O advogado do futuro deve começar a construir hoje o seu perfil do amanhã. Existe um mundo de mudanças, assim como um universo de oportunidades. E é a tecnologia a principal aliada nesse contexto de disrupção.

INTRODUÇÃO

Tenho conversado e convivido com muitos advogados ultimamente.

Sempre que tenho a oportunidade, questiono sobre como encaram as novas tecnologias.

Por alguma razão, muitos advogados (assim como outros profissionais de diversas áreas), não creem ou enxergam que a nova onda tecnológica irá impactar as suas realidades. Contudo, a questão já não é mais "se" irão ocorrer profundas mudanças na forma como hoje se trabalha, mas "quando" elas ocorrerão.

Se você, advogado, ainda não acredita no que estou falando, sugiro a leitura do livro Organizações Exponenciais, de Salim Ismail (meu professor do MBA em Tecnologia e considerado um dos mentores do Vale do Silício).

Uma das suas considerações, sempre baseada em ampla pesquisa e fundada em dados, reside no fato de que as tecnologias ficarão cada vez mais baratas, mais acessíveis e mais desenvolvidas. De uma forma ou outra, elas invadirão todos os campos profissionais da sociedade mundial.

Vale destacar que as novas tecnologias já fazem parte do cotidiano do mundo jurídico (sugiro a leitura de outro artigo que escrevi recentemente). Logo, se hoje as tecnologias já estão impactando a vida do advogado, certamente em alguns poucos anos haverá disrupção (quebra ou descontinuação dos processos de trabalho atuais). A forma como se trabalha o Direito será alterada!

Acalme-se, respire e reflita: você já pensou no mundo de oportunidades que se abrirão nos próximos cinco ou dez anos?

Mantendo a minha proposta de tentar ser o mais objetivo possível, resumi três oportunidades que entendo estarem à disposição de todo advogado, o(a) advogado(a) do futuro.

Acompanhe.

1) O(A) advogado(a) virtual: como a presença nas redes sociais pode representar uma oportunidade.

No ano de 2017, tive a oportunidade de aprofundar meus conhecimentos em marketing digital, quando realizei um curso na famosa instituição de ensino ESPM (propaganda, publicidade e marketing). E posso adiantar a você: trate de se inserir nas redes sociais e crie o seu site/blog agora mesmo!

Presença digital é oportunidade e necessidade para os advogados.

As pessoas estão cada vez menos procurando por advogados de porta em porta e cada vez mais pesquisando no Google. E é por meio do marketing digital e das redes sociais que você pode tirar uma boa vantagem competitiva (aparecer na linha de consulta no Google), apresentar o seu trabalho e criar relevância na sua área de atuação.

Há restrições.

Sabemos que existem algumas restrições no Código de Ética da OAB, especialmente na seara da propaganda e marketing. Entretanto, o que estou querendo dizer não se refere, propriamente, a marketing.

Existe um conceito chamado "Marketing de Conteúdo", pelo qual você cria conteúdo relevante explicando algo sobre o qual você domina para pessoas que estão interessadas em conhecê-lo. Digamos que este artigo é exemplo de marketing de conteúdo: estou escrevendo sobre algo que domino, difundindo conhecimento e buscando afirmação e relevância na área do Direito e da Tecnologia.

Se você é advogado tributário, por que razão ainda não criou um perfil nas redes sociais para escrever sobre as novidades legais? Por que razão ainda não explicou como um contribuinte pode reduzir a carga tributária que paga mensalmente na empresa?

Só tome cuidado!

Não escreva algo irrelevante. Mesmo as pessoas que não dominam um determinado tema sentem quando um conteúdo é irrelevante ou desnecessário. Procure escrever sobre algo mais concreto, sobre algo mais aplicável à realidade das personas (público-alvo) para as quais você atua.

Não seja "marketeiro". Deixe de lado as suas vaidades e não caia na tentação de vender seus serviços. Os leitores perceberão rapidamente que você não está construindo conteúdo, mas sim uma peça publicitária. E isso não será interessante para você.

