Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

A boa-fé objetiva e o dever de mitigar o próprio prejuízo

Análise interpretativa do art. 422 do Código Civil

Comentários sobre o ideário Duty to Mitigate the Loss que evidencia os deveres anexos em toda relação jurídica para que o credor, quando viável, diminua o próprio prejuízo em nome da boa-fé objetiva e sua aplicabilidade integrativa.

De uma relação jurídica, nasce uma obrigação entre devedor e credor. A responsabilidade surge quando o devedor não cumpre sua obrigação. Desta forma, a obrigação de dar, fazer ou não fazer é um dever jurídico originário, enquanto a responsabilidade, um dever jurídico sucessivo, dependendo do primeiro para ocorrência de seu aparecimento. Assim, a responsabilidade civil tem como pressuposto um dever jurídico preexistente advindo de um contrato violado.

Da obrigação e responsabilidade civil

     Tal distinção é atribuída a Alois von Brinz, que criou a teoria dualista de Schuld (débito/obrigação), relação obrigacional de ação ou omissão e Haftung (responsabilidade), o dever sucessivo que possibilita o credor a buscar uma reparação para os prejuízos causados pelo inadimplemento. Trazendo para a norma pátria, é o dever de indenizar disposto no art.186 do Código Civil. Ao analisar este dispositivo na literalidade, é possível compreender os pressupostos da responsabilidade, conforme será destacado:

  1. Conduta: “aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência (...)”
  2. Nexo de causalidade (conduta + resultado): “violar direito e causar (...)”
  3. Dano: (...) dano a outrem, ainda que exclusivamente moral.

    O ato ilícito é um fato jurídico importante para o direito, por ser “capaz de produzir consequências jurídicas, como o nascimento, a extinção e a alteração de um direito subjetivo.” A consequência é a responsabilidade civil extracontratual detalhada pela lei (fonte abstrata e imediata) ou contratual em que nasce pela manifestação das partes.

Se preexiste um vínculo obrigacional, e o dever de indenizar é consequência do inadimplemento, temos a responsabilidade contratual, também chamada de ilícito contratual ou relativo; se esse dever surge em virtude de lesão a direito subjetivo, sem que entre o ofensor e a vítima preexista qualquer relação juridica que o possibilite, ternos a responsabilidade extracontratual, também chamada de ilícito aquiliano ou absoluto. (CAVALIERI FILHO, 2012, p.16)

Da origem romana

No contexto histórico, aquele que devia, pagava com o próprio corpo. Porém, com o Lex Poetelia Papiria (lei romana que aboliu a possibilidade do devedor colocar a si ou alguém da família como escravo em troca da extinção da dívida), a evolução do direito consagrou a perspectiva da responsabilização foi entendida pela incidência nos próprios bens do devedor.

Da boa-fé objetiva e os deveres satelitários

Na relação jurídica estabelecida, não é apenas o devedor que possui deveres. Ambas as partes possuem deveres satelitários/anexos/laterais, é dizer: deveres que orbitam toda relação obrigacional para promover a boa-fé objetiva. Tais deveres estão anexos desde a fase pré-contratual, que é aquele momento de negociações iniciais antes da formalização, conforme art.422, CC/02. A boa-fé objetiva, tratada no art.187, CC/02 que caracteriza abuso de direito não é a intenção mental, mas a atos praticados pelas partes, “assim entendida a conduta adequada, correta, leal e honesta que as pessoas devem empregar em todas as relações sociais.” (2012, p.183). Para concatenar as ideias, a boa-fé objetiva possui três funções:

  1. Interpretativa: interpretação de cláusulas contratuais.
  2. Integrativa: deveres anexos/satelitários/laterais.
  3. Controle: estabelece limites para a parte ao pleitear direito subjetivo, “venire contra factum proprio, a supressio, a surrectio -, já apontavam para essa função de controle da boa-fé (...)” (2012, p.208).

Da teoria

A teoria do Duty to Mitigate the Loss (dever de mitigar o próprio prejuízo) preza pela cooperação entre as partes, já que se imagina que ambas pretendem finalizar o conflito da forma mais adequada possível. Sendo assim, o credor estimulado pelos deveres anexos, deve direcionar seus esforços para proporcionar condições possíveis para que o devedor possa adimplir a dívida, de forma a estabelecer uma relação de colaboração para alcançar seus interesses, promovido pelo dever de mitigar o próprio prejuízo.

Da aplicabilidade do princípio Duty to Mitigate the Loss

Desta forma, a inércia do credor, perante uma situação de prejuízo evidente e passível de intervenção, acarretará violação ao dever. Por exemplo, se o credor permite que o devedor, na posse de seu imóvel, não cumprindo as prestações devidas, permanece um longo período de tempo. Assim, perceptível que o credor majorou seu prejuízo, podendo caracterizar má-fé, devido “a ausência de zelo com o patrimônio do credor, com o consequente agravamento significativo das perdas, uma vez que a realização mais célere dos atos de defesa possessória diminuiriam a extensão do dano” (STJ - REsp: 758518 PR 2005/0096775-4, Relator: Ministro VASCO DELLA GIUSTINA (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/RS), Data de Julgamento: 17/06/2010, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJe 28/06/2010 REPDJe 01/07/2010).

Neste sentido, ratificando o princípio supra, o Enunciado n° 169 da III Jornada de Direito Civil, interpreta o art. 422 C/02: “O princípio da boa-fé objetiva deve levar o credor a evitar o agravamento do próprio prejuízo”. Portanto, o credor, para melhor deslinde do processo, deve evitar prejuízos desnecessários, sob pena de violação da boa-fé objetiva. Insta salientar, ainda, o entendimento do Superior Tribunal de Justiça de que má-fé não se presume: “(...) a presunção de boa-fé é princípio geral de direito universalmente aceito, sendo milenar a parêmia: a boa-fé se presume; a má-fé se prova” (STJ – Resp: 956943 PR 2007/0124251-8, Relator: Ministra Nancy Andrighi, Data de Julgamento: 20/08/2014, CE – Data de Publicação: DJe 01/12/2014).

REFERÊNCIAS

CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

Página 1 de 1
Sobre a autora
Ingryd Stéphanye Monteiro

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2914037905761536

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!