rápidas. Você pode encontrar esses eventos no site do CNPq e no do Even3. Essas experiências podem ser registradas no Currículo Lattes.

REVISTAS E SITES PARA A PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS DE DIREITO

 

         Sites para você publicar artigo jurídico na internet

 

         Jusbrasil

         O page rank do Jusbrasil é de 06/10. De todos, é o que conta com maior visibilidade de leitores (32 milhões de acessos mensais).

         Seu editor de texto é personalizado e simples. Ideal para quem deseja produzir artigos informativos de qualidade para o público leigo e profissionais da área jurídica. Costuma ser listado entre os principais resultados em mecanismos de busca como o Google.

         É também um espaço para quem quer divulgar escritos acadêmicos, científicos e modelos, já que é o site jurídico brasileiro mais acessado. Por ter um perfil mais colaborativo e menos burocrático, o site não possui ISSN.

 

         Âmbito Jurídico

         O Âmbito Jurídico possui ISSN e os artigos passam por uma seleção de conselho editorial. Conta com a emissão de certificados de publicação, mas apenas para quem passar pelo conselho. Uma característica do site é que não se pode apagar os artigos depois, como consta nas regras de publicação.

         O cunho do portal é mais estritamente acadêmico, não indicado para leigos que procurem seus direitos na internet. O envio dos artigos é feito por e-mail e o site não possui editor de texto. Seu page rank é 04/10.

 

         Lex Magister

         O Lex Magister também possui ISSN e conta com uma seleção de conselho editorial. Uma de suas características é que o artigo pode ser direcionado a produtos pela Lex. Não possui editor de texto próprio e o envio é pelo e-mail.

         O site tem um forte cunho acadêmico, inadequado para o público leigo, mas trata-se de uma revista com muita experiência e já a bastante tempo na ativa, fruto de uma união entre a Lex Editora e a Editora Magister. O page rank é 0/10.

 

         Jus

         Anteriormente chamado de Jus Navigandi, o Jus tem um page rank de 05/10. Também possui ISSN para suas publicações e igualmente conta com uma seleção de conselho editorial. O certificado é apenas para os artigos escolhidos, mas é possível publicar e deixar o artigo disponível no site.

         O Jus possui um editor de texto personalizado para que as pessoas possam escrever diretamente no site. Tem foco acadêmico, mas também atinge o público leigo.

 

         DireitoNet

         O page Rank do DireitoNet é de 05/10 e o site não possui ISSN. É bem fácil encontrá-lo quando se pesquisa assuntos acadêmicos e artigos objetivos para estudo, sendo ao mesmo tempo acadêmico e informal. É possível escrever para o público leigo, mas o foco maior é estudantil.

         Não conta com um editor de texto próprio e o envio de textos é por um formulário de publicação.

 

         Conteúdo Jurídico

         O site Conteúdo Jurídico tem foco totalmente acadêmico, indicado para quem quer algo mais formal, e não para quem quer um cunho mais informativo e voltado ao público leigo em geral. Não possui um editor de texto e o envio dos artigos é feito pelo e-mail. O page rank do site é de 02/10 e o site possui ISSN.

 

         Conjur

         Já bem conhecido, no Conjur você precisa enviar o artigo por e-mail para ser avaliado, em formato word. Segundo o próprio site, devido à grande quantidade de envios de artigos que recebem, muitos acabam sendo descartados no processo, mesmo os com qualidade.

         O page rank do site é 06/10 e os artigo costumam ser mais formais, porém, não necessariamente acadêmicos. É mais voltado para o jurista que quer manter-se atualizado e possui ISSN.

 

         Revistas nacionais:


         1) Revista Direitos Fundamentais e Democracia – UniBrasil http://revistaeletronicardfd.unibrasil.com.br/index.php/rdfd

 

         2) Consilium – Revista Eletrônica de Direito do Centro Universitário UNIEURO
http://www.unieuro.edu.br/sitenovo/revistas.asp


         3) Conpedi http://publicadireito.com.br/publicacao/uninove/


         4) Verba Juris – Anuário da Pós-Graduação em Direito http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/primafacie/issue/current


         5) Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos
http://www.vidajuridicaacademica.com/2013/04/chamada-de-artigos-da-revista.html


         6) Revista “Direito” publicação periódica da Faculdade de Direito Padre Anchieta
http://www.anchieta.br/unianchieta/revistas/direito/direito.asp

 

         7) Revista da PUC-MG http://periodicos.pucminas.br/index.php/Direito/issue/archive


         8) Revista Direito e liberdade da ESMARN
http://www.esmarn.tjrn.jus.br/revistas/index.php/revista_direito_e_liberdade

 

         9) Direito e Justiça – Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
http://srvapp2s.urisan.tche.br/seer/index.php/direito_e_justica/issue/current

 

         10) Direito & Justiça – PUC-RS
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fadir

 

         11) Direito em Foco – UNIFIA – Centro Universitário Amparense
http://www.unifia.edu.br/projetorevista/artigos/direitoemfoco.html

 

         12) Revista Direito Público – Revista oficial do Programa de Mestrado Constituição e Sociedade do IDP
http://www.direitopublico.idp.edu.br/index.php/direitopublico/index

 

         13) FIDES – Revista de Filosofia do Direito, do Estado e da Sociedade

http://www.revistafides.com/ojs/index.php/br

 

         14) Juris Revista do Departamento de Ciências Jurídicas (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) http://www.seer.furg.br/juris

 

         15) Justiça (Justiç@) – Revista Eletrônica da Seção Judiciária do Distrito Federal http://revistajustica.jfdf.jus.br/home/index.html

 

         16) Lex Humana http://seer.ucp.br/seer/index.php?journal=LexHumana

 

         17) Lex Magister http://www.lex.com.br/DetalheProduto.aspx?id=67

 

         18) Lex Magister http://www.lex.com.br/DetalheProduto.aspx?id=78

 

         19) Novos Estudos Jurídicos http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/nej

 

         20) Observatório da Jurisdição Constitucional http://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/index.php/observatorio

 

         21) Panóptica – Revista Eletrônica Acadêmica de Direito http://www.panoptica.org/seer/index.php/op

 

         22) Prisma Jurídico – Universidade Nove de Julho http://www4.uninove.br/ojs/index.php/prisma

 

         23) Prismas: Direito, Políticas Públicas e Mundialização – UniCEUB http://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/index.php/prisma

 

         24) REJUR – Revista Eletrônica Jurídica do Curso de Direito – PUC/PR http://revistas.facecla.com.br/index.php/redir

 

         25) Revista Brasileira de Direito Internacional – RBDI (UFPR) http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/dint

 

         26) Revista da ESMARN http://www.esmarn.tjrn.jus.br/revistas/index.php/revista_da_esmarn/index

 

         27) Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Uberlândia http://www.seer.ufu.br/index.php/revistafadir

 

         28) Revista da Faculdade Mineira de Direito – Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais http://periodicos.pucminas.br/index.php/Direito

 

         29) Revista de Ciências Jurídicas – Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Estadual de Maringá – UEM http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevCiencJurid

 

         30) Revista de Ciências Jurídicas e Sociais da UNIPAR http://revistas.unipar.br/juridica

 

         31) Revista de Direito Internacional – Centro Universitário de Brasília http://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/index.php/rdi

 

         32) Revista de Direito Internacional – Centro Universitário de Brasília http://srvapp2s.urisan.tche.br/seer/index.php/direito_e_justica/index

 

         33) Revista Direito e Justiça: Reflexões Sociojurídicas http://srvapp2s.urisan.tche.br/seer/index.php/direito_e_justica/index

 

         34) Revista Direito e Práxis http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju

 

         35) Revista Discurso Jurídico – Faculdade Integrado de Campo Mourão/PRhttp://revista.grupointegrado.br/revista/index.php/discursojuridico

 

         36) Revista do Direito – Universidade de Santa Cruz do Sul http://online.unisc.br/seer/index.php/direito/index

 

         37) Revista do Direito Público da Universidade Estadual de Londrina – UEL http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/direitopub

 

         38) Revista Eletrônica da Escola Paulista de Direito Social – EPDS http://www.epds.com.br/site/index.php?link=revista

 

         39) Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da PUC-SP http://revistas.pucsp.br/index.php/red/index

 

         40) Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da Universidade de Passo Fundo – UPF http://www.upf.br/direito/index.php?option=com_content&view=article&id=18&Itemid=22

 

         41) Revista Eletrônica de Direito Internacional – Centro de Direito Internacional – CEDIN http://www.cedin.com.br/site/internas/publicacoes/publicacoes/revista.html

 

         42) Revista Eletrônica de Direitos Humanos e Política Criminal – REDHPC (Faculdade de Direito UFRGS) http://www.ufrgs.br/direito/?page_id=254

 

         43) Revista Eletrônica Direito e Política – UNIVALI http://www6.univali.br/seer/index.php/rdp

 

         44) Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania – Faculdade São Roque http://www.facsaoroque.br/novo/publicacoes/publi_atual_drt.html

 

         45) Revista Eletrônica VirtuaJus – PUC-MG http://www.fmd.pucminas.br/Virtuajus/virtuajus_capa.html

 

         46) Revista Internacional de Direito e Cidadania http://reid.org.br/

 

         47) Revista Jurídica – FURB http://proxy.furb.br/ojs/index.php/juridica/index

 

         48) Revista Jurídica da Presidência https://www4.planalto.gov.br/revistajuridica/copy3_of_vol-15-n-106-jun-set-2013/menu-vertical/apresentacao

 

         49) Revista Jurídica Democracia, Direito & Cidadania – UNIUBE http://www.revistajuridica.uniube.br/index.php/ddc

 

         50) Revista Quaestio Iuris http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/index

 

         51) Revista Virtual Direitos Humanos – OAB http://www.oab.org.br/revistacndh/mainnovo.html

 

         52) RFD – Revista da Faculdade de Direito – UERJ http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rfduerj

 

         53) Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos – Universidade Federal de Santa Catarina https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/index

 

         54) Scientia Iuris – Revista do Programa de mestrado em Direito Negocial da Universidade Estadual de Londrina – UELhttp://www.uel.br/revistas/uel/index.php/iuris

 

         55) Virtù Revista Virtual de Filosofia Jurídica e Teoria Constitucional http://br.vlex.com/source/virtu-filosofia-juridica-teoria-constitucional-4587

 

         Revistas Internacionais:

 

         1) Boletim jurídico da Universidade de Coimbra http://www.uc.pt/fduc/publicacoes/bfdc e http://www.uc.pt/fduc/publicacoes/studia_juridica


         2) Actualité et Droit International: Revue d’analyse juridique de l’actualité internationale http://www.ridi.org/adi/


         3) American University Human Rights Brief http://www.wcl.american.edu/hrbrief/index.cfm


         4) American University Journal of Gender, Social Policy & theLaw http://www.wcl.american.edu/journal/genderlaw/


         5) Anuario Mexicano de Derecho Internacional – Universidad Nacional Autônoma de México
http://biblio.juridicas.unam.mx/revista/DerechoInternacional/presentacion.htm


         6) Berkeley Journal of International Law http://scholarship.law.berkeley.edu/bjil/


         7) Berkeley Journal of Gender Law & Justice http://genderlawjustice.berkeley.edu/


         8) Boletin Mexicano de Derecho Comparado http://biblio.juridicas.unam.mx/revista/DerechoComparado/


         9) Boston College of Law International & Comparative Law Review http://iclr.bclawreview.org/


         10) Boston University International Law Journal http://www.bu.edu/law/central/jd/organizations/journals/international/index.html


         11) Columbia University Human Rights Law Review http://www3.law.columbia.edu/hrlr/


         12) Columbia University Journal of Law and Social Problems http://www.columbia.edu/cu/jlsp/


         13) Connecticut Journal of International Law http://www.law.uconn.edu/node/1945


         14) Cuadernos Electrónicos de Filosofía del Derecho – CEFD http://ojs.uv.es/index.php/CEFD/index


         15) Cuestiones Constitucionales http://biblio.juridicas.unam.mx/revista/CuestionesConstitucionales/


         16) Cuestiones Jurídicas. Universidad Rafael Urdanetahttp://www.uru.edu/fondoeditorial/revistacj.htm


         17) Diálogos de Derecho y Política – Universidad de Antioquia http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/derypol


         18) Díkaion – Revista de Fundamentación Jurídica – Universidad de La Sabana http://dikaion.unisabana.edu.co/index.php/dikaion


         19) Derecho y Ciências Sociales – Universidad de la Plata http://revista.dcs.jursoc.unlp.edu.ar/


         20) Droit & Societé http://www.reds.msh-paris.fr/publications/revue/revue-en-ligne.htm


         21) Duke Journal of Comparative & International Law http://djcil.law.duke.edu/


         22) Duke Law and Contemporary Problems http://lcp.law.duke.edu/


         23) East European Constitutional Review http://www3.law.nyu.edu/eecr/


         24) eLaw Journal: Murdoch University Electronic Journal of Law https://elaw.murdoch.edu.au/index.php/elawmurdoch


         25) Emory International Law Review http://www.law.emory.edu/student-life/law-journals/emory-international-law-review.html


         26) Goettingen Journal of International Law http://www.gojil.eu/


         27) Gaceta Laboral http://revistas.luz.edu.ve/index.php/gl


         28) Harvard Human Rights Journal. Harvard University Law School. http://harvardhrj.com/

 

         29) Revista de derecho do Uruguai http://revistaderecho.um.edu.uy/

         30) Harvard Latino Law Review http://harvardllr.com/

 

         31) Harvard University International Law Journal http://www.harvardilj.org/

 

         32) INDRET – Revista para el Análisis del Derecho http://www.indret.com/es/


         33) International Law: Revista Colombiana de Derecho Internacional – Pontifícia Universidad Javeriana http://revistainternationallaw.javeriana.edu.co/index.php?Cn=10


         34) International Review of the Red Cross http://www.icrc.org/eng/resources/international-review/


         35) Journal of Constitutional Law https://www.law.upenn.edu/journals/conlaw/


         36) Journal of Laws & Social Problems http://www.columbia.edu/cu/jlsp/


         37) Journal of South Pacific Law. University of South Pacific. http://www.paclii.org/journals/fJSPL/


         38) Jerusalem Review of Legal Studies – University of Oxford http://www2.warwick.ac.uk/fac/soc/law/elj/lgd/


         39) Opinión Jurídica http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_serial&pid=1692-2530&nrm=iso&rep


         40) Pontificia Universidad Católica de Chile http://www.uc.cl/


         41) Revista de Derecho http://rcientificas.uninorte.edu.co/index.php/derecho


         42) Revista Eletrónica de Estudios Internascionales http://www.reei.org/


         43) Revista Jurídica – Facultad de Jurisprudencia y Ciencias Sociales y Políticas – UNIVERSI http://www.revistajuridicaonline.com/index.php


         44) Revista Chilena de Derecho http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_serial&pid=0718-3437


         45) Revista General de Derecho Europeo http://www.iustel.com/v2/revistas/detalle_revista.asp?id=13


         46) Seattle Journal for Social Justice http://www.law.seattleu.edu/academics/journals/sjsj


         47) SUR – Revista Internacional de Direitos Humanos http://www.surjournal.org/


         48) Temple International and Comparative Law Journal http://trolp.org/


         49) Yale Law Journal http://www.yalelawjournal.org/
50) Revista Estudios constitucionales da Universidade de Talca, no Chile http://www.cecoch.cl/htm/Imagenes.htm


         51) ius et plaxis da Universidade de Talcahttp://www.utalca.cl/link.cgi//Revistas/2263


         52) Revista Universum http://www.utalca.cl/link.cgi//Revistas/2267 ou http://universum.utalca.cl/


         53) Gaceta Laboral do México http://132.248.9.1:8991/F/9PY1QGENXQ9QMYBIDKEHAVPKHF6VYYIRK2IHLB3R8ATG2GQ7G8-26279?func=full-set-set&set_number=020942&set_entry=000007&format=999


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0