Enfim, procure saber mais sobre marketing digital, presença digital (redes sociais e blog) e assuma uma nova posição na sua carreira. O advogado do futuro deve estar presente e interagindo nas redes sociais por meio de conteúdo relevante e acessível.

2) A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais.

No segundo semestre de 2020, entrará em vigor a chamada Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. Talvez você ainda não tenha ouvido falar sobre ela, mas posso afirmar categoricamente que ela será um divisor de águas na atuação do advogado e do Poder Judiciário competente.

A  Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) passará a regular o tratamento dos dados pessoais colhidos na rede mundial de computadores (isso, em apertadíssima síntese, por óbvio). Em breve, escreverei um artigo específico sobre o tema, mas sugiro que você leia o texto legal e busque alguns trabalhos já disponíveis sobre o tema ainda incipiente.

Essa será, na minha opinião, a área mais próspera de atuação aos advogados.

Imagine que o mundo está cada vez mais digital. Todos nós somos bombardeados na Internet e temos nossos dados colhidos pelas mais variadas formas. Em suma, a LGPD traz uma série de implicações legais para o caso de abuso ou ilegalidade no tratamento dos dados pessoais dos usuários.

É, sem dúvida alguma, um campo fértil de atuação!

Atualize-se e busque saber mais sobre essa novidade do "futuro" que impactará as relações sociais e, por conseguinte, demandará dos advogados uma atuação proativa em benefício da sociedade.

3) Ferramentas de trabalho: conheça e construa a sua caixa de ferramentas

Outra oportunidade ao advogado do futuro é a quantidade relevante de ferramentas para a atuação no seu dia a dia.

Elas vão desde ferramentas de controle de processos até complexos sistemas de inteligência artificial que realizam pesquisas jurisprudenciais e completam textos das suas petições em tempo real. Aqui, vou me limitar a falar sobre "tecnologias", haja vista que existem muitas (muitas, mesmo!).

Dito isso, você deve buscar conhecimento sobre o que existe sobre novas ferramentas de trabalho. Isso não significa, necessariamente, que você deva dominar todo o tipo de ferramenta, mas é imprescindível que você as conheça desde já.

Isso porque as tecnologias que hoje são inacessíveis e caras, certamente estarão acessíveis e baratas em alguns anos (lembre-se do conceito que falei anteriormente, tratado na obra Organizações Exponenciais).

Você percebe a vantagem competitiva, a oportunidade, que um profissional integrado às tecnologias pode ter? O profissional alinhado ao conhecimento tecnológico estará sempre um passo à frente.

E se você quiser ousar, aprofunde-se na temática.

Existem inúmeras (eu disse inúmeras) ferramentas open source, abertas e gratuitas que podem fazer parte da sua caixinha de ferramentas, embora elas sejam um pouco mais complexas de se manusear.

Em suma, a oportunidade de conhecer as tecnologias reside no fato de que você terá mais recursos para melhor desempenhar o seu ofício, além de tempo, seja para prospectar novos clientes, seja para aproveitar com a sua família ou amigos.

Deixe de lado a ideia de que a tecnologia acabará com o seu ofício. Ao contrário, ela poderá fornecer inúmeras oportunidades a você.

CONCLUSÃO

A tecnologia veio para ficar e cada vez mais será parte integrante de todas as relações sociais.

As crianças de hoje em dia aprendem a manusear smartphones e tablets antes mesmo de aprender a falar. E você ainda tem dúvida se as tecnologias impactarão a vida do advogado e de qualquer profissional? Creio que a essa altura você já esteja convencido que não.

A tecnologia está disponível, acessível e a um clique de distância. Vivemos no mundo da informação. Portanto, informe-se!

O quanto você sabe sobre tecnologia e o quanto você está preparado? Quais são as suas estratégias para o futuro? Que tipo de profissional você espera ser daqui a cinco ou dez anos? Se você ainda não for capaz de responder a essas três perguntas, reflita.

Não deixe para a última hora o que você já pode começar a construir hoje!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso