O presente texto tem por finalidade principal analisar a novíssima Lei nº 13.880, de 08 de outubro de 2019, que introduziu mudanças na Lei Maria da Penha, para determinar a apreensão da arma de fogo do autor na violência doméstica ou familiar.

 

“[...] vivemos numa sociedade em desenvolvimento, de constante afirmação dos direitos e garantias das mulheres, num sistema de proibição do retrocesso social, a fim de se buscar cada vez mais a sonhada igualdade entre homens e mulheres, e certamente, o novíssimo comando normativo tem por escopo precípuo instituir normas de cultura da paz e prevenção a fim de diminuir os vergonhosos índices de feminicídio que o Brasil ostenta perante a comunidade internacional [...]”

 

RESUMO. O presente texto tem por finalidade principal analisar a novíssima Lei nº 13.880, de 08 de outubro de 2019, que introduziu mudanças na Lei Maria da Penha, para determinar a apreensão da arma de fogo do autor na violência doméstica ou familiar.

Palavras-Chave. Lei Maria da Penha. Lei nº 13.880/2019. Arma de fogo. Apreensão. Violência. Doméstica. Familiar.

 

Summary. The main purpose of this text is to analyze the brand new Law No. 13,880, of October 08, 2019, which introduced changes in the Maria da Penha law, to determine the apprehension of the firearm of the author in domestic or family violence.

Key words. Maria da Penha law. Law No. 13.880/2019. Firearm. Seizure. Violence. Domestic. Family.

 

Entrou em vigor nesta quarta-feira, dia 09 de outubro de 2019, a Lei nº 13. 880, de 2019, que modificou a Lei Maria da Penha, Lei nº 11.340, de 2019, para estruturar e acrescentar medidas protetivas de urgência a mulheres, vítimas de violência doméstica ou familiar, com determinações cogentes voltadas à autoridades públicas, consoante previsão nas normas dos artigos 12 e 18 da lei em comento.

Destarte, o artigo 12 da LMP determina que em todos os casos de violência doméstica e familiar contra a mulher, feito o registro da ocorrência, deverá a autoridade policial adotar, de imediato, procedimentos traçados pela Lei Maria da Penha, sem prejuízo daqueles previstos no Código de Processo Penal.

Sendo assim, deverá ouvir a ofendida, lavrar o boletim de ocorrência e tomar a representação a termo, se apresentada, colher todas as provas que servirem para o esclarecimento do fato e de suas circunstâncias, remeter, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, expediente apartado ao juiz com o pedido da ofendida, para a concessão de medidas protetivas de urgência, determinar que se proceda ao exame de corpo de delito da ofendida e requisitar outros exames periciais necessários, ouvir o agressor e as testemunhas, ordenar a identificação do agressor e fazer juntar aos autos sua folha de antecedentes criminais, indicando a existência de mandado de prisão ou registro de outras ocorrências policiais contra ele.

A novíssima lei em comento determina que a autoridade policial deverá verificar se o agressor possui registro de porte ou posse de arma de fogo e, na hipótese de existência, juntar aos autos essa informação, bem como notificar a ocorrência à instituição responsável pela concessão do registro ou da emissão do porte, nos termos da Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003 (Estatuto do Desarmamento).

Ao fim de tudo isso, deverá remeter, no prazo legal, os autos do inquérito policial ao juiz e ao Ministério Público.

A outra modificação determinada pela Lei nº 13.880, de 2019, é direcionada ao Juiz de Direito, quanto à concessão de medidas protetivas de urgência, introduzindo importante medida judicial contra os agressores da norma.

Destarte, a nova ordem jurídica determina que o Magistrado ao receber o expediente com o pedido da ofendida, caberá, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas conhecer do expediente e do pedido e decidir sobre as medidas protetivas de urgência, determinar o encaminhamento da ofendida ao órgão de assistência judiciária, quando for o caso e comunicar ao Ministério Público para que adote as providências cabíveis.

Mas agora pela nova Lei deverá o Juiz de Direito determinar a apreensão imediata de arma de fogo sob a posse do agressor. 

É certo que a Lei Maria da Penha já prevê no artigo 22, que constata a prática de violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos desta Lei, o juiz poderá aplicar, de imediato, ao agressor, em conjunto ou separadamente, as seguintes medidas protetivas de urgência, entre outras, a suspensão da posse ou restrição do porte de armas, com comunicação ao órgão competente, nos termos da Lei nº 10.826, de 2003.

Desta forma, a nova Lei não permite que o Delegado de Polícia e os demais agentes pertencentes às Agências de Segurança Pública possam apreender a arma do agressor da Lei Maria da Penha, exceto se arma constituir instrumento do crime, artigo 6º, inciso II, do Código de Processo Penal.

No mais, incumbe ao Juiz de Direito determinar a expedição de medida cautelar de busca e apreensão no domicílio do autor-agressor, determinando a apreensão da arma de fogo com rigorosa observância das armas do artigo 22, § 1º, inciso III, da Lei nº 13.869, de 2019, que entra em vigor no mês de janeiro de 2020.

Observa-se que antes da presente modificação, a Lei Maria da Penha já determinava a suspensão da posse ou restrição do porte de armas, com comunicação ao órgão competente, nos termos da Lei nº 10.826, de 2003, conforme comando normativo do artigo 22, I, da citada lei.

É claro que havendo suspensão da posse ou restrição do porte de arma de fogo, o passo seguinte seria a apreensão da arma de fogo em poder do agente agressor.

Agora se o agente agressor for integrante das forças de Segurança Pública, artigo 144 da Constituição da República, o Juiz de Direito deverá expedir determinação aos comandos das respectivas forças de segurança para providenciar a tomada de medidas legais para apreensão da arma de fogo.

E aqui nascem duas possibilidades jurídicas. Num primeiro instante, importa salientar o seguinte. Se a arma de fogo for de uso particular, não se apresentam grandes dificuldades.

Num segundo momento, indaga-se, no caso do agente de polícia que trabalha operacionalmente com a arma da Instituição? Neste caso, o respectivo comando da Força de Segurança Pública deverá escalar o policial no serviço administrativo, desarmado?

Bem, a lei não traz soluções administrativas para estas questões suscitadas, mas é certo que a finalidade da norma é ampliar a esfera de proteção dos direitos das mulheres nas relações domésticas e familiares.

FOUREAUX[1], ensina que é possível que o juiz determine o recolhimento da arma do agressor, sem, no entanto, suspender o porte de arma, como a hipótese em que o agressor é um policial e possua arma particular. A arma particular será recolhida, sem prejuízo de que o policial use arma da instituição a que pertence durante o turno de serviço. Certo é que cada caso demandará análise se o policial pode utilizar a arma durante o serviço. De qualquer forma, ainda que se autorize o policial utilizar a arma durante o serviço, não poderá levá-la para casa, isto é, não poderá utilizar arma da instituição fora das hipóteses em que estiver de serviço.

Por fim, resta frisar que o legislador previu a possibilidade de o Juiz de Direito determinar a apreensão imediata de arma de fogo sob a posse do agressor. 

A lei entrou em vigor exatamente hoje, dia 09 de outubro de 2019, e já existem dúvidas para o real alcance da expressão sob a posse do agressor.

O legislador restringiu o alcance da arma de fogo somente para a posse ou também para o porte?

A expressão sob a posse, a meu sentir, num juízo apriorístico, tem a semântica de “em poder” do agressor, podendo se referir tanto à posse quanto ao porte de arma de fogo.

Vivemos numa sociedade em desenvolvimento, de constante afirmação dos direitos e garantias das mulheres, num sistema de proibição do retrocesso social, a fim de se buscar cada vez mais a sonhada igualdade entre homens e mulheres, e certamente, o novíssimo comando normativo tem por escopo precípuo instituir normas de cultura da paz e prevenção a fim de diminuir os vergonhosos índices de feminicídio que o Brasil ostenta perante a comunidade internacional.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FOUREAUX, Rodrigo. A Lei n. 13.880/19 e a apreensão de arma de fogo do autor de violência doméstica. Publicado na Revista Jus Navegandi.


[1] FOUREAUX, Rodrigo. A Lei n. 13.880/19 e a apreensão de arma de fogo do autor de violência doméstica. Publicado na Revista Jus Navegandi.


Autor

  • Jeferson Botelho Pereira

    Jeferson Botelho Pereira é Delegado Geral de Polícia Civil em Minas Gerais, aposentado. Ex-Superintendente de Investigações e Polícia Judiciária de Minas Gerais, no período de 19 de setembro de 2011 a 10 de fevereiro de 2015. Ex-Chefe do 2º Departamento de Polícia Civil de Minas Gerais, Ex-Delegado Regional de Governador Valadares, Ex-Delegado da Divisão de Tóxicos e Entorpecentes e Repressão a Homicídios em Teófilo Otoni/MG, Professor de Direito Penal, Processo Penal, Teoria Geral do Processo, Instituições de Direito Público e Privado, Legislação Especial, Direito Penal Avançado, Professor da Academia de Polícia Civil de Minas Gerais, Professor do Curso de Pós-Graduação de Direito Penal e Processo Penal da Faculdade Estácio de Sá, Pós-Graduado em Direito Penal e Processo Penal pela FADIVALE em Governador Valadares/MG, Prof. do Curso de Pós-Graduação em Ciências Criminais e Segurança Pública, Faculdades Unificadas Doctum, Campus Teófilo Otoni, Professor do curso de Pós-Graduação da FADIVALE/MG, Professor da Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC-Teófilo Otoni. Especialização em Combate à corrupção, crime organizado e Antiterrorismo pela Vniversidad DSalamanca, Espanha, 40ª curso de Especialização em Direito. Participação no 1º Estado Social, neoliberalismo e desenvolvimento social e econômico, Vniversidad DSalamanca, 19/01/2017, Espanha, 2017. Participação no 2º Taller Desenvolvimento social numa sociedade de Risco e as novas Ameaças aos Direitos Fundamentais, 24/01/2017, Vniversidad DSalamanca, Espanha, 2017. Participação no 3º Taller A solução de conflitos no âmbito do Direito Privado, 26/01/2017, Vniversidad DSalamanca, Espanha, 2017. Jornada Internacional Comjib-VSAL EL espaço jurídico ibero-americano: Oportunidades e Desafios Compartidos. Participação no Seminário A relação entre União Europeia e América Latina, em 23 de janeiro de 2017. Apresentação em Taller Avanco Social numa Sociedade de Risco e a proteção dos direitos fundamentais, celebrado em 24 de janeiro de 2017. Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Buenos Aires – Argentina, autor do Livro Tráfico e Uso Ilícitos de Drogas: Atividade sindical complexa e ameaça transnacional, Editora JHMIZUNO, Participação no Livro: Lei nº 12.403/2011 na Prática - Alterações da Novel legislação e os Delegados de Polícia, Participação no Livro Comentários ao Projeto do Novo Código Penal PLS nº 236/2012, Editora Impetus, Participação no Livro Atividade Policial, 6ª Edição, Autor Rogério Greco, Coautor do Livro Manual de Processo Penal, 2015, 1ª Edição Editora D´Plácido, Autor do Livro Elementos do Direito Penal, 1ª edição, Editora D´Plácido, Belo Horizonte, 2016, articulista em Revistas Jurídicas, Professor em Cursos preparatórios para Concurso Público, palestrante em Seminários e Congressos. É advogado criminalista em Minas Gerais. OAB/MG nº 173.111. Condecorações: Medalha da Inconfidência Mineira em Ouro Preto em 2013, Conferida pelo Governo do Estado, Medalha de Mérito Legislativo da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, 2013, Medalha Santos Drumont, Conferida pelo Governo do Estado de Minas Gerais, em 2013, Medalha Circuito das Águas, em 2014, Conferida Conselho da Medalha de São Lourenço/MG. Medalha Garimpeiro do ano de 2013, em Teófilo Otoni, Medalha Sesquicentenária em Teófilo Otoni. Medalha Imperador Dom Pedro II, do Corpo de Bombeiros, 29/08/2014, Medalha Gilberto Porto, Grau Ouro, pela Academia de Polícia Civil em Belo Horizonte - 2015, Medalha do Mérito Estudantil da UETO - União Estudantil de Teófilo Otoni, junho/2016, Título de Cidadão Honorário de Governador Valadares/MG, em 2012, Contagem/MG em 2013 e Belo Horizonte/MG, em 2013.

    Autor do livro <em>Tráfico e Uso Ilícitos de Drogas: atividade sindical complexa e ameaça transnacional</em> (JH Mizuno). Participação nos livros: "Lei 12.403/2011 na Prática - Alterações da Novel legislação e os Delegados de Polícia", "Comentários ao Projeto do Novo Código Penal PLS 236/2012", e "Atividade Policial" (coord. Prof. Rogério Greco), da Impetus. Articulista em Revistas Jurídicas.

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

O presente texto tem por finalidade principal analisar a novíssima Lei nº 13.880, de 08 de outubro de 2019, que introduziu mudanças na Lei Maria da Penha, para determinar a apreensão da arma de fogo do autor na violência doméstica ou familiar.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0