Por não ter caráter tributário, multa ambiental prescreve em 05 anos. Saiba mais sobre prescrição intercorrente no processo administrativo ambiental.

Deparando-se com a suspeita da prática de infrações administrativas, o o Poder Público deve deflagrar imediatamente o processo administrativo sancionador, aplicando, se for o caso, a multa administrativa.

Entretanto, a pretensão de cobrança de multas administrativas não se submete ao regime do Código Tribunal Nacional, dada a leitura a contrario sensu do art. 3º da lei 5.172/1966:

Art. 3º Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.

É que a cobrança de multa administrativa, possui natureza não-tributária, o que atrai a incidência das normas e princípios disciplinadores das relações de Direito Público.


Leia mais


Por sua vez, não se tratando de crédito tributário, é cediço que a dívida oriunda de multa administrativa não se submete às regras estabelecidas pelo Código Tributário Nacional.

A tanto igualmente converge o art. 1º-A da lei 9873/1999 com a redação veiculada pela lei 11.941/2009:

Art. 1º-A. Constituído definitivamente o crédito não tributário, após o término regular do processo administrativo, prescreve em 5 (cinco) anos a ação de execução da administração pública federal relativa a crédito decorrente da aplicação de multa por infração à legislação em vigor.

Em que pese a autoexecutoriedade administrativa, não há propriamente um direito potestativo à constituição da multa, eis que a pretensão punitiva deve ser aplicada com escorreito respeito ao devido processo legal, depois de efetiva apuração (enquanto que, na temática tributária,o próprio contribuinte recolhe o tributo, cabendo ao fisco da sua conferência e, sendo o caso, lançamento de revisão para os fins do art. 150, §4º, CTN).


Leia mais


Encerrado o processo administrativo sancionador e mantida a cominação de multa, passa a ser computado, então, o prazo de prescrição da pretensão executória (art. 1º-A, lei 9873).

Nesses termos, em se tratando de multa administrativa, a prescrição da ação de cobrança somente tem início com o vencimento do crédito sem pagamento, quando se torna inadimplente o administrado infrator.

Antes disso, e enquanto não se encerrar o processo administrativo de imposição da penalidade, não corre prazo prescricional, porque o crédito ainda não está definitivamente constituído e simplesmente não pode ser cobrado.


Conheça Nosso Escritório:

Leia mais

 

Autor

  • Farenzena Advocacia

    Especializado em Direito Ambiental e Empresarial, com serviços da mais alta qualidade e conhecimento, em todos os graus de jurisdição, administrativa ou judicial, nacional ou internacional, público ou privado, além de participar de procedimentos arbitrais e de negociações coletivas. A larga experiência e alta qualificação dos nossos profissionais, a nossa habilidade na identificação, prevenção e mitigação de riscos jurídicos ambientais, faz o escritório se destacar para além do direito ambiental, possuindo grande experiência em direito tributário, societário, agrário, marítimo e portuário, aeronáutico, relações governamentais, compliance, contratos e licitações, financeiro e bancário, mercado de capitais, gás e petróleo, mineração, energia, além de direito civil, administrativo e processual, representando clientes nacionais e estrangeiros. Com sede em Florianópolis, possuem correspondentes em Portugal, Reino Unido e Itália, além de todo território nacional. Whatsapp Business +55 (48) 3211-8488

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0