Trata-se de manifestação em favor da verdadeira expressão artística e o veto da censura arrogante

 

 

Como sou também manifestante tenho muito apreço e carinho pelos atores que nos fazem sonhar e mesmo criar novas ideias e personagens, e ator é pessoa e não uma empresa, o ator vive e interage com sua sociedade, tem sua opinião e gostos próprios, e infeliz daquele que passa a agir como um robô, talvez até superpoderoso pela ventilação da sua imagem, aonde se não houver carisma não há nada, nem a manifestação, nem a criação e vivemos num culto das imagens prontas, censuradas e prontas para fazer apenas um mecanismo mercantil, sem criação nem arte alguma.

A primeira censura que eu sofri, veio então da mãe de um amigo meu, Giuliano Ravache, pessoa que eu tinha muito apreço e que o Giuliano convidou-me para conhecê-la, quando ela arrogante e grosseira disse, ao ser tratada com respeito e superioridade manifestante: _ Senhora é a sua mãe...

Isto é a pratica imoral da censura, da advertência ao humilde telespectador, ao vulnerável da propaganda, aquele que interage com seus personagens como no Teatro grego, vital para a expressão do Teatro já no plano da realidade do coliseu.

Noutra vez, agora por coincidência cruzando a rua Pamplona em frente ao Shopping vi a Regina, e nem falei nada frente a diferença brutal de seu rosto e da maquiagem, e ela logo percebeu e fechou a cara, fechada por dentro, como se me conhecesse ou estivesse mesmo atravessado a rua por causa dela, e para mim, bem como para Grandes autores, sem um bom texto a boneca não fala.

Por ultimo as grosserias da censura no Instagram, aonde apenas me manifestei as musas que me inspiravam, por uma vez, mandei um vasinho de flores e não recebi sequer um agradecimento, um autografo, e isto é feio ! É mau educado e também desonesto, além de ser uma atividade direta da própria censura !

Mas de como toda grei, existe a exceção, encontrei com um dos grandes atores brasileiros, Antonio Fagundes na Academia aqui no Jardim  Paulista e se eu não interagisse seria certo o incomodo, pois a fonte de inspiração estava lá, de corpo e espírito, humilde e cordial... Pensei: Isto não tem valor !

Foi então que ele me recebeu, já querendo me dar um autografo, comentando sobre a tutela da sua imagem feita pelo seu filho Bruno, e isto somado leva multidões ao Teatro e ainda nos faz orgulhosos de vê-lo numa tela!!!

Parabéns aos verdadeiros artistas brasileiros, estes que nos inflamam e nos deixam orgulhosos da manifestação, e infelicidades daqueles que não tem alma, porque podem ser brevemente substituídos por imagens animadas ou robôs programáveis !

 


Autor

  • Cassio Mussawer Montenegro

    Minha formação iniciou-se em 1998 estudando Filosofia do Direito e como calouro da FADIJA. Hoje, como autodidata, alcancei um razoável nível de conhecimento jurídico através da leitura, pesquisa e suporte on line, preparado por uma grade própria de ensino aonde se incluíram livros de grandes juristas e mestres, e comigo, o gosto pelo aprendizado e pesquisa.Fui aprovado no V Exame de Ordem dos Advogados do Brasil, entretanto, minha credencial encontra-se sub judice. Sou autor do Projeto de Lei "O Povo Advogado", uma tese que gostaria de defender numa pós graduação com o nome "O Povo e Sua Lei"

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0