Estar com o nome sujo atrapalha na hora de conseguir emprego? As empresas costumam fazer a consulta ao SPC/Serasa? Confira!

De acordo com a última pesquisa de estatística social publicada pelo IBGE (jul/2019), a taxa de pessoas que estão procurando emprego no Brasil caiu de 12,7%, no primeiro trimestre deste ano, para 12%, no trimestre de abril a junho, mas o desemprego ainda atinge 11,5 milhões de pessoas. Índice que afeta diretamente a taxa de inadimplência no país, pois é comum que a população desempregada acabe entrando na lista de irregulares ou negativados.

E para dificultar ainda mais a situação das pessoas desempregadas que estão à procura de um novo emprego para conseguirem quitar suas dívidas e contas em aberto, algumas empresas usam como filtro de seleção a consulta junto a órgãos de proteção ao crédito, mesmo a prática não seja permitida, como motivo para rejeitar candidatos para vagas de emprego.

Destacamos que infelizmente essa prática de consulta de nome sujo é comum, mas como pode ser considerado discriminatório, normalmente esse motivo não é apresentado abertamente como causa para a desclassificação ou rejeição de candidato de um processo seletivo. Ou seja, ter o nome sujo pode sim atrapalhar um candidato a conseguir um emprego.

Para conferir como está a sua situação, você pode utilizar o aplicativo gratuito do Serasa, assim como outros aplicativos dos demais Orgãos de Proteção ao Crédito como SPC Brasil e SCPC Boa Vista, todos são completos e gratuitos, a melhor opção para saber se o nome está sujo (confira texto completo no site do Oportunidades Profissionais).

Candidato rejeitado por causa de nome sujo pode acionar a Justiça

Se um candidato a uma vaga de emprego for desclassificado ou rejeitado devido a uma negativações junto a órgãos de proteção ao crédito, como SPC, Serasa e SCPC, ou por causa de dívidas e contas em aberto, o mesmo poderá acionar a justiça por dano moral, no entanto, será necessário provar que a empresa realizou uma consulta de restrição de crédito e que o candidato não foi contratado por este motivo.

Mas como as empresas contratantes não tem o hábito ou a obrigação de apresentarem uma justificativa transparente e por escrito durante a desclassificação ou rejeição de um candidato a uma vaga de emprego, é muito difícil conseguir provar a prática discriminatória na contratação, pois é complicado comprovar que esse foi o motivo que levou a empresa a dispensar sua candidatura.

Destacamos, entretanto, que em casos onde o candidato concorre a uma vaga para trabalhar em instituições financeiras a rejeição por estar com o nome sujo pode ser levada em consideração e ser um ponto de eliminação, isso porque conforme dispositivo da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), instituições financeiras têm esse respaldo.

Negativação pode prejudicar assumir cargo após aprovação em concurso público

Para os caso de cargo conquistados mediante a aprovação em concursos públicos deve ser notado que as regras regidas pela CLT não são validas, sendo assim, além dos requisitos básicos que a legislação brasileira prevê para os candidatos a servidores públicos, também são adotadas regras de cada órgão para contratação, ou seja, a contratação deverá estar de acordo com o edital que é considerado a lei do concurso.

No entanto, geralmente uma negativação junto aos órgãos de proteção ao crédito não impossibilita que candidatos assumam cargos públicos, desde que a contratação esteja de acordo com o edital do concurso e o cargo não seja para atuar em instituições financeiras.

Reforçamos que a melhor maneira de não ser surpreendido com restrições cadastrais em processos seletivos é negociando e regularizando a situação financeira em que se encontra.

Com contribuição da contadora Denise Nepomuceno, sócia responsável pela Hope Contábil, um dos principais escritórios de contabildidade de Belo Horizonte/MG. Entre em contato através do e-mail [email protected]



Informações sobre o texto

Esclarecer a dúvida de usuários sobre a relação entre nome sujo e a busca por emprego.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0